Renato Silveiro Alves
Orlando – Flórida – Eua
.

Essa é a pergunta número um entre meus amigos e parentes. A maioria deles acha estranho quando eu digo que não pretendo voltar ao Brasil. Então eu preciso explicar. Mas sabe que eu fico sem jeito de explicar? Porque ao explicar, tenho que mencionar os motivos que me fizeram decidir pela saída definitiva do país. Motivos estes que são a realidade do dia a dia do brasileiro e que, infelizmente, meus amigos e parentes ainda têm que lidar com eles. Explicar a minha recusa de voltar é expôr os problemas do Brasil e lembrá-los de que, diferente de mim, eles não têm muita opção senão aceitar essas condições. É difícil. Sei que muitos devem criticar mas eu entendo.

Os últimos anos que passei no Brasil foram muito difíceis para mim. Já não suportava mais a violência da cidade de São Paulo e não tinha perspectivas de arrumar um emprego com a mesma faixa salarial em uma cidade do interior. Se bem que a onda de violência já está chegando a pequenas cidades do interior bem como traficantes de drogas. Aliado a isso os altos preços e impostos esmagadores me deixavam cada vez mais desanimado e descontente. Para ter um padrão médio de vida eu cheguei a trabalhar 14 horas por dia. Além desses motivos, impostos e preços altíssimos, existe também algo no Brasil que me incomoda profundamente: algumas características do Brasil e dos brasileiros

Eu costumo dizer que a diferença do brasileiro e do americano é a seguinte. “Os americanos querem o melhor para o país deles. O brasileiro quer o melhor para ele”. Os americanos pensam na sociedade, os brasileiros pensam em sí mesmos e o resto que se…dane.

Quando você visita os EUA percebe que tudo aqui tem qualidade e preço justo. Não é à toa que um carteiro vive aqui como uma pessoa rica vive no Brasil. Tem casa de 250m² com ar condicionado e piscina em um bairro arborizado. É óbvio que isso não é a realidade de 100% dos habitantes desse país mas pelo menos aqui isso é possível, no Brasil não. Eu acho que isso se deve à dois fatores. O governo brasileiro corrupoto que coloca altas cargas tributárias nos ombros dos brasileiros e o próprio brasileiro que por ganância quer ganhar 100% ou mais de lucro em qualquer produto ou serviço. A cultura do “levar vantagem” me mata! Vou dar dois exemplos. Nos EUA não existe imposto para a compra da gasolina. No Brasil o imposto é quase 60%. A empresa aérea TAM cobra dos americanos 700 dólares por uma passagem ida-volta Orlando-SP sem escalas. A mesma passagem a TAM cobra “4 mil reais” dos brasileiros! Eu considero isso uma vergonha e algo malígno com respeito à nossa sociedade. A sociedade americana jamais permitiria que tal coisa ocorresse. A mídia identificaria coisas assim, as pessoas reclamariam e pode ter certeza que em pouco tempo, essas empresas iriam à falência. Eu vejo uma sociedade mais justa com muitas oportunidades para todos independentemente da raça ou condição social. Nos EUA é quase impossível uma pessoa rica conseguir uma bolsa de estudos integral. No Brasil os ricos estudam de graça na USP, a classe média paga altas mensalidades e os pobres não estudam de jeito nenhum.

O Brasil já é o 6º país mais violento do mundo ( http://acessa.me/fqve ) e a moda agora em SP é ter carro à prova de balas, acredita? Quando eu conto isso aqui as pessoas pensam que eu estou brincando. Aqui em Orlando as janelas da minha casa não têm grades e eu posso ver o gramado das casas ao redor. Nos finais de semana os carros ficam abertos em frente às casas e os pedestres sequer olham no seu interior. Eu ando pelas ruas sem medo, sem ter que olhar para trás ou certificar-me que minha carteira está no bolso da frente e o mais impressionante, não tenho medo da polícia.

Da janela sem grades do meu quarto eu observo a rua tranquila

As ruas da cidade são seguras e limpas. As pessoas respeitam umas às outras no trânsito ou na calçada. Ninguém incomoda o sono de ninguém. Os vizinhos respeitam uns aos outros e se não respeitarem a lei persegue e pune os transgressores, sem sombra de dúvidas. Tem festa sim mas tem lugar e hora para isso sem contar a organização. Na cidade de São Paulo eu via 2 ou 3 acidentes de carro por semana, sem contar os acidentes com os terríveis motoqueiros. Em Orlando eu vi um pequeno acidente (uma batida) entre dois carros em 2 anos. As pessoas respeitam às leis primeiramente pelo bem comum e em segundo lugar porque aqui a lei é pesada para os transgressores.

Em menos de 15 minutos 3 carros de polícia e um carro de bombeiros e todos vieram falar comigo.

Veja esta outra comparação. No Brasil meu pai estava vendendo um carro e o comprador pediu para dar uma volta no quarteirão. Meu irmão o acompanhou. O fulano acelerou a quase 80 km/h e destruiu o carro na esquina batendo de frente em outro carro. Meu irmão se machucou, a polícia foi chamada e apareceu depois de 3 hs. O fulano estava com a habilitação caçada e não aconteceu absolutamente nada com ele. Não pagou nenhum centavo do prejuízo e o seguro recusou-se a cobrir as despesas do meu pai. Meu pai arcou com tudo e não teve nenhuma ajuda das autoridades brasileiras. Aqui nos EUA uma pessoa bateu na trazeira do carro atrás de mim que bateu em mim em seguida. O carro de trás ficou um pouco danificado e meu carro nada aconteceu. Só o susto e o barulho. Em 5 min 5 carros de polícia estavam entre nós e um carro de bombeiro. Todos os oficiais um a um vieram me perguntar como eu estava. O rapaz que bateu no carro atrás de mim (o culpado) estava com a habilitação vencida e foi algemado e levado à delegacia em frente aos meus olhos. O boletim de ocorrência foi feito (e impresso!) dentro do carro da polícia e no mesmo dia a seguradora do motorista atrás de mim me ligou para saber se eu estava bem e me ofereceu um chek up gratuito em um hospital de minha escolha. Me fala o que você pensa sobre isso? É ou não é um lugar sério?

Orlando é uma cidade fasçinante…

Eu poderia ficar horas aqui falando sobre as diferenças e da qualidade de vida que melhorou incrivelmente desde que cheguei. Poderia falar do sistema de justiça, educação pública, etc mas acho que já está bom. Consegue entender porque acho difícil explicar para amigos e parentes o por quê de não retornar ao Brasil? Por este motivo eu simplesmente digo que gosto muito dos EUA e que não pretendo voltar.

Eu acho que sinceramente mais da metade dos brasileiros gostaria de sair do Brasil. Não me leve a mal, eu amo o Brasil e uma parte dos brasileiros. Mas saí do Brasil porque esse amor infelizmente não era correspondido.