Carla
Milão, Itália

  Bem, como o assunto é café, nada melhor do que falar do “caffè all’italiana”.

Os italianos amam café e não dispensam uma xícara pela manhã, outra depois do almoço, depois da janta e por aí vai. A maneira de preparar o café mais famosa aqui na Itália é o expresso, claro. Afinal essas maquininhas foram inventadas aqui. Com ela se faz o famoso café de bar, o caffè espresso. Há nas versões domésticas, e muitos italianos têm uma em casa.

O segredo do café italiano, forte, encorpado e com um aroma único é devido ao funcionamento da máquina. A máquina é composta por uma “caldaia”, recipiente no qual a água ferve e o vapor aquoso passa pelo pó (que fica compactado e é chamado de “torta”) em uma alta pressão, extraindo muito mais e com muito mais aroma – no ponto de vista da física, o café e feito por “percolação”. A máquina faz porções de 30 mL em média, e esse é o café curto italiano, o caffè espresso.

Mas, a máquina mais tradicional aqui na Itália é a Moka, também chamada de macchinetta. Essa sim, com certeza, todo mundo tem uma em casa (até aqui em casa tem)!

Essa “chaleirinha” segue o mesmo princípio da máquina de café expresso, como é possível ver pela figura acima. Tem tamanhos para 1 até 18 cafés.

Os italianos dizem que o segredo está na qualidade do café e da água, esta que deve ser mineral de boa qualidade (sim, porque a água da torneira daqui da Itália é potável, mas com alto teor de calcário – Cálcio e magnésio, além dos carbonatos e bicarbonatos, que alterariam a qualidade do café).

Tem um site que ensina como fazer um bom café na Moka. Cliquem aqui para ver. (http://www.caffeina.org/caffe/italiano/01.htm)

E como os italianos AMAM café, inventaram um monte de “versões”: Caffè al volo, Caffè alla caffeina, Caffè americano, Caffè arabica, Caffè basso, Caffè bollente, Caffè brasiliana, Caffé canario, Caffè cappuccino, Caffè cioccolato, Caffè con nuvoletta, Caffè corretto, Caffè corto, Caffè doppio, Caffè in vetro, Caffè marocchino, Caffè mocha, Caffè normale, Caffè ristrettissimo, Caffè romano, Caffé solo, Caffè spremuta di arabica, Caffè spremuta di brasil, Caffè spremuta di chicchi, Caffè spumato, Caffè super, Caffè turco, Caffè usa, Goccia di caffè con crema di latte, Goccia di caffè con latte senza schiuma… Ufa!!!! Quantos!!! Mas claro, os mais famosos e consumidos são o “espresso”, “ristretto”, “macchiato”, “lungo”, “marocchino” e o famoso “Cappuccino”.

Bem, o “espresso” já falamos, o “ristretto” é também chamado de “caffè basso”, é preparado da mesma forma do espresso, mas em uma porção equivalente a menos da metade do espresso, e é indicado para quem toma café várias vezes ao dia. É saboreado sem açúcar, e se toma em um gole só. É um café tradicional na Itália.

O “macchiato” é o expresso com “uma gota de leite”, como se fosse o “pingado” brasileiro. Não chega a ser um café com leite, e sim um café “manchado” pelo leite mesmo.

O “lungo” é feito como o expresso, mas deixando “percolar” uma maior quantidade de água, tornando-o assim, menos forte e em maior quantidade.

O “marocchino” é preparado com base de café expresso, cacau em pó (ou chocolate tipo fondente, que é o amargo) e creme (que aqui é chamado de panna). É servido em copo de vidro.

O famoso “Cappuccino” não é como a maioria pensa: café, chocolate e leite. Na verdade o cappuccino é o café expresso adicionado à espuma de leite. Só!

O mix de café, chocolate e leite na verdade é o “Mocaccino”! Que é preparado com cappuccino, creme e chocolate em pó.

Ficou com vontade?? Hummm. Delícia. Eu nunca fui chegada muito no café, ainda mais o brasileiro que perto dos daqui parece mesmo um chafé. Hahahaha! Mas agora, hummm, nada como dar uma volta na cidade, parar num bar ou num caffè e saborear uma das versões.

Delícia!

Carla Guanais é cientista, blogueira e mora na Itália desde 2010. Saiba mais sobre ela clicando aqui.