Morar fora do Brasil me deu a oportunidade de conhecer o Brasil de uma forma que, seu eu ainda estivesse lá, jamais conheceria.

Você sabia, por exemplo, que em Recife você “ataca” um casaco ou um vestido? Não! Você não está com raiva das suas roupas e quer descontar nelas o fato do grosso do seu chefe ter gritado com você novamente. Você quer somente abotoar seu casaco, fechar o botão do seu lindo vestidinho.

E quando você enjoa de alguma coisa em Teresina, você  “abusa”, como em  “abusei de chocolate, vou ficar um tempinho sem comer…” (é claro que esse exemplo é pura ficção, jamais vai acontecer na minha vida).

Você também pode abusar de uma pessoa. E você não estará fazendo nenhum mal a ela. Somente quer ficar um tempinho sem vê-la, quer dar um tempo, por que deu “ica”!

Em São Paulo, você não está “numa boa”. Você está “de boa”. E ao falar dos seus afazeres semanais, você não diz que tem um compromisso na quinta feira, mas sim “de quinta”.

Ainda em São Paulo você pede arroz e feijão com “mistura”, que vem a ser a carne, o frango ou o peixe. Ou seja, o paulista chama de mistura a parte principal do prato. Vai entender…

E tem também o famoso molho “vinagrete”, assim chamado em grande parte do Brasil. No Rio, mais conhecido como molho à campanha.

Isso sem falar nos sotaques de todos os cantinhos do nosso país, tem o “ocê” dos mineiros, o “oxente” dos nordestinos, os erres fortes dos paulistas (cada canto de São Paulo tem um erre diferente!), o falar cantado do pessoal do Sul.

Morar em Adelaide é “visitar” várias cidades brasileiras em um só dia, dependendo de que amigo você vai encontrar por aqui. Quando tem festa então (que é quase sempre) vamos do “Oiapoque ao Chuí” em poucas horas! É maravilhoso!

Nos últimos 3 anos aprendi várias novas palavras e expressões em português. A gente aqui é uma mistura tão grande de Brasil que já nem sei mais se ainda sou “só” carioca! Daqui a pouco vou estar  falando: Caraca, meu. Essa night tá mesmo da hora! Barbaridade, sô!