O continente europeu sempre foi um dos pontos preferidos para muitos imigrantes que fogem das dificuldades que seu país de origem enfrenta. Só na Comunidade de Madri, onde resido atualmente, são mais de 500 mil estrangeiros.

Dias atrás fui fazer o cadastramento em um posto do serviço de saúde da Comunidade, próximo de casa, e é fácil perceber a diversidade de nacionalidades. Pensei comigo: “As pessoas que trabalham aqui devem entender mais idiomas que o Google Tradutor!”

Mesmo estando em solo espanhol, muitas das pessoas cadastradas no sistema de saúde, não falam a língua nativa do país, e até uns tempos atrás uma simples consulta se tornava uma apresentação de mímica, fazendo com que o diagnóstico fosse demorado.

Para mudar esse quadro, há quatro meses começaram operar nos hospitais madrilenhos um sistema de prestação de cuidados de tele-saúde aos imigrantes. O sistema consiste de um telefone celular com dois aparelhos, e está ligado a um centro de tradução. O sistema está operacional 24 horas por dia, 365 dias por ano e é capaz de realizar as traduções em mais de 50 idiomas.