Ingrid Mantovani
Com saudade de Londres, Inglaterra

  Uma foto difícil de explicar: um rato que pegamos utilizando ratoeira adesiva e normal ao mesmo tempo. Eu ao fundo, com pano de prato na cabeça. Matheus Duarte, o artista da foto. Uma foto difícil de explicar: um rato que pegamos utilizando ratoeira adesiva e normal ao mesmo tempo. Eu ao fundo, com pano de prato na cabeça. Matheus Duarte, o artista da foto.

Quem já pisou em Londres provavelmente sabe: a cidade é cheia de camundongos por todos os buracos. Nas plataformas do metrô é normal cruzar o caminho de um ratinho fazendo conexão entre a Northern Line com a Bakerloo.

O pior é quando você descobre que, no conforto do seu lar, existe um roommate que não paga aluguel, come a sua comida, faz barulho a noite e NÃO É UM SER HUMANO!

Fiz essa descoberta quando não conseguia dormir com o barulho de plástico revirado no meu mini-caríssimo-quarto em Camberwell Green. A partir desse dia, eu e meus companheiros de casa, não fomos mais os mesmos. Vivíamos com medo de cruzar o caminho do ratinho.

Um dia, deitada na minha cama, meio acordada, meio dormindo, vi o tal do ratinho passando diante dos meus olhos. Ele ficava da finura de um papel e passava pelo vão da porta, com tranquilidade.

Depois dessa aparição noturna, comprei várias ratoeiras, normais e adesivas, coloquei diversas no meu quarto e pela casa. E um dia, quando estava dormindo, escutei o barulho do camundongo. Ele havia ficado preso na ratoeira adesiva que coloquei no mesmo caminho que ele tinha usado da outra vez e que o vi.

Fiquei comde vê-lo tão pequeno e frágil preso na ratoeira, mas lembrei que ele poderia transmitir doenças, coloquei uma luva e joguei no lixo.

Meus companheiros de casa aprenderam a usar a técnica e colocamos diversas ratoeiras nos caminhos dos ratos. Pegamos diversos assim, e nossas comidas começaram a render mais.

Não sei se essa é a melhor técnica, mas dedetização é caríssima e as ratoeiras normais nunca funcionaram, então, para nos livrarmos dos peludinhos, a solução que tínhamos era (se alguém souber de outra, compartilhe):

  • Descubra o caminho dele.
  • Coloque a ratoeira adesiva no caminho, pode colocar um pouco de comida para atraí-lo.
  • Essa ratoeira não mata o ratinho e não é tóxica para o ser humano, leve ele para um lugar bem, bem longe da sua casa, e jogue óleo vegetal para que ele se solte.