Pular para o conteúdo

Descobrindo Haarlem, na Holanda

27/10/2018

Ana Fonseca – Haarlem, Holanda

Hoje entrevistamos a Eliane Gomes, de Santos (SP), que mora há anos em Haarlem e vai nos dar dicas de como explorar essa cidade.

Foto arquivo pessoal Eliane Gomes

Eliane, qual a importânica de Haarlem para o turista internacional que quer esticar as pernas para além de Amsterdã? 

Desde a sua instituição como cidade, Haarlem foi sempre um local importante. No passado a cidade possuia um comércio forte, indústrias locais que geravam riquezas: várias cervejarias, tecidos principalmente damasco, impressão de livros e outros. Tanto no passado como atualmente a cidade atrai e produartistas de peso internacionalHá teatros, cinemas, casa de espetáculos e uma vida cultural interessante.Tem muitos restaurantes, museus, parques, teatros e festivais de música, festivais de comida, festivais de cervejas artesanais, feiras de antiquidades, etc.

Porém, sem casas noturnas de destaque, para isso é melhor ir a Amsterdam. Aqui em Haarlem o negócio é um bate-papo no bar após o jantar. Jantar fora, é algo que o cidadão aqui ama fazer. As opções são várias, porém nos fim-de semanas, sem reservas, você acaba sem mesa. Jantar acontece entre 18:30 e 21h (às 22h a cozinha fecha). Bares fecham geralmente por volta da 1 da manhã nos dias de semana e as 2 da manhã nos finais de semana, com raras exceções

O centro da cidade fica ao redor da grande igreja Grote Bavo e mantém as mesmas caracteristicas por séculos. Os turistas estrangeiros estão começando a descobrir a cidade que possui o centro histórico mais bem preservado da Holanda e em uso!

Como um turista que vem pela primeira vez a Haarlem poderia começar a explorar a cidade? Digamos, alguém chegando de Amsterdã ou de outra cidade holandesa à estação de trens de Haarlem. Que fazer? 

Foto via Spoorbeeld

Primeiro, preste bastante atenção aos detalhes arquitetônicos da Estação de Haarlem, construída em 1839. Com detalhes em madeira, já foi usada como cenário em filmes holandeses históricos e a famosa cena do filme “Oceans 12” onde eles dizem que é a estação de trem de Amsterdã, mas na verdade foi filmado em Haarlem

Início da rua Kruisweg, saindo da Estação. Foto por Ana Fonseca.

Saia da Estação pegando uma das ruas até o a praça do Grande Mercado (Grote Markt).  pela rua Kruisweg, que deixando a estação as suas costas (saída sul) estará a sua esquerda e é cheia de cafés, lojas de suvenires e bares.  Atravesse uma ponte, e perceba que a Kruisweg muda o nome para Kruistraat.

Acima: loja de presentes no início da Kruisweg. Abaixo: loja de comida na Kruistraat.

Fotos por Ana Fonseca.

Primeira paradao Centro de Informação Turística (VVV), que fica na praça principal da cidade e está há 10 minutos de caminhada da estação de trem, tem mapas e informações de passeios na cidade. Porém, andando pela cidade o que não faltam são opções de restaurantes.

 

Ali ha Kruistraat ainda, tem numa esquina o salão By Babette de uma amiga minha,  a Sarah Hawkin, que serve bolos, scones divinos, tortas, chás e sanduíches.

Da Kruistraat siga pela Barteliorisstraat que sai na praça principal da cidade a Grote Markt e é cheia de lojas

Ottomania: produtos de cama e banho de origem turca, sem bling bling.  

Na praça, pessoalmente gosto muito da atmosfera do  Grand Café Brinkmann na praça central, em estilo final do século 19 com um leve toque moderno onde você pode tomar um café, uma cerveja, ou fazer uma refeição rápida. Uma dica para quem gostaria de uma vista panorâmica da cidade vá ao top do Hudson’s Bay, uma loja de departamentos que fica no cruzamento da Gedempte Oude Gracht com a Grote Houtstraat, num prédio estilo art déco que  tem um restaurante em estilo buffet self-service muito bom.

Hofje na Kruistraat. Fotos Ana Fonseca.

Um das minhas atrações favoritas é a visita aos Hofjes. São pátios cercados por várias casas, com acesso por portões gradeados. Geralmente as casas são muito pequenas, escondidas do mundo. Tem entrada própria e no passado serviam em sua maioria como casa de retiro a aposentados. Tinham os de mulheres, os de homens os de casais, etc. O mais antigo é do século XIII e pode-se visitar. Essa rota que voce faz a pé seguindo o mapa, é gratuita. Alguns pátios tem uma caixa de doação voluntária, pois toda a manuntençao é feita por iniciativa privada. Domingo alguns pátios fecham para preservar a privacidade dos moradores. Pegue o mapa com o roteiro no Centro de Informações Turísticas (VVV).

Outra atração são as várias ruas de compras de Haarlem, a maioria está interligada ou desenboca na praça principal. Explore e se surpreenda. Haarlem é considerada uma das melhores cidades para compras do país.

Acima e abaixo: pelas ruas de compras em Haarlem tem de tudo. 

Estátua do Laurens Janszoon Coster na Grote Markt, foto Ana Fonseca

A igreja na praça central; De Grote Bavo. Mozart tocou o órgão enorme da igreja, o pintor Frans Hals está enterrado lá, tem bala de canhão encrustrada da parede, um pêndulo de Focault, Napoleão virou as pedras que marcavam as tumbas do avesso. Sim, era costume enterrar as pessoas importantes dentro da igreja, pois elas acreditavam que estariam em solo sagrado. Hoje em dia a igreja serve a missas católicas e serviços protestantes e eventualmente feira de livros, concertos de música e exposições.  A entrada é pela lateral, via a lojinha da igreja. Existe uma outra com o nome Santo Bavo, mas é a catedral católica St Bavo em outra parte da cidade.

Sábado é dia de mercado na praça! Você pode comprar excelentes queijos holandeses, peixe frito, stroopwaffel, legumes, tortas,  frutas, e flores. Especialmente agora no outono você pode comprar lindas guirlandas para sua porta de entrada, alguns objetos natalinos. Não deixe de conferir esse mercado!

O moinho De Adriaan. Você tambem chega a pé do centro e fica ao lado de um restaurante super simpático (de Zuidam). Voce paga uma entrada e voluntários mostram um video a respeito de moinhos (em inglês ou holandês),  após eles lhe acompanham as dependências do museu. Lá explicam o desenvolvimento dos modelos e funções dos moinhos através de maquetes. Voce vai até o topo onde as velas geralmente estão ativas. Eu mesma já fiz esse passeio umas 3 vezes levando meus amigos turistas. Fecha às segundas. Vale muito a pena visitar!

Teylers Museum, via Pinterest

O tempo fechou? Hora dos museus! Teyler Museum (foto acima) é um museu eclético: arte e ciência (séculos 18 e 19), uma biblioteca impressionante e o laboratório do cientista Lorentz, fosséis, colecáo de pedras, moedas, etc. É o museu mais antigo da Holanda e de uma forma um museu de museu.  Museus de arte: Frans Hals Museum – arte e objetos de arte, De Hallen – arte moderna, de Vishall. Um pouco mais inusitado é o Museo de Dolhuys (museu de psiquiatria) a 5 minutos da estação de trem pela saída norte (dos fundos).  Com referencia a WWII, tem o pequeno museu Ten Boom (https://www.corrietenboom.com/en/information/the-museum)  – uma casa que abrigou e escondeu judeus durante a 2ª Guerra. Esse recomendo reservar a visita pois é pequeno, todas as visitas são com guias em holandês ou inglês.

Deu sede? Que tal uma cerveja local, produzida na cidade? Há duas opções. A primeira é a famosa Jopen Kerk! Jopen é uma marca artesanal em Haarlem que produz cervejas modernas, IPA’s e até algumas receitas lááá do ano de 1400. A cervejaria tem parte da produçao dentro de uma antiga igreja protestante, daí o nome kerk=igreja. Nesse local há um bar e restaurante. Como a lista é grande, peça para saborear diferentes cervejas. Existe a possibilidade de pedir 3 copos pequenos com 3 diferentes cervejas. O pessoal do serviço sempre está disposto a ajudar na escolha. Se não me engano, você Ana tem uma postagem a respeito que explica tudo direitinho!

Outra muito boa de fabricação artesanal é a Uiltje (“Corujinha”).Lá tem muitas opções próprias, muitas. E você pode comer muitos queijos e “tostis” Holandeses (mistos quentes). Em suma: É um bar de cervejas próprias, queijos e cafés.

Fotos acima e abaixo na cervejaria Uiltjes, arquivo pessoal Ana Fonseca

Para terminar, uma super dica para sua visita a Holanda: não alugue carro! Voce pode fazer tudo por transporte público e a pé. No caso de urgência use o Uber. Eu pessoalmente faço quase tudo de bicicleta, porém aqui, bicicleta é transporte e não passeio. Siga as regras de trânsito para bicicletas e muita atenção nas ruas ao caminhar e cruzar ruas… tem bicicleta pra todo lado! 

Obrigada Eliane pelas informações! Veja mais sobre Haarlem em um post publicado anteriormente no BZ.

Todas as fotos desse post são de autoria de Ana Fonseca, exceto a primeira e a do moinho “De Adriaan”. 

_____________________

Ana Fonseca mora na Holanda e administra o BZ, um blog feito por brasileiros expatriados vivendo nos quatro cantos do mundo. Dicas de turismo, viagens e culinária, diferenças e choques culturais, as dificuldades em se fazer novos amigos e integrar-se, estudo e trabalho no exterior… falamos sobre tudo isso por aqui, e muito mais! Gostou do que leu? Então curta nossa página do Blog Brasil com Z no Facebook, nossa conta no Instagram e compartilhe nossas postagens com seus contatos. Agradecemos! Mora no exterior, gosta de escrever e quer se candidatar a participar mensalmente do BZ? Seja ousado (a) e escreva-nos um e-mail contando quem você é e sua motivação para fazer parte da equipe de autores: blogbrasilcomz@gmail.com Boa-sorte!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: