Skip to content

Economizar é preciso. Mas é possível?

09/10/2008

Luciana R.
Roma, Itália

Como cortar custos, economizar e ao mesmo tempo ter uma boa qualidade de vida? Será que isso é possível na Eurolandia? As opções que Roma oferece:

Cinema – O ingresso dos cinemas custa 7 euros, mas às quartas-feiras o preço è reduzido para 5,50 euros. Alguns cinemas aplicam o mesmo desconto para a primeira sessão que normalmente começa entre as 15 e 16h. Normalmente são sessões frequentadas por idosos e adolescentes. O preço da pipoca e do refrigerante às vezes è mais caro do que a entreda do cinema. Dica de uma amiga: levar sempre na bolsa uma latinha de coca-cola e um saquinho de batatas fritas. Ou ir para o cinema de barriga cheia, né? O cinema Madison (Via Chiabrera 121 – bairro: San Paolo/Ostiense) oferece desconto para estudantes. Normalmente se faz uma carteirinha (custo aproximado de 5 euros) com direito a desconto de 50% em qualquer sessão, exceto nos finais de semana, que o desconto cai para aproximadamente 25% do preço do ingresso.

Transportes – o modo mais prático e barato é fazer o abbonamento mensile (passe mensal). O passe dá direito aos onibus, metro e trem dentro do município de Roma. Custa 30 euros por mês para o passe único e pessoal, 46 euros passe cumulativo (várias pessoas da mesma família podem usá-lo), 16 euros para pessoas desempregadas, 26 euros para estudantes até 26 anos e idosos, 4 euros para pessoas com deficiência física e aposentados que não ganhem mais do que 6.000 euros (aproximadamente) por ano. Fazendo passe anual o preço cai para 230 euros por ano para adultos e 150 euros por ano para idosos e estudantes até 26 anos. Para estudantes que residem fora de Roma, existem preços promocionais fazendo o passe anual.

Balada – (Infelizmente) balada boa é balada cara! Alguns lugares cobram menos de terça a quinta ou sexta. A grande maioria das baladas é paga, e em alguns lugares fazem seleção de pessoas na porta. Na maioria das vezes o critério é equilibrar o número de homens e mulheres para “facilitar o approach”. O preço médio é de 7-10 euros, com direito a uma consumação. Também surgiu há alguns anos a modo do “aperitivo”. Como funciona? Uma consumação única (normalmente 7-10 euros), mas com direito a comidinhas com bufê a la carte. O preço diz muito sobre a qualidade do que se come: quanto mais caro, se come melhor e a variedade é maior. Dica quente: bar Freni e Frizione (http://www.freniefrizioni.com/) no bairro Trastevere. O aperitivo custa 5 euros, a comida é boa e o ambiente é muito legal e bem internacional. O lugar não é muito grande, mas tem uma praça enorme bem na frente e sempre fica lotado nos finais de semana.

Comida – Para poupar com a alimentação do dia-a-dia a solução é diversificar as compras: feiras, mercadinho, supermercado e “discount”. Os discounts começaram como “supermercados de série B” porque praticamente só vendem marcas desconhecidas. Não tem Coca-Cola mas “X-Cola” (nome fictício), não tem Fanta mas “Refri-fanta” (nome fictício). Você nunca vai achar por lá as grandes marcas, mas muitos produtos são bons e custam 1/3 do preço do supermercado normal. O ideal è ir experimentando os produtos aos poucos e ver a qualidade. Eu, por exemplo, só compro iogurte no Todis.
Outra boa opçãp è ir nas feiras um pouco antes do horário da xepa, principalmente se for aos sábados. Como as feiras de bairro abrem a segunda à sexta, quando chega no sábado muitos feirantes querem se livrar de toda a mercadoria. Em alguns casos dá para comprar alimentos bons com 50% de desconto. Exemplo: um dia passei na feira de manhã e a caixa de morango custa 1,50. Ao meio dia e meia ela custa 1,00.

Aluguel – esse é o pior item e eu acho que para poupar a única solução é ir morar na periferia, em municípios limítrofes ou dividir casa com outras pessoas. Uma vaga em Roma pode custar 250-300 euros, e dependendo do bairro, o aluguel de um quarto custa até 600 euros. Preço médio de um apartamento de 50 metros quadrados: 800-900 euros, mais as normais despesas de água, luz, gás, condomínio e aquecimento.

Roupa – tem roupa para todos os preços e bolsos. Dá para comprar roupa em camelô, em lojas de departamento e nos outlets de lojas de marca. Em Roma dois lugares famosos para a pechinha è a feira de domingo de “Porta Portese” e a feira semanal da “Via Sannio”. Existem dezenas de barracas de roupas, acessórios e afins. A atividade è legalizada e as barracas dão até notinha fiscal. Algumas também possuem provador (sempre meio improvisado), mas têm.

Bandejão – as universidades públicas possuem bandejão. Uma boa refeição pode custar de 1,80 a 7,60. O preço defende da renda do estudante. Normalmente a maioria dos estudantes paga entre 2 e 3 euros por um prato principal, acompanhamento, refrigerante e sobremesa. Em alguns campus o bandejão também abre para o jantar, principalmente para os estudantes que residem fora da cidade.

Museus – muitos museus dão desconto para quem tem o passe dos meios de transporte. Todos os demais dão descontos para estudantes (em alguns casos só para estudantes até 18 anos) e idosos acima de 65 anos. Alguns museus de Roma também dão desconto de 1 ou 2 euros se o visitante apresentar o bilhete do ônibus timbrado. O museu do Vaticano é grátis todos os últimos domingos do mês, mas chegue cedo porque a fila é enorme.

Semana da Cultura – normalmente uma semana por ano (mês de março) todos os museus são grátis. Muitos cinemas também cobram 1 euro para as primeiras sessões e/ou entre 2 e pague 1. Para saber quando será a próxima Semana da Cultura (agora só em 2009), o site é http://www.beniculturali.it/settimanacultura/

Sagra – as sagras são festas populares, tipo quermesses. Normalmente são ligadas à promoção e época de colheita de um produto regional típico: sagra do vinho, sagra da alcachofra, sagra do cogumelo, sagra do leitão, sagra da abóbora, sagra do coelho, sagra do azeite, etc. Essas festinhas, que muitas vezes até lembram um pouco as nossas festas juninas, são uma ótima oportunidade para provar e comprar produtos típicos locais, por um precinho camarada, quando não são de graça (infelizmente cada vez mais raro). Nas sagras de vinhos, espumantes e champanhes, normalmente se paga 1,50 por um copo de bebida. Em outras sagras dá para almoçar/jantar comendo entrada, prato principal e sobremesa com 7 euros. Normalmente são festas populares com um certo patrocínio da prefeitura e empresas locais, além de contar com os próprios habitantes que trabalham na organização da festa.

Jornal – Normalmente os jornais de sábado são “recheados” com uma revista de moda a atualidade, além de todas as dicas dos ‘jabás’ para o final de semana. O famoso: leve 2 e pague 1.

2 Comentários leave one →
  1. 16/10/2008 10:32

    Oi Luciana, achei que seria mais caro! Comparado com Dublin, o aluguel é metade do preco. Devo passar uns 2, 3 meses na Itália no final do ano que vem, mas ainda preciso estudar muuuito as cidades, melhores opcoes. Obrigado pelas dicas!

  2. 16/10/2008 11:00

    Nossa…. é bem isso que faço todo dia aqui em Roma…hehehehe
    Todos os dias pego todos os jornais gratis…que sao entregues no metro….
    e como sou estudante tem alguns museus que nao cobram a entrada depedendo do curso que vc faz….

    Gi, Roma

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: