Skip to content

As outras caras de Paris

05/08/2008

Não acho certo falar mal de um país estrangeiro que nos acolhe (permanente ou temporariamente). Mas a idéia desse blog é passar nossas experiências reais e, principalmente, coisas que não vemos nos catálogos de agências de turismo, certo?

Portanto, tentarei expressar meus sentimentos com relação à França da forma mais realística possível.

Paris é associada a três (ou quatro) palavras já pré estabelecidas; luxo, cultura e romance(a quarta seria a falta de higiene que vem com a famosa frase” é verdade que os franceses não tomam banho?”).

O marketing turístico de Paris funciona muito bem e confesso que eles são reais, afinal, a cidade é rodeada de jardins imperiais enormes, todos muito bem cuidados,com árvores podadas em formato de cogumelo e ornamentos imensos feitos em dourado.

Jardin du Luxembourg (Wikimedia Commons)

Jardin du Luxembourg (Wikimedia Commons)

Não existe um pequeno shopping para fazer suas comprinhas, existem sim as Galeries Lafayette, cheio de marcas famosas e arquitetura prepotente. Nada é pequeno e modesto. É tudo grande e luxuoso. Quase nada surgiu, quase tudo foi produzido.

Berço de artistas e filósofos, Paris também privilegia a educação e a arte. Universidades são gratuitas e tem muitas vagas dando espaço e oportunidade inclusive para estrangeiros. Os museus têm acervos de fazer qualquer amante de arte passar mal. E como é gostoso andar pelas margens do Rio Sena e ver que muita gente vive de arte.

Rio Sena. Foto por eu mesma.

Rio Sena. Foto por eu mesma.

E, finalmente, o romance. A cidade é bonita e iluminada. O vinho é barato, a comida é boa,tudo proporciona um clima perfeito para uma casal apaixonado.

Mas existem outras palavras associadas à Paris que só fui perceber quando aqui cheguei. A primeira delas é burocracia.

Minha professora de francês (acho que falarei muito dela por aqui) me disse que existem mais funcionários públicos aqui (Paris 105,396km²),do que nos Estados Unidos ( 9,826,630 km²). Não sei se isso é real, mas eu acredito. Para empregar tudo isso de gente o governo cria diversos postos públicos que alimentam a burocracia.

Lembro que quando fui fazer meu exame médico para a retirada da Carte de Séjour (um tipo de visto), tinha uma pessoa que te pesava, outras media o seu tamanho, outra analisava sua visão, outras fazia RX, etc.Um processo que poderia ser rápido e feito por uma só pessoa, demorou séculos e se tornou estressante (tanto para mim quanto para o funcionário cuja função é anotar o tamanha das pessoas).

Outra palavra ululante é a loucura. Paris tem um número impressionantemente grande de loucos. É nítido, basta andar pelas ruas e metros e você achará a mulher que dança com a máquina de coca-cola ou algum outro conversando sozinho e olhando fixamente para você (medo!).Eu costumo dizer que aqui você vê,pelo menos,um louco por dia (como a quantidade de queijos). E quando vejo um digo, “Pronto, achei o louco do dia”.

A última palavra que gostaria de destacar é o ódio, muito bem representado por Mathieu Kassovitz em 1995 com o filme La Haine (O ódio).Nesse filme ele mostra três adolescentes da periferia de Paris, que movidos pelo tédio e pelo ódio se tornam violentos.

No Brasil a violência surgiu da desigualdade social, se alguém coloca uma arma na sua cabeça é porque quer seu dinheiro, ou se sente frustrado em uma sociedade injusta, (não concordo que isso justifique)mas aqui a violência é completamente gratuita.

Não sei de onde ela surgiu e não fiquei tempo suficiente para analisar tão bem os problemas da sociedade.Mas falta de dinheiro não é, já que o governo ajuda muito as pessoas e educação e saúde são gratuitos. Mesmo assim, essas pessoas saem por aí, queimando carros, batendo em gente nas ruas e destruindo vagões de trem do RER.

Esse video do JUSTICE mostra um grupo de adolescentes cometendo atos de violência.

Para acabar esse texto equilibradamente (3 palavras boas e 3 ruins), acabarei por aqui. Mas é claro que outras palavras ainda vão surgir nesse blog,como,arrogância, cozinha,falta de higiene, arte e etc. Acompanhe e verá.

Postado por Ingrid Mantovani

22 Comentários leave one →
  1. Ana Paula permalink
    05/08/2008 10:04

    eu moro aqui pertinho de Paris e já morei em Lyon, e digo que tem mais uma que achei que era lenda e que agora confirmo: arrogancia.. não são os franceses que são arrogantes, são os parisienses, sempre fui muito bem atendida, e me deram todas as explicações necessárias em Lyon.. em Paris é complicado… ficam de mandando de um lado pro outro, ninguém sabe, ninguém fala.. se não for preguiça é má vontade mesmo… Estou ficando louca com a falta de informação sobre tv, telefone, escolas, cursos.. o que eu encontro na internet:ótimo.. o que não encontro: esqueça, só um brasileiro o outro que está aqui a mais tempo pra informar..

  2. 05/08/2008 10:24

    A violência gratuita francesa tem nome: Xenofobia.
    Tem também o outro lado, que são as minorias que sofrem no seu dia-a-dia a xenofobia (ou a impressão de xenofobia), e por isso se juntam em grupos de iguais para fazer zona e mostrar poder.

    A perfeição dos bairros ricos e as diferenças socias também incomodam e causam isso. Pode ser que a desigualdade não seja tão crítica como no Brasil, mas ela existe e em uma sociedade “esnobe” é sempre mais difícil tolerar.

    Não conheço muito bem Paris, mas tem muitos judeus da França escapando para Israel recentemente. Muitos deles tem medo dos grupos de “minorias” (já são uma boa maioria) muçulmanas que atacam judeus nas ruas.
    O fator “hooligan” na França é uma tendência de alguns anos já e é uma das prioridades no governo do novo presidente, N.S., terminar com isso.
    É muito mais complexo que reforçar a segurança. É toda uma mudança social e cultural para que a França se adapte a todos esses novos imigrantes e o povo francês “puro” passe a respeitar mais essa gente.

    Alguma vez rolou contigo algum tipo de discriminação por ser estrangeira ai?

  3. 05/08/2008 10:46

    Mais um vídeo relacionado, de revolta na França;

  4. Amanda permalink
    05/08/2008 17:09

    Oi Ingrid, li seu texto e sei que cada um tem seu proprio ponto de vista de acordo com suas experiencias. So que moro na mesma cidade que vc e não concordo com 80% do que vc falou dela! Longe de mim achar que Paris é perfeita (to sofrendo em pensar que vou ter que ficar aqui ainda uns 3 anos mais), mas os defeitos, e mesmo as qualidades, que eu acho importantes passam longe dos seus. Ta certo que Paris é associada às 4 palavras que vc disse, mas, luxo? Apartamentos minusculos, restaurantes caros, bom, se vc não é rico, o luxo passa longe, beeem longe. Compras na galerie Lafayette é so pra quem pode, ne? Cultura, ta certo, isso tem muuuito! E tudo surgiu, quase nada foi produzido. Romance, sim, tem um clima favoravel. A falta de higiene, apesar da fama no Brasil (e so no Brasil) é uma mentira deslavada que achei que qualquer pessoa que mora aqui ha mais de 1 mes saberia.

    Burocracia, ta certo, tem muita burocracia comparado aos paises anglo-saxoes, mas ela é bem melhor que a do Brasil. Passei pela burocracia dos dois e a da França é bem menos frustrante! Quanto aos funcionarios publicos, a mesma coisa. Os Estados Unidos tem poucos funcionarios simplesmente pq la tudo é privatizado! Aqui os transportes sao publicos, os hospitais sao publicos, as universidades sao publicas. Ve quantos empregos nao tem ai. E o Brasil é mestre em ter funcionarios publicos excedentes! No hospital que a minha mae trabalha eles fazem rodizio e so trabalham meio-periodo, 4x na semana. Recebem integral, claro. Aqui na França isso é escandalo. Tem funcionario publico, mas tem muito trabalho.

    A palavra loucura eu nao poderia estar mais de acordo!

    O odio, bem, tenho a impressao que vc entendeu um pouco errado. Na verdade, tenho a impressao que a sua professora de frances é de direita até à raiz dos cabelos! Quer dizer, se foi ela que te falou essas coisas… Essa com certeza é a palavra mais complicada. Pra nao acabar escrevendo um texto maior que o seu, eu so queria dizer que, como no Brasil, a violencia aqui tbm surgiu da desigualdade social. Se nao por falta de dinheiro (sim, o gov ajuda, mas não é suficiente), por falta de respeito. A violencia não é completamente gratuita.

    Nao concordo com o que vc disse, mas eu gostei muito do seu jeito de escrever! Continue!
    Beijos!

  5. Ingrid permalink
    05/08/2008 18:31

    Olá leitores,
    Fico feliz que meu post tenha virado um debate (quase político)…
    Quanto às opiniões do texto, são todas minhas, e só minhas (minha professora de francês só falou a parte dos funcionários públicos). E não sou de extrema direita,nem de extrema esquerda, só escrevo em relação ao que sinto e vejo, sem nenhum estudo do assunto, portanto a opinião de todos é muito bem vinda.
    Vocês têm razão, o ódio deve ter surgido de alguma forma de desigualdade, ou xenofobismo, mas pelo que percebi não existe nenhum movimento social que tenha alguma visão, ou crítica. De qualquer maneira,NENNHUMA forma violência é justificada.
    Obrigada pelas visitas,

  6. mms permalink
    05/08/2008 20:28

    bacana o blog
    adorei o post sobre o hebraico… tem potencial, podiam abrir espaço para “convidados” que escrevam bons textos esporadicamente… fica a dica

  7. 06/08/2008 1:37

    adorei seu texto gui… como sempre 🙂

    concordo com muitos pontos q vc citou…

    Mesmo estando em Paris por apenas 3 dias acho q posso dizer com certeza alguns defeitos q me fazem pensar em nunca morar la. A falta de atencao e respeito das pessoas sao evidentes, se vc nao fala frances eh bem complicado conseguir uma informacao. O metro, apesar de ter varias linhas de acesso, eh um tanto precario… um modo estranho de entrar e sair do trem, a disposicao dos bancos tb merece observacao hehehe e se seu ticket nao funcionar, eles nao poupam trabalho trocando por um novo, em cada estacao vc tem q explicar seu caso para o seguranca ateh ele liberar sua passagem. Por ultimo, a falta de higiene… aquela Paris toda branquinha vista de cima da Torre Eiffel nao faz vc imaginar qta sujeira tem la embaixo.

    Maaaaaaas isso sao apenas detalhes entre tantas outras coisas bakanas. Paris eh um lugar lindo pra visitar e eu voltaria la qtas vezes fosse possivel 🙂

  8. 06/08/2008 2:56

    Oi Gui, não conheço a França e nunca fui à Europa, mas tenho muitos conhecidos que sempre estão indo a passeio. Já ouvi muitas vezes a palavra “arrogância” relacionada com Paris. Diz a lenda que você pode até perguntar algo em inglês, mas deve sempre começar cumprimentando em francês antes.

    Fiquei estarrecido com o vídeo, achei que esse tipo de baixaria acontecia somente na Inglaterra com os Hooligans ou na Espanha por causa dos ETA (mas são problemas políticos). Sempre pensei na França como um país inofensivo, vide histórico entre guerras.

    Prova que as primeiras impressões realmente não condizem muito com a realidade!

    😉

  9. bserpa permalink
    06/08/2008 6:05

    Só uma correcção: os Estados Unidos têm 9,826,630 km² de área.

    No mais, óptimo texto e blog 🙂

  10. Ana Paula permalink
    06/08/2008 11:03

    Vc achou que a parte de higiene é mentira? Pega o RER e metrô as 19h00, como eu peguei ontem, e depois me fala se aquele cheiro é de quem toma banho todo dia… sinto muito pelos que são limpos, os que eu conheço parecem tomar banho diariamente, mas que não é a maioria isso não é… e outra coisa: tudo é grande mesmo, palácios enormes, jardins enormes, monumentos enormes, mas por que será que os restaurantes são sempre pequenos? os bons tem sempre fila se não reservar, e vc é sempre obrigada a ouvir a conversa do vizinho de tão perto que as mesas ficam (e olha que eles falam baixinho, isso eu acho chic)? Concordo com a buracracia, mas acho que tudo bem, desde que funcione, não sei como é nos EUA, mas no Brasil a buracracia não leva à nada.. aqui pelo menos o serviço publico funciona, a gente paga imposto e vê pra onde ele vai…

  11. Ingrid permalink
    06/08/2008 11:34

    Oi Ana Paula,

    Muito obrigada por participar da discussão.

    Eu concordo que a burocracia aqui tem mais resultado que no Brasil.Mas eu não gosto muito de comparar Paris e São Paulo(as cidades que vivi),as vezes eu faço, mas, realmente, não tem como. Tudo é muito diferente. Começando pela idade de ambos continentes, passando pelo tempo de colonização de outros países que a Europa teve e a América latina não.As histórias,primeira, segunda guerra, que a França viveu intensamente, a Revolução francesa e o amadurecimento. Confesso que espero mais coisas da Franca do que do Brasil.
    Quanto a luxuria(acho que fui mal entendida nessa parte do texto), eu vivia, certamente uma vida mais luxuosa no Brasil da que vivo no momento,.Moro em uma casa de 12M2(falarei mais em um próximo post), divido meu banheiro com pessoas naos quais nunca vi a cara, vivo no sexto andar sem elevador e quando vou a um bar tenho que fazer xixi em uma banheiro que eles chamam de Banheiro turco (um buraco no chão).
    Mas falo com relação a lugares turísticos, geralmente produzidos pelo governo, que tem esse ar de arrogância e grandeza.Parece que tudo foi construído por um megalomaníaco…rs…As vezes é bacana,não sei, você sente que tudo foi bem feito,mas eu, particularmente,não gosto.
    Enfim, não vou escrever outro post tão grande quanto o outro aqui.
    Obrigada de novo por visitar o blog,

  12. persistenciadamemoria permalink
    06/08/2008 11:44

    Oi bserpa
    Vc tem completamente razao,
    Devo ter errado algo no ctrl+C ctrl+V, mas o texto ja foi alterado.
    Obrigada
    Ingrid

  13. 06/08/2008 13:13

    Oi Ingrid, belo blog!!

    Acho que o problema nas periferias de Paris é muito mais profundo. Não é uma maravilha de educação, saúde que é “dada” pelo governo para os imigrantes (na maioria Marroquinos) que moram por lá na periferia.

    Acredito que muito da violência não chega na mídia como aqui no Brasil.

    Nada disso conseguiu tirar essa magia de Paris, mas eles tem que estar atento com tudo isso.

    Abração!

  14. Christian permalink
    06/08/2008 22:43

    Olá Ingrid,

    Venho aqui fugindo um pouco do texto abordado. É que sou publicitário também e estou indo para França no começo de janeiro. Gostaria de saber como anda o mercado por aí, se você tem algum informação sobre as agências etc. Qualquer informação que você puder compartilhar já será de grande ajuda. Um abraço!

  15. Christian permalink
    06/08/2008 23:00

    Olá Ingrid,

    Venho aqui fugindo um pouco do texto abordado. É que sou publicitário também e devo morar na França (Paris) começo de janeiro. Gostaria de saber como anda o mercado aí e se você tem alguma informação sobre as agências etc. Qualquer informação que tiver, já irá me ajudar muito. Grato pela atenção. Um abraço!

  16. Maike Bispo permalink
    07/08/2008 0:24

    Olas!

    Curti o texto. E nossa, como os “comments” das pessoas são grandes aqui, é como estar em Paris…rs.

    Mas agressividade faz parte mesmo das pessoas, nem sempre depende da falta de grana e condições. É que algumas pessoas, como eu, são irônicas. É uma forma de diluir o seu lado agressivo, acho.

    De qualquer forma fiquei ainda mais curioso em conhecer Paris, a “cidade dos sonhos”.

    Bjs e te espero aqui em SP.

  17. 07/08/2008 1:54

    Li o texto e os comentarios. E normal que pessoas diferentes tenham opinioes diferentes. Nao se ofendendo umas as outras, acho valido poder comparar opinioes. Moro no Japao e tenho certeza que qq coisas que eu venha a comentar deste pais, havera sempre alguem para contrariar. Por mais que seja uma opiniao minha, sempre vai haver alguem para dizer ao contrario. Mas dou valor a pessoas como a blogueira Paris que retratam de forma crua e sem muitos numeros, bla-bla-blas e, principalmente, se utilizam de um linguajar corriqueiro com intuito de retratar aquilo que vivencia em um pais estrangeiro. Nesse ponto, a ideia deste blog e perfeita! Achei interessante ter a participacao de outros conterraneos que vivem no mesmo pais e tem visoes diferentes (claro!). Continuem assim…a Ingrid com suas interpretacoes de Paris e os outros colegas com as deles. Assim todos nos aprenderemos algo…

  18. Gabriela permalink
    07/08/2008 12:16

    Eu concordo com todos….aqui na França tem muita coisa bonita, acho muito importante a valorização da cultura e o fato das pessoas não terem vergonha de puxar um livro no metrô (o que não é muito comum vermos no Brasil)…
    Estou na França ha 1 ano, passei 6 meses em Lyon e 6 meses em Paris, onde continuo. Não gosto de falar mal nem da França nem do Brasil porque ambos tem seus defeitos e qualidades, ambos tem historias e geografias completamente diferentes e são, portanto, incomparaveis. As unicas certeza que eu tenho hoje, depois desta esperiência sao: pobreza, sujeira , gente que toma banho e gente que não toma, ignorância, racismo, falta de educação e arrogância TEM EM TODO LUGAR…
    Hoje eu agradeço a França por ter me dado a oportunidade de me especialisar na minha profissão, e so penso em voltar pro Brasil o mais rapido possivel!…nos brasileiros acostumamos a so ver os defeitos do nosso pais, e as qualidades dos outros….posso dizer que o humanismo e a alegria de viver que nos temos, eu não vi em lugar nenhum. Aqui na França as pessoas que têm tudo, so sabem reclamar da vida, se a gente observa as pessoas no dia a dia, sempre estão mal humorados ou de olhar triste e distante. No Brasil, se vemos uma reportagem de favela (que eles adoram mostrar aqui, acham que o Brasil é so favela e carnaval), mesmo no meio de tiroteio e sujeira, sempre vai ter aquela mãe de 5 filhos lavando roupa e sorrindo feliz pra tv, sempre tem aquela roda de pagode e aquele churrasco no vizinho, sempre tem aquela igrejinha cheia de gente nos domingos, sempre tem almoço de familia, sempre tem cervejinha depois do trabalho…, sempre tem aqueles velhinhos que jogam baralho na praça, sempre tem aquele amigo “dando uma mão na sua mudança” nos somos um povo flexivel, criativo, e o mais importante….sabemos valorisar a familia, os amigos, e temos a alegria de viver. O brasileiro esta sempre pronto pra lutar, pra dar a volta por cima, não interessa a dificuldade…Hoje tenho orgulho de dizer isso, e orgulho de dizer aqui que sou brasileira, e que tenho o mesmo nivel de intelectual dos meus colegas de trabalho aqui da França, mesmo tendo vindo daquele pais em que as pessoas passam o ano so sambando…estamos longe de ser um modelo de educaçao, mas temos garra, e se eu tenho esta caracteristica hoje, é pelo fato de ser brasileira.
    E outra….adooooro tomar um longo banho de ducha “pendurada” no Brasi, de comer frutas frescas todos os dias, de poder falar alto e dar risada sem ser repreendida,de oferecer aquele churrasco pros amigos e principalmente, de bater aquele papo com aquela baiana sorridente no ponto de ônibus. No Brasil, em qualquer dificuldade, sempre temos alguem pra nos acudir….aqui é cada um por si…não vamos deixar esse individualismo todo tomar conta de nos!!!
    Sei que ja escrevi um livro (rs), mas aproveito para felicitar a iniciativa do blog!
    (desculpem a falta de acentos, nunca acho no teclado francês!)

  19. 11/08/2008 21:45

    Olá a todos. Aviso de cara que este post é “triplo”, por isso vou dividí-lo por assuntos, remetentes e parágrafos. Ia escrever sobre um assunto só, mas a coisa se multiplicou e fiquei confuso agora…rss…o pessoal aqui é muito dinâmico e cheio de referências, dá vontade de convidar todos para um chope…rss…mas vamos lá, vou procurar resumir.

    Gabriela, eu sou de Sampa, mas já morei em metade deste país, na Argentina e em Orlando, Flórida. E o jeito que você fala me lembrou o que eu falava, antes de voltar a SP, com saudade desta terra. Eu achava todo mundo triste e mal educado no norte, e quando vim para cá fiquei fascinado por…uns 3 meses…até que, quando passei apertos, vi que era quase a mesma coisa. Não tinha a educação e cordialidade que eu tinha vendido pra mim mesmo, não tinha as oportunidades tão enormes, não tinha o companheirismo e solidariedade que eu tinha acreditado. E olha que eu fui criado aqui. Mas percebi que muita coisa existe, sim, mas depende do momento e do meio em que você está. E isso vale, acho eu, pra quase qualquer lugar do planeta. Meu diagnóstico? Acho que você morre de saudades do Brasil e precisa voltar logo mesmo…rsss…

    Ingrid, Amanda, Gabriel e Ana Paula agora. Li tudo que vocês redigiram – até porque as questões sociais e humanas são uma de minhas grandes questões. Também acho, como um de vocês, que a violência não pode ser gratuita (apesar de nunca ter pisado em solo francês), pois nunca é. E como sou um grande apaixonado por história e política, venho relembrar as questões que envolvem os árabes e outras minorias-não-tão-minoritárias da Europa. Engraçado, na Espanha eles tiveram seu reconhecimento cultural, em outros locais não. Ontem mesmo assistia a um filme sobre a vida de Sartre e Simone de Beauvoir e rolava o conflito com os argelinos. E sim, me pareceu que a xenofobia dos franceses de origem ainda é enorme. Vejam o que o ministro francês anterior disse à época da Copa de 2006, em relação a isso. Vejam os casos de neo-fascismo que, como ocorre na Alemanha, proliferam. Então, creio que como para toda ação, existe uma reação. Não acho que o tema seja tão simples, mas este é apenas um blog. E esse assunto fica muito mais legal conversado tête-à-tête…

    Finalmente (Christian). Também sou publicitário, e igualmente pretendo ir em janeiro ou fevereiro para a Europa, dar um up-grade na minha carreira. Mas creio que Espanha, Portugal e Inglaterra (lugares crivados de brasucas), até onde sei, estão mais fáceis ainda. Paris deve ser genial, como dizem eles próprios, mas pergunto: alguma razão específica para querer tentar a vida profissional por lá?

    Valeu pelo papo, moçada, é muito bom trocar idéias com gente esclarecida e aberta para o mundo. E desculpem o tamanho do post, mas precisava falar com muita gente…rsss…

    Grande abraço a todos!

    W.

  20. Eduardo permalink
    24/04/2010 14:27

    A Franca é tao linda quanto é porca.
    Visitei paises pauperrimos em que as pessoas nao pegam em dinheiro e comida ao mesmo tempo.
    Quando sou obrigado a vir `a Franca passo fome pois apenas como frutas e iougurte .
    Tenho nojo do porco povo frances.
    Se tivesse na Franca a mesma exigencia em sanitarismo publico ,a maioria dos restaurantes e bares seriam lacrados.

  21. Juliana permalink
    16/01/2011 14:20

    Acho melhor então você não voltar para o Brasil, porque se a burocracia na França é ruim aqui é anos luz pior, meu avô estava passando mal e o levamos a um posto de saúde, marcaram consulta para ele para 04/11 porque eles achavam que ele não estava tão mal, só que ele estava muito mal mesmo, levamos então para um particular onde foi diagnosticado cancer, ele morreu um mês depois, em 11/10…
    Falta de higiene… bem, é só andar pelas ruas de qualquer cidade brasileira, qulaquer uma mesmo, que você vai ver a ‘higiene’ brasileira, é de dar nojo. Mesmo o povo, a grande maioria fede, e não é só pobre não.
    Mas o grande problema dos brasileiros é a HIPOCRISIA. Nisso somos especialistas.

    • persistenciadamemoria permalink
      16/01/2011 14:52

      Olá Juliana,
      Sinto muitíssimo pelo seu avô e concordo que o Brasil ainda tem que melhorar em diversos aspectos, principalmente a saúde, que ainda é bem precária (e certamente educação, que na França é fortíssimo, como ressaltei no início do texto)

      Sinceramente, minha intenção com o texto não foi fazer comparações. Depois de viver em Londres, Paris e São Paulo, percebi que não tem como fazê-las, visto que são lugares, com histórias, culturas e políticas diferentes.

      O objetivo deste blog é ressaltar qualidades e defeitos de cada lugar, não para a crítica pura e simples, mas com a intenção de alertar às pessoas que tem intenção de ir e que vão se deparar com algumas coisas que talvez não estavam esperando, ou como eu e você que achavam que no Brasil era pior (“Ah se aguentei a burocracia no Brasil, a França vai ser fichinha, imagine um país Europeu ser como o Brasil”. E é!)

      Viver em um luuar é como um relacionamento, algumas coisas você consegue suportar e outras não. É ingênuo achar que tudo é bom quando está fora do Brasil.

      Em relação à minha vida, voltei ao Brasil há quase 3 anos. Trouxe meu marido franco-colombiano e estamos muito bem aqui, certamente passamos menos dor de cabeça aqui. Também passamos por muita burocracia, sim. Porém, acredite, um pouco menos que em Paris. Mas essa é só a minha história, assim como a minha há muitas outras.

      Caso queiram ver outros casos positivos ou negativos, há diversos posts interessantíssmos no orkut:
      http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=182774

      Assim não ficamos com uma visão unilateral, nem minha, nem sua sobre a cidade.
      Só uma dúvida: Você já morou na França?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: