Skip to content

A cidade dos ratos

17/07/2010

Ingrid Mantovani
Com saudade de Londres, Inglaterra

  Uma foto difícil de explicar: um rato que pegamos utilizando ratoeira adesiva e normal ao mesmo tempo. Eu ao fundo, com pano de prato na cabeça. Matheus Duarte, o artista da foto. Uma foto difícil de explicar: um rato que pegamos utilizando ratoeira adesiva e normal ao mesmo tempo. Eu ao fundo, com pano de prato na cabeça. Matheus Duarte, o artista da foto.

Quem já pisou em Londres provavelmente sabe: a cidade é cheia de camundongos por todos os buracos. Nas plataformas do metrô é normal cruzar o caminho de um ratinho fazendo conexão entre a Northern Line com a Bakerloo.

O pior é quando você descobre que, no conforto do seu lar, existe um roommate que não paga aluguel, come a sua comida, faz barulho a noite e NÃO É UM SER HUMANO!

Fiz essa descoberta quando não conseguia dormir com o barulho de plástico revirado no meu mini-caríssimo-quarto em Camberwell Green. A partir desse dia, eu e meus companheiros de casa, não fomos mais os mesmos. Vivíamos com medo de cruzar o caminho do ratinho.

Um dia, deitada na minha cama, meio acordada, meio dormindo, vi o tal do ratinho passando diante dos meus olhos. Ele ficava da finura de um papel e passava pelo vão da porta, com tranquilidade.

Depois dessa aparição noturna, comprei várias ratoeiras, normais e adesivas, coloquei diversas no meu quarto e pela casa. E um dia, quando estava dormindo, escutei o barulho do camundongo. Ele havia ficado preso na ratoeira adesiva que coloquei no mesmo caminho que ele tinha usado da outra vez e que o vi.

Fiquei comde vê-lo tão pequeno e frágil preso na ratoeira, mas lembrei que ele poderia transmitir doenças, coloquei uma luva e joguei no lixo.

Meus companheiros de casa aprenderam a usar a técnica e colocamos diversas ratoeiras nos caminhos dos ratos. Pegamos diversos assim, e nossas comidas começaram a render mais.

Não sei se essa é a melhor técnica, mas dedetização é caríssima e as ratoeiras normais nunca funcionaram, então, para nos livrarmos dos peludinhos, a solução que tínhamos era (se alguém souber de outra, compartilhe):

  • Descubra o caminho dele.
  • Coloque a ratoeira adesiva no caminho, pode colocar um pouco de comida para atraí-lo.
  • Essa ratoeira não mata o ratinho e não é tóxica para o ser humano, leve ele para um lugar bem, bem longe da sua casa, e jogue óleo vegetal para que ele se solte.
13 Comentários leave one →
  1. Karol Nascimento permalink
    17/07/2010 15:36

    A foto ficou muito boa!!! Tá engraçada!!! Gostei dessa idéia de ratoeira adesiva, não sabia nem que existia. Bem, mas pelo menos até agora não precisei usar e tomara que não precise nunca. Tenho o maior nojo de rato.

    • persistenciadamemoria permalink
      19/07/2010 12:00

      Eu também morro de nojo. Fiquei traumatizada e, depois, qualquer barulhinho a noite era motivo para que eu levantasse.

  2. 18/07/2010 11:21

    Ingrid, da uma olhada:

  3. 18/07/2010 18:13

    Compra um gatinho……..rsss

    • persistenciadamemoria permalink
      19/07/2010 12:06

      Eu adoro gatinhos, mas tenho uma alergia louca.
      Mas, vai ver é por isso, que os britânicos gostam tanto dos gatinhos…rs

  4. glendadimuro permalink
    18/07/2010 21:51

    A solução para mi seria mudar de apartamento! Nossa Senhora, só de pensar em conviver com um rato chega a me dar arrepios… e tirar o bicho da ratoeira então, nem me fala…que coisa mais nojeeeeeeenta!!! Eu já morro de nojo das baratas que as evzes aparecem por aqui no verão! Menos mal que agora eu tenho uma gatinha que me livra de ver qualquer inseto dessa tipo vivo dentro de casa. Agora ratos? Deuzulivre!

    • persistenciadamemoria permalink
      19/07/2010 12:08

      Pois é, pior que, em Londres, é super difícil achar apartamernto sem rato.

  5. Lian permalink
    19/07/2010 1:39

    Se deixar o rato grudado na ratoeira ele morre de inanição… nos EUA o pessoal da proteção de animais fez campanha contra esse tipo de ratoeira, feita na China… num tô nem aí… que morra lá grudado na ratoeira. Ah… fiquei com muito dó… dó é no masculino…. just in case if you ever become a translator… one never knows ;>

    • persistenciadamemoria permalink
      19/07/2010 12:15

      Sim, eu já ouvi falar sobre os protetores de animais. Parece que, na Austrália, esse tipo de ratoeira é proibida. Mas vi essa opção de soltá-lo e achei que agradaria aos protetores…rs

      Já mudei o texto. 😉 obrigada.

  6. 19/07/2010 13:09

    Eu e minha irma estávamos na casa de uma amiga em Londres. Minha irma estava falando no telefone quando comeca a gritar “Tiago, um rato!!” Nao sei o que o namorado dela podia fazer considerando que ele estava no Brasil, mas…
    A gente falou pra room mate da minha amiga que tinha um rato na cozinha e ela disse, toda blasé: “ah, aqui em Londres é normal”. Pelamordedeus!!!!

    • persistenciadamemoria permalink
      21/07/2010 13:24

      Rs,
      Pior que é verdade. Vi mais ratos em Londres em 1 ano, do que os 25 anos que vivi em São Paulo.

  7. Nobody_br@yahoo.com.br permalink
    20/11/2014 18:46

    6 anos morando em Londres, vi ratos nos trilhos do metrô umas 5 vezes. Agora em casa, nunca. Bom, sei lá o tipo de lugar que você andou morando…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: