Skip to content

Elefante é massacrado em safári e leva serial killer junto

23/05/2017

 Ana Fonseca – Mundo

Entre as notícias loucas do mundo louco que vivemos, hoje me deparei com a seguinte manchete do EL PAÍS Brasil: “A dramática morte de um dos caçadores mais famosos do mundo”. E o subtítulo: “Elefante esmaga Theunis Botha após receber um tiro, no Zimbábue”. A história toda da morte de Theunis Botha você pode ler aqui. O interessante é que acessando o EL PAÍS Brasil, a chamada já não está lá. Você só encontra sobre a notícia vendo as postagens do EL PAÍS Brasil na página deles no Facebook.

Os comentários sobre essa postagem na fanpage do EL PAÍS foram muito raivosas. O tom geral dos comentaristas era o seguinte:

“Dramático é constatar que um veículo como ‘EL PAÍS Brasil’ dá mais valor à vida de um caçador inescrupuloso do que à de animais em risco de extinção.”

“A dramática morte do bravo elefante que ao ser alvejado, conseguiu matar seu inescrupuloso algoz com o peso de sua dor.
Esse título seria mais digno.”

“El País, não estaria na hora de contratar jornalistas mais experientes, sensíveis e inteligentes? Uma chamada dessa serve para eu mostrar para meus alunos “o que é uma manchete mal elaborada”… “

“Tadinho do elefante foi defender seus filhotes de um lixo de ser humano e foi abatido! Dramático é a morte do elefante que nada fez apenas estava a viver no seu hábitat.”

“Notícia escrota, faz apologia ao crime e engrandece um assassino em série dizendo que a morte dele foi “dramática”. Esse tipo de manchete ignorante os iguala ao jornalixo da imprensa brasileira.”

“Porra ELPAÍS, vocês estão de sacanagem. Que merda de notícia é essa trágica e dramática foi as mortes causada por esse ser, em respeito a família acredito que é uma grande perda, mas para humanidade e seres viventes da savana essa é uma boa notícia.”

“Triste é pensar que alguém teve uma vida inteira para se melhorar e tentar construir algo de positivo para o mundo e a pra sua própria evolução e só ter destruído e causado dor. Triste morte a do elefante. Linda vida ele teve. Triste morte a do homem. Mas não mais triste que a sua existência.”

(Eu fico impressionada como os comentaristas brasileiros não têm papas na língua!)

A partir da leitura da reportagem do El País, fui até a fanpage do Kuronda Safaris ver as postagens e comentários sobre os fatos. Só há três comentários na mais recente postagem, e os três lamentam a morte do caçador. Kuronda Safaris disse:

Kuronda Safaris would like to send our heartfelt condolences to Carike and the Botha family of the untimely passing of Theunis Botha. It was a pleasure to have got to know Theunis he was a great man with a fantastic sense of humour we are really going to miss him and our times and stories around the camp fire. Rest in Peace our Friend.

(Kuronda Safaris gostaria de enviar nossos pêsames para Carike e a família Botha devido ao falecimento de Theunis Botha. Foi um prazer ter conhecido Theunis. Ele foi um grande homem, com um fantástico senso de humor. Vamos realmente sentir falta dele e nosso tempo e histórias ao redor do fogo. Descanse em paz, amigo.)

Eu coloquei um comentário, que foi eliminado segundos depois. Eu também cliquei em “curtir” em outros comentários condenando o caçador em outras postagens da página do Kuronda Safari. Minhas curtidas não apareceram. Se está duvindando, tente também. Seu comentário só irá aparecer se você lamentar a morte do caçador. (Talvez alguns comentários condenando a morte dos bichos até apareçam – afinal mesmo o censor tem que ir ao banheiro, almoçar, checar os e-mails…)

Um par de dados sobre a caça de animais selvagens:

*Caçadores contribuem com $426 milhões de dólares à economia africana.

*Os lucros obtidos com o turismo de animais selvagens não é revertido para melhoramentos para as populações locais. Ao contrário: há especulações de que esse tipo de turismo fortaleça algumas ditaduras.

Veja aqui a website do Theunis Botha e quanto bichão lindo (panteras, elefantes, leões) em riso de extinção ele tem matado ao longo de vários anos.

Essa não é a primeira vez que comentamos aqui sobre a dolorosa exploração de animais selvagens como entretenimento. Se você está pensando em matar animais em risco de extinção na África ou Ásia o em qualquer outra parte do mundo, por favor pense duas vezes. Se você está pensando em visitar com sua família parques de animais (especialmente macacos, aquários e golfinários) pense que tipo de educação quer dar aos seus filhos. Dê uma pesquisadinha antes, e tome suas decisões.  Eu não curto nem foto no Instagram de gente posando com tigres, leões, girafas, arraias, botos e elefantes. Essa é a nossa dica de hoje.

*Sharing is caring! Se você gostou dessa postagem, compartilhe-a nas redes sociais. Precisamos levantar essa bandeira e pararmos os exploradores de animais selvagens como forma de entretenimento. Caso contrário, nossos netos vão vier num mundo sem gorilas, leões, rinocerentes, girafas, elefantes… 

________________

Ana Fonseca vive desde 1999 na Holanda e é editora do Brasil com Z.  Sigam o “Brasil com Z” no Facebook para atualizações diárias sobre viver, turistar, estudar e trabalhar no exterior. Vejam fotos dos nossos autores pelo mundo seguindo nossa conta do “Brasil com Z” no Instagram. O blog Brasil com Z dá tuitadas também: http://www.twitter.com/blogbrasilcomz.  Quer participar como autor(a)? Envie-nos uma mini biografia e um texto sincero de apresentação. Caso seu potencial combine com as expectativas do blog, entraremos em contato: blogbrasilcomz@gmail.com Agradecemos! 

 

O lado “B” da primavera na Europa: a alergia ao pólen

19/05/2017

Ana Fonseca – Holanda

Pra falar a verdade para vocês leitores, eu nem planejava falar desse assunto em pleno mês de maio: a febre do pólen (hay fever), que acontece todas as primaveras no hemisfério norte. Isso porque até agora a primavera na Holanda não tinha sido lá essas coisas: dias de frios intercalados com poucos dias de sol. Chuvinhas constantes lavam e retiram o pólen do ar. Até que nos últimos dias, o bicho pegou: dias secos e de sol iniciaram uma crise de alergia em milhões de pessoas no país. Espirros, cansaço, narizes tapados e olhos muito doloridos são os sintomas mais comuns. Eu chego até a ter coceira na pele, dficuldades para respirar e dormir. A primavera é lindíssima na Europa, com tantas flores e explosão de verde, mas tem esse inconveniente das reações alérgicas. Vou tentar mostrar aqui como tentar conviver com isso.

Leia mais…

De giro pela Espanha: Astúrias

18/05/2017

Edu Justo – Espanha

Mês pasado publiquei um post falando sobre a Galícia, que é a região da Espanha onde nasceram meus pais e avós e o lugar onde eu moro atualmente. (para ver o post clique aqui). Enquanto pensava no próximo tema tive a ideia de produzir uma série sobre as 17 comunidades autônomas que conformam o país; e se chamará “De Giro pela Espanha”. O critério de seleção para determinar a ordem dos posts (que será mensal) será a sua situação geográfica. Portanto como a série começou (sem querer querendo) pela Galícia, o post de hoje é dedicado à sua vizinha: O Principado de Astúrias.

Chama-se “principado” porque dele vêm o título do herdeiro do trono da coroa espanhola. Da mesma forma que o herdeiro da coroa inglesa é o Principe de Gales (posto ocupado atualmente pelo principe Charles), na Espanha o herdeiro da coroa é o Príncipe de Astúrias (atualmente uma princesa, Leonor de Bourbon).

Leia mais…

Visitando o castelo e os vinhedos de Monbazillac, França

16/05/2017

Ana Fonseca – Dordonha, França

Continuando a série de posts sobre algumas atrações que visitei durante uma semana nos fins de abril na Dordonha, hoje vou falar sobre um castelo produtor de vinho importante na região: O Monbazillac, grande queridinho do paladar holandês, há muitos séculos.

Leia mais…

O que esperar quando você está esperando… no Canadá.

13/05/2017

bz_canada Tallitha Campos – Edmonton, Canadá

Nesse post irei abordar What to expect when you are expecting… in Canada. Pois bem, estou grávida de 16 semanas na data que vos escrevo e quero contar um pouco como tem sido minha experiência com a gravidez e com o pré-natal no Canadá.

Confirmei a gravidez enquanto estava viajando de férias na Europa, em fevereiro. Planejei a viagem que durou 30 dias com vários meses de antecedência. Queria beber todos os vinhos franceses e italianos que encontrasse pela frente. #soquenão Suspeitei da gravidez quando minha menstruação atrasou por dois dias. No dia de embarcar para a Europa, comprei na Dollarama (lojinha estilo 1.99) um teste de gravidez. Fiz o teste ainda no aeroporto, mas o teste não funcionou. Após dois dias em Amsterdam, fiz um novo teste e deu positivo. Naquele momento eu já estava com quase 5 semanas. Aliás, dois dias depois me encontrei com a Ana Fonseca, editora aqui do blog.

Tallitha e Ana em Amsterdam

Tallitha e Ana em Amsterdam. Foto: acervo pessoal Tallitha Campos

No dia que tivemos a confirmação da gravidez, Rodrigo e eu visitamos uma coffeeshop onde ele provou um brownie bombado. Caminhamos pelo

Leia mais…

O museu Cidade do Vinho (“Cité du Vin”) em Bordeaux, França

12/05/2017

Ana Fonseca – Bordéus, França

Como prometi dias atrás no meu post sobre Bordeaux, hoje sigo com mais uma atração na cidade: o novo museu chamado “Cidade do Vinho” (La Cité du Vin). Inaugurado em julho/agosto de 2016, é a mais nova atração da cidade.

Muito contemporâneo por fora (tem um “arzinho” do Guggenheim de Bilbao que visitei ano passado, mas em termos de arquitetura não chega aos pés) e très, très français por dentro. Você chega lá facilmente com o bonde linha “B”.

Leia mais…

Camboja – destino dos sonhos

10/05/2017

  Manuela Marques Tchoe – Camboja

Oi leitores do BZ! Hoje dou uma pausa nos meus textos sobre a Alemanha, para contar um pouco sobre um pedacinho do sudeste asiático.

Eu e meu marido estávamos recentemente com uma viagem marcada para a Tailândia, até que inundações cobriram Bangkok e o norte do país. A opção que tivemos? Camboja, um país que só sabíamos de nome e sobre o qual nada conhecíamos. Decidimos encarar a mudança com bom humor, e então partimos para a capital cambojana, Phnom Pehn. E logo quando chegamos caía um pé d’água tão intenso que as ruas também se alagaram, mas ao nascer do sol quente a água já havia evaporado. Preparadíssimos estávamos nós dois para começar nossa exploração nesse destino de “segunda mão”!

Phnom Pehn é uma pérola do sudeste asiático que foi colônia francesa entre os séculos 19 e 20 – a famosa Indochina – assim como vítima dos

Leia mais…

%d blogueiros gostam disto: