Skip to content

Quando você volta para o Brasil?

01/07/2011

Renato Silveiro Alves
Orlando – Flórida – Eua
.

Essa é a pergunta número um entre meus amigos e parentes. A maioria deles acha estranho quando eu digo que não pretendo voltar ao Brasil. Então eu preciso explicar. Mas sabe que eu fico sem jeito de explicar? Porque ao explicar, tenho que mencionar os motivos que me fizeram decidir pela saída definitiva do país. Motivos estes que são a realidade do dia a dia do brasileiro e que, infelizmente, meus amigos e parentes ainda têm que lidar com eles. Explicar a minha recusa de voltar é expôr os problemas do Brasil e lembrá-los de que, diferente de mim, eles não têm muita opção senão aceitar essas condições. É difícil. Sei que muitos devem criticar mas eu entendo.

Os últimos anos que passei no Brasil foram muito difíceis para mim. Já não suportava mais a violência da cidade de São Paulo e não tinha perspectivas de arrumar um emprego com a mesma faixa salarial em uma cidade do interior. Se bem que a onda de violência já está chegando a pequenas cidades do interior bem como traficantes de drogas. Aliado a isso os altos preços e impostos esmagadores me deixavam cada vez mais desanimado e descontente. Para ter um padrão médio de vida eu cheguei a trabalhar 14 horas por dia. Além desses motivos, impostos e preços altíssimos, existe também algo no Brasil que me incomoda profundamente: algumas características do Brasil e dos brasileiros

Eu costumo dizer que a diferença do brasileiro e do americano é a seguinte. “Os americanos querem o melhor para o país deles. O brasileiro quer o melhor para ele”. Os americanos pensam na sociedade, os brasileiros pensam em sí mesmos e o resto que se…dane.

Quando você visita os EUA percebe que tudo aqui tem qualidade e preço justo. Não é à toa que um carteiro vive aqui como uma pessoa rica vive no Brasil. Tem casa de 250m² com ar condicionado e piscina em um bairro arborizado. É óbvio que isso não é a realidade de 100% dos habitantes desse país mas pelo menos aqui isso é possível, no Brasil não. Eu acho que isso se deve à dois fatores. O governo brasileiro corrupoto que coloca altas cargas tributárias nos ombros dos brasileiros e o próprio brasileiro que por ganância quer ganhar 100% ou mais de lucro em qualquer produto ou serviço. A cultura do “levar vantagem” me mata! Vou dar dois exemplos. Nos EUA não existe imposto para a compra da gasolina. No Brasil o imposto é quase 60%. A empresa aérea TAM cobra dos americanos 700 dólares por uma passagem ida-volta Orlando-SP sem escalas. A mesma passagem a TAM cobra “4 mil reais” dos brasileiros! Eu considero isso uma vergonha e algo malígno com respeito à nossa sociedade. A sociedade americana jamais permitiria que tal coisa ocorresse. A mídia identificaria coisas assim, as pessoas reclamariam e pode ter certeza que em pouco tempo, essas empresas iriam à falência. Eu vejo uma sociedade mais justa com muitas oportunidades para todos independentemente da raça ou condição social. Nos EUA é quase impossível uma pessoa rica conseguir uma bolsa de estudos integral. No Brasil os ricos estudam de graça na USP, a classe média paga altas mensalidades e os pobres não estudam de jeito nenhum.

O Brasil já é o 6º país mais violento do mundo ( http://acessa.me/fqve ) e a moda agora em SP é ter carro à prova de balas, acredita? Quando eu conto isso aqui as pessoas pensam que eu estou brincando. Aqui em Orlando as janelas da minha casa não têm grades e eu posso ver o gramado das casas ao redor. Nos finais de semana os carros ficam abertos em frente às casas e os pedestres sequer olham no seu interior. Eu ando pelas ruas sem medo, sem ter que olhar para trás ou certificar-me que minha carteira está no bolso da frente e o mais impressionante, não tenho medo da polícia.

Da janela sem grades do meu quarto eu observo a rua tranquila

As ruas da cidade são seguras e limpas. As pessoas respeitam umas às outras no trânsito ou na calçada. Ninguém incomoda o sono de ninguém. Os vizinhos respeitam uns aos outros e se não respeitarem a lei persegue e pune os transgressores, sem sombra de dúvidas. Tem festa sim mas tem lugar e hora para isso sem contar a organização. Na cidade de São Paulo eu via 2 ou 3 acidentes de carro por semana, sem contar os acidentes com os terríveis motoqueiros. Em Orlando eu vi um pequeno acidente (uma batida) entre dois carros em 2 anos. As pessoas respeitam às leis primeiramente pelo bem comum e em segundo lugar porque aqui a lei é pesada para os transgressores.

Em menos de 15 minutos 3 carros de polícia e um carro de bombeiros e todos vieram falar comigo.

Veja esta outra comparação. No Brasil meu pai estava vendendo um carro e o comprador pediu para dar uma volta no quarteirão. Meu irmão o acompanhou. O fulano acelerou a quase 80 km/h e destruiu o carro na esquina batendo de frente em outro carro. Meu irmão se machucou, a polícia foi chamada e apareceu depois de 3 hs. O fulano estava com a habilitação caçada e não aconteceu absolutamente nada com ele. Não pagou nenhum centavo do prejuízo e o seguro recusou-se a cobrir as despesas do meu pai. Meu pai arcou com tudo e não teve nenhuma ajuda das autoridades brasileiras. Aqui nos EUA uma pessoa bateu na trazeira do carro atrás de mim que bateu em mim em seguida. O carro de trás ficou um pouco danificado e meu carro nada aconteceu. Só o susto e o barulho. Em 5 min 5 carros de polícia estavam entre nós e um carro de bombeiro. Todos os oficiais um a um vieram me perguntar como eu estava. O rapaz que bateu no carro atrás de mim (o culpado) estava com a habilitação vencida e foi algemado e levado à delegacia em frente aos meus olhos. O boletim de ocorrência foi feito (e impresso!) dentro do carro da polícia e no mesmo dia a seguradora do motorista atrás de mim me ligou para saber se eu estava bem e me ofereceu um chek up gratuito em um hospital de minha escolha. Me fala o que você pensa sobre isso? É ou não é um lugar sério?

Orlando é uma cidade fasçinante…

Eu poderia ficar horas aqui falando sobre as diferenças e da qualidade de vida que melhorou incrivelmente desde que cheguei. Poderia falar do sistema de justiça, educação pública, etc mas acho que já está bom. Consegue entender porque acho difícil explicar para amigos e parentes o por quê de não retornar ao Brasil? Por este motivo eu simplesmente digo que gosto muito dos EUA e que não pretendo voltar.

Eu acho que sinceramente mais da metade dos brasileiros gostaria de sair do Brasil. Não me leve a mal, eu amo o Brasil e uma parte dos brasileiros. Mas saí do Brasil porque esse amor infelizmente não era correspondido.

83 Comentários leave one →
  1. 01/07/2011 7:43

    Renato, na minha opnião o estilo de vida americado está longe de ser algo que deva ser “reproduzido”. Já imaginou se todas as pessoas do mundo resolvessem ter uma casa com 250m2, pátio, carro na garagem (pq a gasolina é barata)? Tudo isso é muito barato ai porque outros países do mundo são explorados, para financiar o consumo e o “bem estar” dos países desenvolvidos. A comida é barata? A luz, a gasolina? Pense em quantos países empobrecidos são os que sustentam tudo isso!!! A sociedade americana pode ser justa internamente, mas está longe de ser justa com o resto do mundo, principalmente com os menos desenvolvidos economicamente. Definitivamente o estilo de vida americano (relativo ao consumo de bens) é algo que não pode/deve ser copiado, porque se não, em alguns poucos séculos o planeta já era. Enfim, esse não é o tema do post, só que não consegui ficar quieta quando li.

    Também concordo que os preços no Brasil são abusivos e os impostos então… mas não esqueça que isso também se deve muito a acordos políticos internacionais, muitas vezes o que sai do Brasil é mais barato do que as coisas que compramos dentro… Tem muita coisa em jogo, inclusive a corrupção, como vc bem disse.

    A história da lei, do silêncio, da bagunça nas ruas é outra questão. Aqui na Espanha também estão mudando as leis, fazendo o que muitos chamam de “privatização do espaço público”, ou seja, proibindo tudo e colocando multa para os infratores: não pode beber na rua, não pode isso, não pode aquilo… Não sou contra colocar ordem, obvio, mas certas coisas têm limites. Um conhecido que mora nos EUA disse que depois de determinada hora (acho que 22hs) no Estado dele não se pode fazer nada na rua, quase um toque de recolher… viver assim tb não dá.

    Quanto à policia também queria dar outro pitaco (acordei de “mala leche” hoje!). Acho que o que vc contou é de alegrar qualquer um de viver longe do Brasil, onde os policiais são corruptos e as cadeias estão lotadas. Como algemar mais um se não tem lugar nem mais para um alfinete? Como atender a todas as ocorrências com um batalhão reduzido que ganha uma miséria? Isso sim é uma vergonha…

    Casas sem grande e segurança pública, para mim, são os quesitos fundamentais que me fazem pensar em nunca mais voltar ao Brasil.

    • RenatoAlves permalink
      01/07/2011 13:47

      Glenda
      Explorar países subdesenvolvidos não é única forma de proporcionar custo de vida acessível e bem estar à população. Países pobres como Chile, Argentina e até o México tem infinitos produtos mais baratos que no Brasil. O preço do barril de petróleo é o mesmo aqui como no Brasil. A diferença é que é repassada à população sem impostos ‘diretos’ enquanto no Brasil se paga 60% de imposto por litro.
      Pior do que ser injusto com resto do mundo é não o ser porque não tem “oportunidade” e ainda ser injusto e explorador do “próprio povo”!?. Quando tiveram oportunidade, países fizeram igual ou pior como no caso de Portugal, Grécia, Inglaterra e até Espanha.

      Já vi comunistas de carteirinha e ‘cartão de crédito’ pagarem um salário mínimo brasileiro para uma empregada doméstica, o que é também uma forma de exploração dos menos favorecidos mas, ninguém fala nada a respeito.
      Já vi gente atacar os americanos porque teem ar condicionado mas uma família de 2 pessoas tem 2 carros, tomam banho de uma hora, lavam as calçadas 3x por semana, etc.

      Que rico no Brasil anda de ônibus e metrô? Nova Iorque que é maior que São Paulo tem metade do número de carros e 1/5 dos acidentes.
      Os EUA não é perfeito e nem a Europa é. Eu li no seu blog a respeito da poluição do ar causada pelo número de carros e como a população não está nem aí para deixar o carro na garagem. Em poucos anos, aqui boa parte da frota será de carros elétricos e claro que alguém vai dizer: “Tá vendo como eles esbanjam a eletricidade?”

      Nenhum lugar é perfeito. Aqui tem violência também, gente ruim, gente que explora o outro. E o que mais o americano faz é reclamar do governo, dos preços, do presidente e do próprio país. Eu acho que eles deviam fazer um “estágio” no Brasil.

      • simone permalink
        20/01/2012 3:20

        huh? NY maior que São Paulo? Meu Deus… perdi o respeito no seu texto aí. São Paulo é muitoooooo maior que NY. Desculpe se foi um erro, pois todos erramos, mas isso está bem errado.

      • RenatoAlves permalink
        20/01/2012 3:26

        1. Tokyo, Japan – 32,450,000
        2. Seóul, South Korea – 20,550,000
        3. Mexico City, Mexico – 20,450,000
        4. New York City, USA – 19,750,000
        5. Mumbai, India – 19,200,000
        6. Jakarta, Indonesia – 18,900,000
        7. São Paulo, Brazil – 18,850,000
        8. Delhi, India – 18,680,000
        9. Õsaka/Kobe, Japan – 17,350,000
        10. Shanghai, China – 16,650,000
        11. Manila, Philippines – 16,300,000
        12. Los Angeles, USA – 15,250,000
        13. Calcutta, India – 15,100,000
        14. Moscow, Russian Fed. – 15,000,000
        15. Cairo, Egypt – 14,450,000
        16. Lagos, Nigeria – 13,488,000
        17. Buenos Aires, Argentina – 13,170,000
        18. London, United Kingdom – 12,875,000
        19. Beijing, China – 12,500,000
        20. Karachi, Pakistan – 11,800,000

        http://www.worldatlas.com/citypops.htm

      • mari permalink
        26/02/2013 9:01

        Maior em população, não em área geográfica (e ainda assim a diferença é pouca)

  2. 01/07/2011 13:57

    Nenhum país é perfeito, mas alguns povos buscam mais equilibrio e dsitribuição de renda que outros. Os EUA buscam um alto-padrão de vida’para seus cidadãos, mas é a nação mais imperialista e belicosa do planeta.

    • RenatoAlves permalink
      01/07/2011 14:10

      Ana
      Se eu pudesse viveria no Canadá, na Irlanda, na Suíça ou mesmo na Holanda. Embora aqui seja bem mais seguro do que em alguns países eu ainda acho que tem muita gente louca por aqui.
      😛
      Bjs

      • Elano permalink
        04/09/2013 1:36

        A Irlanda República é bacana mas também está cheia de loucos… claro que muito menos que aqui no BR!

        Também adoro o Brasil, mas tendo morado em alguns países percebo o quanto somos (des)governados!

        Nada justifica a corrupção, a alta taxa tributária, a palhaçada do funcionalismo público e consequente total ausência de serviços públicos de qualidade…

        É realmente uma pena.. lutar contra o “sistema” é quase pena de morte.. são tantos desvios (de conduta e de dinheiro mesmo) que não nos permitem qualidade de vida… isto é que realmente nos dá vontade de ir embora e buscar o respeito que aqui nos falta!

    • 05/07/2011 20:04

      Oi Ana!

      Bem gente, eu que estou na Asia vejo o mundo de “ponta a cabeca” hehehe…
      Aqui as coisas giram em torno da Asia, aqui o noticiario mostra o medo do ditador no Egito, mostra os problemas economicos chineses e o super crescimento a poluicao que isso causa; aqui vemos as pessoas falando que o lugar perigoso e a coreia do norte e vivemos em um continente que esta com o olho nos terroristas nao pelo medo de ser atacado, mas por fazer parte de um “mesmo espaco” e achar que a coisa pode respingar aqui, o que quero dizer e que os EUA nao esta sozinho no papel de lobo mal… Eu teria muito mais medo se meus vizinhos aqui (Corea do Norte e China) fossem os mais “ricos” do mundo ou do se a Venezuela tivesse o mesmo poder de fogo dos EUA do que do proprio EUA em si…

      E o mais curioso e que a China esta se abrindo pro mundo e “deixando as picuinhas” de lado pois o KIN descobriu que ser capitalista da mais dinheiro e menos dor de cabeca do que tentar conquistar a riquesa na marra e se fechando em territorio, ou seja, talvez seja o capitalismo o canal de abertura, no caso da China, para mais dialogo, pois hoje em dia a China esta mais voltada a fechar negocio do que fazer “intriga” com os vizinhos…

      No fundo, nos, no mundo todo, o povo de bem quem paga e quem leva a fama, mas no final todos os paises tem governantes baseados na $$$ de suas contas…

      Kelen Katsue Lee.

  3. 01/07/2011 15:37

    De tudo o que foi dito e discutido, só tenho uma coisa a mais a acrescentar: descobri fora do Brasil, que o brasileiro é de forma geral, um povo egoísta, que pensa unica e exclusivamente no seu bem estar. E é por isso, que a corupção continua, que a violência aumenta, que a educação é tratada da forma como é.

    • Lélandi permalink
      19/01/2012 16:54

      Então quer dizer que invadir um país com a desculpa de encontrar armas químicas, matar milhares(ões) de inocentes é ser autruísta? Os EUA tentam encobrir as mazelas, mas se vc procurar nas fontes certas, vai perceber que há violência, fome, pobreza. Talvez não na mesma proporção que no Brasil, mas se o Brasil fosse um país que se sustenta em guerras seria idêntico. Quantas mortes de inocentes os EUA proporcionou em relação ao Brasil?

      • RenatoAlves permalink
        19/01/2012 23:35

        Você não entendeu o objetivo do post. Não estou defendendo o governo americano quanto às suas ações internacionais. O post só tem como objetivo mostrar como as leis funcionam aqui dentro e como o cidadão é respeitado seja ele americano ou não. Diferentemente do Brasil onde somos desrespeitados e roubados pelo governo todos os dias. Uma última a dizer. Existe uma grande diferença entre o governo dos EUA e o povo americano. O problema de muitos brasileiros é achar que tudo é farinha do mesmo saco. Já pensou se colocassem nós, povo brasileiro e os políticos do Brasil tudo no mesmo saco?

  4. RenatoAlves permalink
    01/07/2011 15:44

    Karol
    Primeiro queria dizer que adoro ler seus relatos no blog embora comente só de vez enquando. Infelizmente isso me entristece muito, vc não imagina o quanto.
    Aqui em Orlando empresários brasileiros exploram brasileiros sem documentos pagando até 5 dólares por hora por 12 horas de trabalho e1/2 hora de almoço. Na Yes Brazil as vendedoras me disseram que teem que comer em 15 min e já passaram 15 horas sem poder sentar.
    Eu concordo plenamente com você e acho isso muito, muito triste.
    bjs

  5. Alexandre Massoto permalink
    01/07/2011 16:34

    Caramba, amigo…

    Você é brasileiro e não sabe NADA do próprio país?

    Parece aqueles velhos que ficam assistindo noticiário sangrendo o dia todo e pensam que isso é a realidade.

    Aliás, CNN não é nada mais do que noticiário sangrento e sensacionalista, que não sabe indicar nem em que continente o Brasil está…, Muito menos que língua este país fala (e sua capital, “Rio del Janiero”…

    Humilhar-se e ir trabalhar em outro país como os EUA (e diga-se de passagem, um país que odeia imigrantes) só por causa de implicância e puro desconhecimento da própria realidade brasileira… É demais. É muita falta de amor pelo país de origem…

    E os EUA não são esta perfeição toda… Há duas cidades americanas que estão entre as 10 mais violentas do mundo (mais violentas, inclusive, que a capital imaginária do Brasil, o Rio del Janiero. Detroit está aos frangalhos e São Francisco está cheia de “tent cities “(para quem não sabe, as “favellas ay arriba” que a imprensa americana adora mostrar… aliás, é a única coisa que mostram do “Brazil”.

    Mentalidade de colonizado é foda…

    • 03/07/2011 21:26

      Alexandre
      A única resposta que darei a você é o artigo da época.
      http://acessa.me/fvan
      Ninguém tem obrigação de concordar com ninguém mas, podemos colocar nosso ponto de vista, pelo menos com educação.

      • telma permalink
        28/07/2011 13:21

        Bom, eu adorei os comentarios pois me fazem refletir. Concordo com o Renato quando trata dos problemas sociasi do Brasil. Contudo, a visao que se tem de justiça interna no que diz respeito as economias centrais varia muito a depender da posição que o imigrante ocupa naquela sociedade. Fui para Inglaterra fazer mestrado, nunca estive ilegal, mas fiquei perplexa com as relações de trabalho, legislações distintas para contratos por hora (imigrantes) e contratos anuais (ingleses), que tem diversas implicações por exemplo na remuneração final. Pois para exemplificar, se vc for trabalhar e o bar estiver vazio, vc é dispensado e nao recebe pelo dia. Nao tem direito a vale trasnporte, ticket refeição. decimo terceiro, 1/3 de ferias. Quando eu falava dessas vantagens no Brasil, as pessoas não acreditavam. Fora os gritos, as humilhações e toda a forma de assedio moral que se possa pensar. Por outro lado, quando converso com pessoas que tem bons empregos no exterior, sao casadas e possuem uma vida confortavel a percepção é outra. Em qualquer país capitalista, para que uma parte da população viva bem outra parte vive muito mal. No Brasil exploramos a nós mesmos; no Eua, Inglaterra e outros paises são os imigrantes que pagam o pato.

      • RenatoAlves permalink
        28/07/2011 17:09

        Telma
        Acredito que essa situação que você mencionou também acontece aqui nos EUA. Quem tem bons empregos não sentem a discriminação, já os imigrantes ilegais teem que se sujeitar a muitas coisas que, quando vieram pra cá, em parte sabiam que ia existir. No entanto, existe uma insatisfação geral da população com respeito aos imigrantes por estes, aparentemente, terem muitos direitos que os próprios americanos não tem como ajuda alimentação, ajuda de aluguel, cursos grátis, bolsa de estudos, dinheiro vivo “grátis” e uma série de outros benefícios que teem como objetivo impedir que os imigrantes caiam na marginalidade e criminalidade. E não é só em países capitalistas não. Conversando com Cubanos foragidos aqui nos EUA eles disseram que a população toda vive muito mal enquanto os governantes vivem como príncipes e o cidadão comum tem quase nenhum direito reclamar ou “muerte”.
        Como já foi dito não existe um lugar perfeito mas o lugar que a gente se sente melhor. Que no meu caso é aqui
        Bjs

      • Guizinha permalink
        17/01/2012 16:19

        na verdade, Renato, a atitude do Alexandre na resposta dele eh ainda mais um motivo pra vontade de nao voltar ao Brasil crescer. Muito bem colocado o artigo da Epoca.

        em tempo: Alexandre, eu concordo com praticamente tudo o que voce falou! Menos a questao de nao conhecer o Brasil, “puro desconhecimento do pais de origem”, porque falou mas nao explicou o que eh que o Brasil tem de tao mas tao bom que invalidaria o texto do Renato. Eu, que conheceo meu pais muito bem obrigada, nao sei de nenhum que seja realmente relevante.

    • Mari permalink
      16/01/2012 20:23

      Discordo plenamente, sou Brasileira, tenho 6 anos morando aqui e tambem pensava que os USA diava os imigrantes, mas depois de ver a baderna o que os nossos fazem no pais alheio entendo a vontade do pais de controlar a imigracao ilegal.

      • Guizinha permalink
        17/01/2012 16:21

        realmente Mari, as vezes da vergonha de ser brasileira (e da vergonha de sentir vegonha), vendo o que alguns conterraneos fazem aqui fora!!!

  6. Mariana permalink
    01/07/2011 16:54

    Sobre o post: sad, but true. Sou avessa a qualquer comparação entre países. Vocês que vivem fora, sabem que o país não perfeito não existe, o que existe são coisas melhores, piores ou simplesmente diferentes. E opção de vida no exterior implica em opções pessoais, valores, sonhos.

    Também sou avessa, porque vez e sempre me deparo sempre com a mesma situação: o discurso pessimista e passivo.E nesse caso, sim, estou generalizando.
    Nós, brasileiros, temos nossas caraterísticas, alguma péssimas que me deparo todos os dias por aqui e às vezes, ainda mais, quando estou fora.

    Mas o que me causa a fúria é o brasileiro que rejeita seu país.
    Rejeita não pela opção de vida em outro lugar, mas rejeita pela falta de sentimento de pertencer àquele povo.Rejeita ao adotar o discurso do ‘na Europa é melhor’, ‘os americanos sim, povo desenvolvido’, ‘os europeus, sociedade de primeiro mundo’, ‘No Primeiro Mundo é que eles sabem fazer as coisas’.

    Vejo nessa fala uma constante de muitos brasileiros: a completa falta de auto estima, sentindo-se inferior à outros países. E nesse pessimismo, vem a passividade: ‘ tudo aqui é uma porcaria, eles são melhores e ponto final.’

    Passivos e reclamões: vivem suas vidas pra ganhar o $$ pra pagar o carrão, o ap, a viagem pros EUA ou pra Europa pra comprar, comprar e comprar.Nada contra, apesar de não apoiar mto esse estilo de vida (e nesse caso,tb desaprovo os americanos que vivem num estilo de vida afundado pelo consumo.Se o mundo tb achar que essa sim é a sociedade ideal, omg, estamos perdidos. O planeta implode.)

    ex:Uma vez, um amigo veio pedir uma dica de destino bacana pra viajar nas férias. Fiquei super empolgada pra falar sobre os lugares que achava legal e era possível conhecer maravilhas sem gastar muito ( Argentina e alguns países da América Latina) quando ele deu as opções: to pensando em ir pra Miami,pra fazer compras’ ( obs: ele teria 20 dias de férias) ou vou pra França, mas aí corto aqueles museus chatos e procuro as coisas bacanas de comprar por lá, apesar de ser em euro.
    Murchei que nem florzinha no sertão, e resolvi ficar quieta.
    E isso reflete o que o Edu falou em outro post: o que importa é o que pode ser mostrado pro outro. Vou ao Louvre, passo rapidinho pelas obras, mas tiro a foto pra todo mundo ver que eu fui!
    Uma total falta de interesse pela cultura, pela língua, pela história do país que visita.

    São esses que eu vejo com a mesma atitude:
    Não se importam com a melhoria no saúde pública, pq oras, eu tenho meu convênio médico que pago bem caro, por sinal. Não se importam com a educação pública, porque isso é para os pobres, meu filho estuda em escola particular paga com meu suado dinheirinho.
    Não se importam em ter consciência política, porque político é tudo corrupto, pouco importa em quem eu votar. Convido alguns desses às vezes pra trabalho voluntário: e fico perplexa que até aqueles que ‘dizem’ que se importam, nunca comparecem.

    È isso que me entristece: um discurso que escuto mto e pra mim, só reflete a postura pessimista, e que se denigre dentro e fora do país.

    Pior que pessimismo é o pessimismo paralisante .
    Espero que vcs aí fora, tenham um discurso oposto não só entre os próprio brasileiros, mas principalmente para os estrangeiros 🙂

    • mari permalink
      17/06/2013 1:38

      Simplesmente incrível, o blog ! Acho incrível a possibilidade de poder compartilhar da idéia de todos vocês, refletir e analisar, concordar ou discordar. Fico feliz em saber que existe um site de brasileiros no exterior, onde cada um expõe suas experiências, idéias e tudo isso com um toque de emoção. Ainda não conheci nenhum país, mas desejo conhecer e morar, não pelo fato de sair do Brasil simplesmente, mas para poder criar meu próprio ponto de vista, experiências e relatos da vida no exterior e quero, mesmo que pareça sonho, introduzir um pouco das coisas boas que ocorrem lá fora, aqui no Brasil. Eu não fecho os olhos para os imensos problemas que o Brasil enfrenta, mas não nego que sou patriota, e vejo isso como uma coisa boa, que ocorre pelo mundo a fora, que é o amor pela nação.espero que vocês tenham esperança de um Brasil melhor assim como eu, e eu espero ter experiências fantásticas no exterior, assim como vocês.

    • 26/03/2014 13:01

      Bom dia, Mariana! Li o seu comentario e concordo com tudo o que vc escreveu… Moro há 6 anos na Alemanha e pretendo retornar ao Brasil definitivamente em Julho de2014 😀

  7. RenatoAlves permalink
    01/07/2011 17:40

    Mariana
    Gostei muito do seu comentário. Acredito que se todos os brasileiros e outros cidadãos pensassem assim como você mencionou o mundo inteiro seria um lugar melhor para se viver. Eu sou brasileiro sim, gosto do Brasil, da culinária e acho que o Brasil e os brasileiros tem qualidades que não vi em nenhum dos 15 países que já visitei. Como por exemplo, o calor humano, a facilidade em se fazer amizade, sorrir e sempre ver o lado positivo de qualquer situação com um ótimo senso de humor.
    Eu não sou consumista, não tenho carrão, nem tenho cartão de crédito. Não pago caro em roupa de marca nenhuma e fiz 18 anos de trabalho voluntário no Brasil. 18 anos e não dezoito meses ou dezoito horas.
    No entanto acredito que reconhecer o que há de bom e mau com respeito às suas origens e ter a coragem de negá-las quando necessário é uma das coisas mais louváveis que existe.
    Por causa de indivíduos assim é que muitos países, organizações religiosas e outras foram desmascaradas. Eu não acredito que quem nasceu budista, católico, crente ou brasileiro tem que morrer na tradição de seus pais, se não concorda com isso.
    Por este mesmo motivo, portugueses, italianos e muitos outros saíram de seu país natal, foram tentar uma vida melhor no Brasil e adotaram essa terra como sua e muitos se naturalizaram brasileiros. Ninguém critica não é verdade? Porque isso é uma questão pessoal. Ninguém deveria se sentir obrigado por patriotismo, tradição ou “herança” a pertencer e permanecer em grupo ou sociedade. Graças a Deus ninguém é obrigado a permanecer onde nasceu senão o Brasil nem mesmo existiria.

    Criticar quem desejou sair do Brasil para tentar uma vida melhor é criticar os próprios ancestrais, pais, avós e bisavós(eu sei que você não disse isso mas viu o outro comentário?). Cada um sabe o que passava no país de origem e porque tomou a decisão de sair. No meu caso, foi a violência. Após uma traumatizadora experiência eu só dormia com remédios por mais de 4 anos. Desde que cheguei aqui nunca mais precisei de remédios embora os americanos com quem convivo acham que eu sou “neurótico” com respeito à segurança. Embora durma tranquilamente às vezes tenho pesadelos relacionados a assalto. Aqui eu ando tranquilo pelas ruas embora um pouco de violência sempre exista. Mas agora não estou “cercado” por ela ou preso atrás das grades das janelas da minha casa. Por isso não critico a decisão de ninguém porque que sei que a decisão é difícil e cada um sabe o calo que tem. Mesmo assim ando com a minha camiseta escrita Brasil no peito porque amo tudo o que é bom do Brasil. Mas é uma opção minha e gosto de saber que até nisso eu tenho liberdade de escolha. Se tem gente que decidiu não ser mais chamado “brasileiro” e não quer mais pertencer a esse povo pode ter certeza que motivos fortes eles têm porque negar a própria nacionalidade é quase como negar pai e mãe.

    Outro dia mesmo conheci um americano que disse que estava de mudança para o Brasil. Claro que qualquer brasileiro elogiaria essa decisão de alguém querer mudar-se para o Brasil eu me pergunto se todos sabem o por quê.
    Perguntei o que o levou a tomar essa decisão de morar no Brasil e ele me disse os motivos. Elogiei e não falei nada negativo porque respeito a decisão dele.
    Existe uma centena de coisas melhores no Brasil do que nos EUA, isso é indiscutível. Como você disse cada país tem o seu bom e o seu ruim e o quanto cada indivíduo pode aturar de qualquer coisa é somente ele quem sabe.

    Abs

  8. 01/07/2011 20:59

    renato alves, falou tudo. =)

  9. 02/07/2011 6:22

    Esse Renato não tem papa na língua !

  10. Norma permalink
    02/07/2011 17:28

    Pois é, Renato…existe, sem dúvida alguma uma posição cristalizada sobre a cultura americana, como se ela fosse o bode expiatório do mundo…sei bem o que é isso. As pessoas ficam tão cegas diante do preconceito que não enxergam, não analisam determinadas questões como deveriam. E aí começam as ilações sobre o modo americano de ser… Muitas vezes tenho a sensação pelos comentários que escuto aqui, no Brasil,que esse povo é um inimigo a ser combativo a qualquer preço. Tenho familiares aí, neste país. Familiares que encontraram possibilidades infinitas nessa terra, possibilidades que aqui não encontraram nunca.

    beijos

    Norma

  11. 02/07/2011 17:57

    Norma
    Existe sim o preconceito que certamente foi ensinado às pessoas. Como também existe um pouco de verdade naquilo que foi dito nos comentários. É evidente que a sociedade americana é consumista. Poucos percebem porém, que com os preços baixíssimos e o alto poder de compra é quase inevitável que isso aconteça. E o que me deixa indignado é que as pessoas não percebem que isso não é só característica “do americano”. Aí sim entra o preconceito cego. Isso acontece com 95% das pessoas que tem dinheiro em qualquer lugar do mundo!
    No Brasil como professor particular de matemática eu tinha alunos riquíssimos. Suas casas e apartamentos eram enormes, tinham ar condicionado, 4 ou 5 carros na garagem, 3 geladeiras e eram consumistas ao extremo. Agora me diz se todo brasileiro tivesse poder de compra o que aconteceria? Seria diferente?
    Obrigado por comentar
    Abs

    • 03/07/2011 9:47

      Isso está claro, em qualquer lugar do mundo existe. o consumismo Mas o que também é verdade é que este é um “estilo de vida” característico americano sim… que tenha sido “exportado” para outros lugares é outra coisa. Eu continuando achando que este modo de viver e consumir, seja onde for, não vai ser suportado pelos recursos finitos do nosso planeta. E que se todo mundo quiser ter o nivel de consumo que existe nos EUA e na maioria dos países do norte rico, a vida na Terra será insuportável em poucos séculos, quem sabe anos. Todo mundo está careca de saber que os EUA e a China são os maiores consumidores de recursos do mundo, os maiores produtores de lixo, maiores poluidores do ar, agua… a bibliografia é vasta, não sou eu quem diz, são as estadísticas e muita gente que estuda sobre essa problemática há anos.

      Não é o povo que tem que ser combatido a qualquer preço, mas seus hábitos, modos de vida e de consumo. Não somente dos americanos, mas a nivel mundial (em alguns lugares muito mais que outros). Não sei o que significa possibilidades infinitas (e confesso que tenho medo de saber), mas lembre-se que a infinidade de possibilidades para uns pode ser a causa de exploração e infinidade de pobreza para outros. Leia mais sobre a dívida ecológica dos países que vocè vai entender do que eu estou falando e porque esse tipo de cultura consumista tem que diminuir se queremos um mundo mais justo e menos desigual.

      • 03/07/2011 9:53

        Outra coisa, não acho que assumir que é “inevitável” que aumente o consumo de acordo com o aumento do nivel de renda seja uma boa saída para a nossa civilização. Se fossemos realmente civilizados e conscientes das nossas ações sobre a terra, a palavra a ser usada deveria ser “inconcebível”, pois diretamente proporcional ao poder aquisitivo deveria ser o acesso à cultura, causando a diminuição da ignorância e o reconhecimento de que existe algo mais que a nossa casa, nosso bairro, nossa cidade…enfim, do nosso nariz. #prontofalei

  12. 03/07/2011 12:11

    Eu acho que os holandeses no geral tem ótima escolaridade e razoável cultura. Eu vejo no dia a dia preocupaçoes com o meio ambiente. No meu antigo traalho, copo desctável foi abolido. Distribuíram canecas com o logo da empresa a todos os funcionários, colocaram copos de vidro nas cozinhas onde preparávamos/esquentávemos o almoço e ponto final. Aqui é muito difícil encontrar uma banheira que vi muito em hotéis na Asia, aonde voce fica de água até o pescoço. Uma vendedora em loja de construção para banheiro disse que se consumia muita água tendo esse tipo de banheira… O pessoal também não joga veneno em pó ou líquido em ervas daninhas, pois isso contamina a terra, os canais… jogam água quente. Há um grande mercado na Holanda de segunda-mão. O marktplaats e’ um site fantástico onde se encontram móveis, brinquedos, aparelhos eletrônicos, tudo tudo já usado. As pessoas procuram não comprar livros, mas são estimuladas a ir a biblioteca que são um mundo muito lúdico e inteirativo para crianças e adultos. E não tem essa de silencio absoluto não, bibliotecas são sempre muito movimentadas com crianças falando e zanzando, o pessoal tomando café e batendo papo.
    Aqui até o cocô dos animais vale ouro. Vira tudo adubo, ensacado e exportado pro mundo inteiro. Todo o lixo das casas e’separado em 4 partes: organico, inorgânico, papel, plastico. Fraldas tem uma enorme reciclagem. Há varios containeres pela cidade que recolhem roupas e sapatos para serem enviados para a Europa Oriental.
    Com tudo isso e muito mais que ainda não disse, ainda acho a Holanda consumista e hipócrita. Os seres humanos tem um looooongo caminho a percorrer.

  13. 03/07/2011 12:40

    Glenda minha amiga 🙂
    Em primeiro lugar quero que você entenda que não estou defendendo os americanos, os EUA, nem mesmo o estilo de vida deles. Eu só combato generalizações porque eu, também cheguei aqui cheio de preconceitos e idéias e vi com meus próprios olhos que muita coisa é diferente do que eu achava. Eu concordo com tudo o que você falou e ainda mais. Eu acho que o ser humano, por natureza é desiquilibrado e extremamente egosísta em qualquer lugar do mundo não somente nos EUA. Todos os dias eu vejo muita campanha, muita preocupação com o meio ambiente, na TV, nas rádios e revistas. Claro tem gente preocupada mas tem gente que não está nem aí. Todas as casas, pelo menos aqui na Flórida, separam o lixo como a Ana disse. Mas ainda, na faculdade por exemplo, todo mundo de garrafa plástica, coca-cola etc.

    Quando eu falei sobre a casa de 250m² era para ilustrar que um pai de família com um emprego considerado simples no Brasil pode ter uma casa confortável para uma família de 4 ou 5 diferente do Brasil. Certa vez eu preparei uma palestra e fiquei surpreso por descobrir que, mesmo que se use 1/2 de todas as terras plantáveis, a Terra comportaria 25 bilhões de pessoas com 10 mil m² pra cada um. O problema está no ser humano. O problema é que por ganância, tem gente passando fome e tem comida trancada dentro do supermercado. Eu acho, como você que é inconcebível e injustificável o consumo mas me pergunto até que ponto tudo isso não vai acabar com a nossa vida entende? Eu adoro piscina, acho banho de banheira relaxante e desestressante, não suporto calor (nem consigo dormir em dias quentes) e cada vez que uso qualquer coisa dessas (não banheira porque não temos) me sinto culpado, não aproveito nada direito. Eu sei que a Terra tem mecanismos de auto limpeza e que suporta certos níveis de poluição e reverte o processo. Mas acredito que o ser humano nunca chegará nesse equilíbrio.
    Agora a minha opinião baseado em tudo que tenho visto e ouvido. Acho que os brasileiros são mais materialistas, consumistas e egoístas que os americanos. Pode bater que eu aguento… @prontofalei

    • Michelle permalink
      20/07/2011 14:56

      Nossa…. descobri o blog ha pouquissimo tempo e me deparei com esse post super inteligente. Renato, voce esta de parabens pela forma super educada e inteligente de argumentar. Tambem acho os brasileiros mais materialistas, consumistas e egoistas que os americanos. A diferenca eh que no Brasil tudo eh devidamente maquiado por tras de uma sociedade repleta de pessoas amigaveis e com um sorriso no rosto. Quer exemplo maior que o transito para demonstrar quao egoistas e competitivos os brasileiros sao? Eh um motorista quase atropelando o outro pra parar ali na frente no sinal que ele ja sabe que esta vermelho. Eh a cultura do levar vantagem a qualquer custo. Meu marido americano sempre teve muita dificuldade de dirigir no Brasil ate o dia em que eu dei a seuinte dica: aqui todo mundo quer bancar o esperto e tirar vantagem de tudo por isso o transito eh louco! Ele rapidamente entendeu a mensagem e hoje recebe elogios por saber dirigir bem no Rio de Janeiro. Mas essa competicao toda eh facil de entender porque o pais nao oferece oportunidade para todos. A oferta de oportunidades diminui a competicao. E oportunidades sao raras no Brasil, infelizmente. Foi dito ai por alguem (desculpe, mas nao vou ler todos os comentarios novamente apenas pra citar o nome de quem disse) que o brasileiro que rejeita o pais gera raiva ou algo do tipo. Eu jamais falo mal do Brasil com estrangeiros, mas tambem acho que o patriotismo sem causa tambem gera muita raiva.

  14. 03/07/2011 13:01

    Deixa eu dar um exemplo. Quando eu morava no Brasil conheci um professor de história, pessoa culta, com livros publicados “anti-americano” que ensinava seus alunos que TUDO nos EUA é privado, 90% das escolas, tudo é privado. Tivemos uma discussão sobre esse assunto. Chegando aqui descobri que Orlando inteira (quase 2 milhoes de habitantes na grande Orlando) tem somente 5 escolas particulares. Quando uma pessoa pública coloca seus filhos para estudar em uma escola particular é criticado pela maioria da população e taxado como “anti-patriota”. Completamente o diferente do que ele ensina. Detalhe, os filhos desse professor estudam em escolas particulares no Brasil, cada filho tem um celular I-phone 3G, netbook, etc. Sua família tem 3 carros e 2 pessoas que dirigem. Um carro é para driblar o rodízio de veículos em SP. Não é hipócrisia?
    A “cadanadense” Celine Dion construiu uma casa em na Ilha dos Artistas em Miami e acabou com a água inteira da Ilha por uma semana para encher “as” piscinas do parque aquático que é sua mansão. Todos os vizinhos e moradores reclamaram e o governo multou a cantora em 200 mil dólares que se comparado comigo, pra ela, 200 mil dólares é o mesmo que 200 dólares pra mim. As pisicnas estão lá, os motores ligados 24 hs/dia e ela não está nem aí. Isso eu acho um absurdo, um egoísmo sem fim…

  15. 05/07/2011 19:21

    RENATO, PARABENS!

    Cara, concordo com voce, desculpem, sei que muitos dirao pow mas vc e brasileira e pensa isso, mas eu penso o que irei comentar a seguir pois tive motivos que explicarei…
    Renato, estou no Japao, nunca estive nos EUA, mas posso dizer que conheco um pouco da mentalidade Americana ja que meu marido e um deles ehehe e que moro na frente da NAVE, base militar, aqui no Japao… E ate falando nisto, antes que algum mal informado diga ahhh Americano tem base no JP pois massacrou os caras com a bomba atomica, NAO NAO NAO, eles tem a base aqui devido a um tratado feito, um acordo pois ja que o Japao perdeu (lembrando que o Japao estava junto nesta com a Alemanha e eles estavam massacrando os Judeus) e teve este lamentavel ataque da bomba, os EUA se comprometeu a fixar bases no Japao e impedir que qualquer outro pais ataque os Japoneses e os Japoneses nao atacaram a nao ser que atacados ou realmente necessario. Galera ai vcs vao dizer mas qual e a desta brasileira, bem para que vcs entendam sou de familia simples, porem meu pai e Japones (japones que nunca me deu a minima) minha mae brasileira e o mais engracado de tudo estudei ate os meus 12 anos em colegio Judeu, nunca sofri preconceito e aprendi muitas coisas e licoes importantes com isto; vim para o JP a uns 5 anos, a inicio era somente 6 meses mas adorei e fui ficando e conheci meu marido aqui, e ele e americano, entao vejamos sou nisei (filha de japones e brasileira), neta de uruguaios, estudei a vida em escola judia e casei com um Americano; acho que fica claro que aprendi muito jovem a nao ser preconceituosa mas isso nao quer dizer que nao vejo a realidade por pior que esta seja…

    Renato, achei a sua frase da diferenca entre o Brasileiro e o Americano perfeita, realmente, e olha que eu estou no Japao mas poderia aplicala da seguinte forma: A diferenca entre o Japones e o Brasileiro e que o Japones pensa em sociedade e o Brasileiro individualidade, hehe e olha que por ai vamos mudando os paises… Bem tem inumeros amigos de varias nacionalidades, Filipinos, Africanos, Americanos, Tailandeses, Chines e bla bla bla mas por mais doido que pareca tenho no Japao todo apenas 3 amigos realmente proximos que sao Brasileiros, e ai ja ouvi comentarios do tipo “ela se acha especial” nao nao foi isso, cheguei no Japao com uma mao na frente outra atras (longa historia) nos meus vinte e poucos equeria muito estudar Japones e logo que cheguei comecei a estudar, trabalhava em fabrica (como a maioria dos Brasileiros aqui) mas quando fechei 6 meses de Japao e decidi ficar mais eu sabia que nao iria querer ficar na Fabrica trabalhando 12 ou mais horas por dia e fui atras de outras oportunidades sendo que entao consegui um escritorio dentro da area que eu queria proximo a Toquio e aceitei, na verdade consegui 3 boas propostas sem falar bem a lingua e sem ter uma faculdade, somente indo a luta e mostrando vontade de crescer, e para minha grande surpresa ouvi comentarios dos brasileiros do tipo, desiste se vc e piao morre piao, ou tipo como que vc consegiu trabalhar em escritorio sem falar japones? o que vc “deu” em troca?… Desculpe ser rude mas dei estes exemplos para termos uma ideia, em fim fui muito mal recebida pelos brasileiro e ate hoje sou, me olham diferente pois casei com um americano e nao com um brasileiro, me olham diferente pois eu coloco em primeiro lugar a necessidade de estudar do que de ganhar rios de dinheiro e comprar a “bendita casa propria” e me olham feio pois eu acho que quando estamos em um pais que nao e o nosso devemos seguir e respeitar sua cultura, como0 por exemplo uma coisa que me fez perder muitos “amigos” aqui e a mania de alguns brasileiros de jogar lixo no chao e nao reciclar o bendito lixo como o Japones faz, eu ja ouvi respostas do tipo: “mas se a gente paga imposta eles deveriam seprara isso”, “ah pontinha de cigarro nao vai sujar a rua”, “mas e somente um papel pequeno”, e meu amigo vou te falar que se tem algo que me irrita de veras e jogar lixo no chao….

    Engracado vi que alguns acharam seu ponto de vista cru e nu referente a “falsa ideia” de oh brasileiro caloroso e amante do BR ser diferente do que se conta ruim e de renegacao, eu nao acho, acho que vc somente disse o que ve e reconhece e concordo com vc nisso pois eu no Japao vejo… Vejo que o Americano em geral desde politica e povo tem seus defeito como todo local e povo tem, mas que existe algo la chamado orgulho pelo seu pais e que as pessoas mal ou bem, pelos motivos certos ou errados temtam fazer algo; assim como no Japao isso tambem acontece, as pessoas aqui tem orgulho de fazer as coisas pelo seu pais e defende-lo, e quando algo nao vai bem o povo se movimenta e aqui quando politico e descoberto e pego na mentira ou renuncia ou se suicida de vergonha pelo ocorrido… Ja no Brasil, alguns Brasileiros condenam seu ponto de vista Renato mas eu me pergunto se esse mesmo condenador tambem se pronuncia quando assiste o noticiario e ve alguem dizer: Nao o motorista se recusou fazer o bafometro apos atropelar os pedestres pois ele esta no direito dele de nao criar provas contra si mesmo (lei idiota baseada no “medo da ditadura” assim como muitas de nossas leis que no fundo sao assim com esta desculpa mas na verdade quem as constitui sabe muito bem que e apenas mais uma forma de defender o ilegal), ou mesmo noticias do tipo “os prisioneiros nao voltaram aos presidios apos o feriadao!” Vamos la gente, pq nos “ferimos” com a opiniao de um Brasileiro que esta vendo a situacao de fora mas nao nos ferimos com esta conduta interna?
    Muito facil criticar os EUA pelo capitalismo, mas mesmo assim estarmos tentando dia-a-dia ter uma renda maior e uma conta bancaria mais gorda!!!
    Fui durante anos militante de movimentos estudantis no BR, e a vergomnha e grande, os estudantes vivem fora da real e as entidades estudantis, os diretores, sao apoiados por partidos (quem morreu la atras lutando deve estar se revirando no tumulo) e vou falar que nao escapa ninguem, nao escapa uma entidade, tem gente boa que vai sendo enrolada e tem gente que parece boa que enrola toda esta gente e o pior tem gente que acha que sabe do que esta falando e no fundo somente posa de intelecto para a galera que sabe menos ainda, triste mas vemos isso facil, estes dias alguem descobriu meu e-mail e me enviou um abaixo assinado falando do ocorrido na embaixada Americana quando aconteceu a visita do Obama no Brasil, putz, a menina, estudande de Jornalismo (na minha opiniao uma vergonha para classe que cada vez fica mais sem valor no BR) me escreveu e relatava em seu e-mail que os 13 estudantes estavam sendo mantidos presos ilegalmente e que esta prisao era um retorno a ditadura e poderia ser considerada uma prisao politica! POR FAVOR, alem do lixo se tem algo que me irrita e a ignorancia, nao a de estudos, mas a ignorancia da alma…. E entao eu respondi a ela, que era ate um insulto a quem ja foi preso politico dizer que queles 13 eram presos politicos, perguntei a ela se eles protestam com tanto fervor quando vem noticias do tipo existem 27 mil criancas para serem adotadas no Brasil e que na lista de espera existem 47 mil casais, que as adocoes nao ocorrem pois o brasileiro quer crianca branca, menina e bebe pra fingir que e pai biologico e que enquanto isso existe milhoes de extrangeiros que adotam ate com 12 anos mas que o Brasil nao aceita ” pois acha que esta vendendo as criancas” (engracado ne ninguem se preocupa se esta crianca vai ter amor, e mais facil empilhar elas em um Lar adotivo e dar preferencia a 47 mil casais egoistas que so querem se a ciranca for menos de 1 ano), perguntei a ela se estes estudantes tambem dao a cara a tapa quando vem todo o dia a palhacada que os nosso politicos fazem ou se somente saem as ruas pra protestas quando gente de fora vem ao Brasil (pois ai da mais Ibop)? e expliquei a ela que os estudantes estavam presos nao por serem presos politicos e protestarem “calmamente” como ela comentara no e-mail, mas que sim aviam jogado uma bomba em um pobre seguranca, que obviamente era o unico ali que nada havia com isso… Claro que nem ela nem ninguem me respondeu, afinal reponder o que?
    Bem, fica dificil em um post resumir muitas coisas e historias que tenho, mas posso dizer que se o brasileiro comecar a olhar a frente a nao para tras, se comecar a cuidar do seu pais e nao criticar tanto os outros, se quando eles sairem do Brasil tentarem se “misturar” mais com as culturas e aprender valores ( e ensinar alguns tambem, pq nao?) e parar de querer fazer “comunidade” o tempo todo e de passar esta imagem de somos unidos, calorosos e festeiros, talvez o Brasil consiga entender o que realmente e ser patriota, e quem sabe o 7 de Setembro deixe de ser apenas mais um feriado para ir a praia e consegamos ver as pessoas com bandeiras relembrando o que realmente e ser indepentente?!

    obs:desculpe a falta de acentuacao, pc novo ainda nao instalei tudo, entao somente teclado oriental 😦
    Kelen Katsue Lee.

  16. 05/07/2011 19:26

    Rs, Renato somente um comentario referente ao Professor que vc comentou acima…
    Eu tinha um amigo (tempos de adolescencia “rebelde”) que podemos dizer que ele se consideva “Punk” e ele um dia me disse: ” Eu nao tomo coca-cola pois vem dos EUA E BLA BLA BLA, entao eu dei uma risadinha e disse, pois e cara, mas vejo que vc usa All Star e que seu computador roda o microsoft….
    Aiai…. Minha avo sempre dizia que a palavra e de prata mais o silencio e de ouro hehehe…

    Kelen Katsue Lee.

  17. RenatoAlves permalink
    06/07/2011 2:39

    Kelen
    Obrigado por comentar.
    O objetivo do post era o de explicar porque eu não voltaria ao Brasil. Eu acho que, assim como o Edu, eu devia ter ficado meio quieto, acha? Assim não passaria por “chato” como ele mesmo disse. A comparação entre países é ruim como a Mariana disse mas é exatamente isso o que fazemos quando pensamos em tomar a decisão de sair. Comparamos e pesamos, pensamos e decidimos. Gostei muito quando você disse que a gente condena o consumismo mas estamos sempre à procura de melhores posições e melhores salários. Eu diria até mais. Ainda ficamos pensando o que poderemos fazer com mais dinheiro. Muitos que metem o pau em quem tem piscina se ficassem milionários comprariam uma casa com piscina. O vocalista Charlie Brown Jr que sempre pregou que a burguesia devia ser enforcada, depois que ficou rico, vive como burguês.
    Mas eu não vou ficar aqui falando da hipocrisia brasileira. O que me pegou mesmo no Brasil foi o altíssimo custo de vida e a violência que, a meu ver, está fugindo ao controle do governo. Mesmo assim tem carioca que jura de pé junto que o Rio não é perigoso e que é tudo invenção da TV!
    Abs!!

  18. lucas permalink
    13/07/2011 21:31

    eU Acho que cada caso é um caso , do mesmo jeito que tem brasileiros que vao para os EUA e nao pensem em voltar , tem americanos que moram aqui e nao pensam em voltar pros EUA .

    Eu tenho um conhecido que fez faculdade em Michigan , dava até aula por lá, tinha casa , carros e tudo , depois de um tempo resolveu vender tudo e voltar pro Brasil , e olha que a faculdade fez de tudo pra ele poder ficar lá .

    Veio ele, a mãe e a mulher , claro q sempre ele ele tá voltando pros EUA .

    Por isso que digo , cada caso é um caso , cada pessoa tem uma maneira de ver as coisas .

    me lembro uma vez que dei uma dica pra minha irmã viajar para um cidade litorânea no nordeste que ela iria adorar , só que ela odiou , voltou morrendo de raiva de mim.

    cada caso é um caso.

    • RenatoAlves permalink
      13/07/2011 23:07

      Falou e disse Lucas.
      Eu vejo isso muito por aqui. Tem gente que só volta no caixão tem gente que morre de vontade de voltar. Assim como tem gente que também fugiu de Cuba e não volta de jeito nenhum (mesmo porque seria MUERTO) tem gente que ama aquele lugar e defende o Fidel (que calcula-se que mandou matar mais de 5 mil pessoas) até a morte. Cada um tem a sua experiência e trajetória…
      abs

  19. Fernando Machado permalink
    15/07/2011 21:25

    Caraca …..

    Uma coisa ee certa brasileiros tem mania de fazer um RODEIO nas respostas; sejam eles morando no pais ou nao . ..Creio que a pergunta nao foi : QUAL E O MELHOR PAIS
    desse planeta chamado TERRA !!!! ????
    ….so querem saber vc fulano ou fulana vai voltar ou nao …SIM OU NAO …e de preferencia diga o por que SIMPLES ASSIM QUE COISA 😦

  20. 16/07/2011 23:51

    ok
    Da próxima vez a gente faz um post assim. Depois do título “E aí você volta para o Brasil?” O texto vai ser esse: “Não”

  21. lucas permalink
    17/07/2011 18:18

    Eu acho que as pessoas dentro e fora do Brasil generalizam tudo .

    Eu que moro no Brasil já ouvi dizer que todo europeu fala Inglês , e por esse blog vi que nao é assim.

    Já vi numa comunidade do orkut de brasileiros que moram no exterior dizendo que quando veio ao Brasil nao encontrou nenhuma lan house , que aqui o povo nao usa internet.

    Dizem que todo brasileiro é simpático , dá beijinho , fala alto e etc . E nao é bem assim , é muito comum um aperto de mão e olha lá , e esse de simpático tá acabando , tem brasileiro de todo tipo

    Quando nao existia internet , a história era que pra saber quem é brasileiro nos EUA era só olhar a casa ( geralmente sao todas imundas)

    Eu falo isso pq leio esse tipo de blog há anos e as vz acabo lendo as coisas como verdade e as vz nao é.

    • 23/07/2011 13:25

      Lucas
      O que você disse tem sim um fundo de verdade. Da mesma maneira vim para os EUA cheio de idéias e pré-conceitos como por exemplo, que os americanos são preconceituosos, que os americanos são burros, que não sabem geografia, que a comida daqui é péssima etc. Outras generalizações também do Brasil como você disse é a pura verdade. Nem todo brasileiro é simpático, amável, gente boa, etc
      E toda regra tem excessões não é? Mesmo porque nem sei se posso usar a palavra regra
      Abração Lucas!

  22. joao paulo - smo permalink
    20/07/2011 5:43

    Primeiro parabens Renato, Kelen, tudo o que foi dito foi perfeito. Acho que cada um tem que pesar, avaliar o que mais lhe importa, sente, deseja. O mundo é e sempre foi para imigrar. Existem muitos lugares, ruas, bairros, vilas, cidades, paises a serem vistos e para se viver, bom para quem pode viver uma nova cultura, um novo estilo e compreeder que somos diferentes. Alguns mais, outros menos patriotas, egoistas, respeitosos, é a sim que o mundo se move. Espero que as pessoas, respeitem sempre a opinião dos mais diversos cidadãos brasileiros, americanos, japoneses, holandeses, espanhois, cada um tem seu estilo e merece nosso rspeito.

  23. 23/07/2011 13:28

    Gostei do que você disse sobre o mundo ser um lugar para imigrar João Paulo. Outro dia me peguei pensando: “Se meus avós saíram da sua terra (não negaram sua nacionalidade…), se o Brasil declarou independência de Portugal (mas não nega suas origens…) porque uma pessoa deve ser criticada por fazer o mesmo? Alguns amam viver no Brasil, Carnaval, Copa do mundo, música alta de madrugada, festança e pelada na praia. Eu não! kkkkk
    Abs e obrigado pelo excelente comentário

  24. Juliano PP permalink
    05/08/2011 14:15

    ACOMODADO
    Então mais uma vez voce reitera que a cultura do brasileiro é a cultura do meu e não a cultura do nosso.

    Voce sai e fica tudo bem, então não quer mais voltar e fica a falar mal do Brasil.

    Na cultura do nosso, voce ficaria e mudaria seu bairo, sua cidade, seu estado e por fim o seu país.

    Muito comodo de sua parte. É de genta assim que o Brasil não precisa.
    (Assim como não precisa de mim também.)

    • RenatoAlves permalink
      05/08/2011 14:43

      Juliano
      Acomodado? Eu já fiz a minha parte. Fiz 18 anos em trabalho voluntário, dei aula “de graça” na escola pública por anos, até giz de lousa comprei com dinheiro do bolso. É fácil pra você falar, “fica e muda seu bairro”. Eu comprei uma casa em um bairro de classe média em SP. 2 anos antes de terminar a reforma da minha casa minha vizinha (seguindo a lei do EU) abriu um boteco na garagem dela o que trouxe ao bairro marginais, traficantes e bêbados. Embora todos os moradores reclamassem e tentassem mudar algo, não recebemos nenhuma ajuda da polícia, prefeitura ou qualquer outra autoridade brasileira. A situação foi ficando cada vez pior visto que outras pessoas abriram botecos na rua que virou um antro de bêbados e gente da pior espécie. Após 4 anos eu vendi minha casa por preço de bananas. Portanto, antes de falar pense bem, porque eu tentei SIM mudar meu bairro por 15 ANOS! Até ameaçado de morte eu e outros moradores do bairro fomos. “É de gente assim que o Brasil não precisa?” te digo: É de um país assim que EU não preciso. Boa sorte pra você “aí”…

  25. Mirlene permalink
    04/12/2011 16:37

    Renato,

    Depois de alguns meses que o seu comentário foi publicado e a crise vem se agravando, você acredita que ocorrerá uma mudança na tendência dos brasileiros a retornarem para o Brasil?

    Mirlene

    • RenatoAlves permalink
      04/12/2011 17:08

      Mirlene
      Não sei porque ainda ouve-se, no Brasil, sobre a crise americana “agravando-se”. A alta do dólar mostra justamente o contrário. A última Black Friday bateu records de vendas. A construção civil se recuperou, o mercado imobiliário vendeu mais que em 2010 e 2009. Eu assisto noticiário todos os dias e o que se ouve é que a economia está se recuperando rapidamente. Mas rápido do que se esperava.
      Quanto à sua pergunta, conheço brasileiros aqui que dizem que mesmo que a crise piorasse 100% não voltariam. Eu acho que os que voltam, são os que tinham isso no pensamento, desde o dia que chegaram. Acredite, tem gente que chega já falando em ir embora. O governo brasileiro publica o número dos que voltam mas jamais fala qualquer coisa do número dos que saem. Crise eu acho que tem é no Brasil, onde vi esta manhã, que 100 milhões de pessoas ganham menos que 300 reais por “mês” e onde os impostos comem quase 46% do salário do trabalhador. Na minha opinião, acredito que as pessoas que conseguem enxergar essa propaganda brasileira de “prosperidade” vão acabar mudando de país…
      Abração

  26. Tiago Pissolati permalink
    16/01/2012 21:54

    Renato,

    que tal começar com algumas aulas de Português?

    Ah, em tempo: sorry, pal, we won’t miss you.

    • 17/01/2012 0:38

      Tiago, Que tal fazer algum comentário relevante da próxima vez que resolver colocar nome e sobrenome num lugar? Essa mania tosca de brasileiro tbm de ficar todo ofendidinho quando alguém fala a VERDADE. É um país de gente que se pinta de feliz mas que tem uma cultura de ser egoísta e enxerido, sim, em que o descaso dos órgãos públicos com os cidadãos é TOTAL. Veja São Paulo, o maior exemplo de falência urbana do mundo. Acha que ficaria como ficou se UMA pessoa que pegou naquela prefeitura se importasse? Acha que Rio, Vitória, BH estariam debaixo d’água se alguém se importasse? E vc acha que uma quantidade absurda da população faria diferente se tivesse poder? Mudar essa cultura é uma coisa muito difícil, e pode ter certeza que UM MONTE de gente gostaria de cair fora pelo mesmo motivo.

    • RenatoAlves permalink
      17/01/2012 1:02

      Caro Tiago
      Como a outra leitora disse, um comentário relevante seria melhor. Eu entendo que você tenha se ofendido ao ler o meu post. Depois de refletir bastante, talvez você descubra o motivo de ter ficado ofendido, mas para tanto, precisa ter inteligência e humildade. O post gerou muitos comentários e uma boa discussão. Pena que alguns partem para ofensa. Muitos discordaram com o que eu disse, mas souberam, com elegância, expôr seus pensamentos.
      Abs

  27. Epicuro permalink
    17/01/2012 12:18

    Que inveja. Como eu gostaria de morar nos USA. Moro em BH. No meu bairro (que não é periferia diga-se de passagem, muito pelo contrário, é um bairro classe média bem próximo ao centro) parece um canil, tem mais cachorros nas casas do que gente. Todos latem o tempo todo, a noite, de madrugada, latem com pipas, uivam e não se pode nem reclamar. Os cães são apenas reflexos dos donos e esses por sua vez são grossos, estúpidos barraqueiros. Final de semana é um tal de colocar música alta (Paula Fernandes, Luan Santana, Michel Teló e congêneres) e os vizinhos são obrigados a ouvir tudo isso repetidamente. Sentam-se nas portas das casas e a vizinhança se junta e alguns chegam ao absurdo de fazerem churrasco ali nas portas de suas casas, quase na rua, incomodando a todos os que como eu gostariam de ter um domingo tranquilo, de descanso, de paz… não consigo sequer assistir TV, ler um livro de tanto barulho… isso sem contar os carros que passam a todo momento com o porta malas aberto tocando funk em um som tão alto que turbina de avião tem inveja… gente mal educada que só conversa gritando… violência, altos impostos, impunidade, prefeitos que são verdadeiros bandidos, parlamentares que dão vergonha, políticos corruptos… desvalorização no mercado de trabalho… Renato, se eu estivesse no seu lugar eu não voltaria nunca, mais nunca mesmo, você faz mais do que certo ficar aí. Parabéns, seja feliz e boa sorte!

    • RenatoAlves permalink
      17/01/2012 12:26

      Epicuro
      I know exactly how you feel 😦
      Obrigado e boa sorte pra vc também!
      Abs

  28. S. V. permalink
    17/01/2012 19:21

    Bá, li todos os comentários e têm muita gente com analfabetismo funcional…

    Concordo completamente com o que foi dito! Estudei por seis meses no Canadá e após retornar ao Brasil os problemas que eu via se tornaram piores e novos problemas apareceram aos meus olhos.

    Agora eu penso todo dia em voltar correndo para o canadá! Assim que me formar pretendo imigrar (e sei que será difícil me adaptar).

    Mas depois de experimentar uma nova realidade, eu não pretendo continuar no Brasil e entendo e concordo com teu pensamento!

  29. Gésyca permalink
    18/01/2012 18:21

    Faz um ano que voltei a morar no Brasil, depois de dois anos morando em NH e MA…
    sinceramente, nem depois de tanto tempo, consigo disfarçar a frustração a cada vez que tenho que comprar algo aqui no Brasil!
    Abastecer o meu carro é algo que me faz chorar.
    O simples fato de ter que trabalhar 45 horas semanais, pra poder ter um salário “razoável” e mesmo assim não conseguir viajar sem ter que parcelar em tantas vezes, que nem sei se até la estarei trabalhando pra pagar, é triste, desde que voltei ao Brasil, estive em São Paulo somente uma vez, e sinceramente, achei caro demais…
    quando morava no US viajava direto, passei uma semana entre CA e Las Vegas… com um salário que nem era tão alto, pois eu era au pair…

    Realmente, não vejo a hora de poder voltar pro US!!!
    Parabéns pelo seu post, descreve exatamente o que sinto!!!

  30. simone permalink
    20/01/2012 3:58

    Morei em NY por quase 10 anos. Voltei ao Brasil e não me arrependo. Aliás, porque me arrependeria? No meu caso individual, nunca quis ir aos EUA – muito menos ter ficado tanto tempo lá então não há “regrets”. Me arrependo de ter ficado tanto tempo lá? Talvez. Mas quando penso o que poderia ter feito diferente vejo que não errei. Tomei as decisões que tomei porque na época considerei que eram a melhores. E aprendi. Demais. Sofri também, mas valeu a pena!

    Não digo isso (de que não me arrependo de voltar) da boca pra fora. Aliás bem gostaria que tivesse “second thoughts”. Não tenho e eu mesma acho isso esquisito. Muito pelo contrário… Não sinto falta DE NADA de lá. Ok, honestamente em 2-3 ocasiões senti falta do seguinte: CAFE e PIZZA (quem diria, eu odiava o coffee aguado de NY e a pizza horrosamente gordurosa) mas um diz me fez falta. Morro de saudades do Falafel do Alan Cart perto de onde trabalhava e a Thai Food barata e boa. E só. E até isso – essa “saudade” já não existe mais. Nada de lá me faz falta. Digo de novo. NADA. Estou em São Paulo há pouco mais de ano e meio e acho incrível que quase 10 anos (uma década) não tenha causado nenhum efeito em mim. Sinto falta sim de amigos e minha irmã que lá estão. Fora disso não voltaria… não para morar.

    A vida nos EUA não é a vida com a qual me identifico. Com todos nosso problemas e os tipos brasileiros que nos envergonham – eu sou MUITO MAIS Brasil. E sim, aprendi (não eu nem sempre pensei assim) a AMAR, RESPEITAR e ADMIRAR os EUA quando entendi mais de sua história. Não tenho vergonha de dizer que tiro o chapéu por muitas coisas que vi lá. No entanto, o podre desse país me dá nojo. No meu ponto de vista é pior que todo o podre daqui. Não porque realmente seja pior. Não é. Podre é podre aqui ou acolá. Mas é pior lá, simplesmente porque não é meu país. Nunca será. E o pior é que nem quero que seja. Aqui não. O Brasil é tão diferente. Você aqui não é americana-brasileira, ou italiana-brasileira, você é quem você é… BRASILEIRA. Sei bem disso pois minha familia é chilena. Eu sou no fim das contas chilena-brasileira. Mas mais do que isso sou brasileira e reconhecida como tal. Isso nunca sentiria nos EUA, infelizmente.

    Então é isso. Não se podem comparar países, cidades, ou lugares. Muito menos se podem comparar pessoas, cada um pensa o que quer. Há aqueles que não querem voltar. Há aqueles que sempre quiseram voltar (como eu). Há aqueles que sempre vão estar no muro pois não aprenderam que não há lugar perfeito. A adaptação é possível aqui ou lá. Mas eu sou MUITO MAIS BRASIL e sempre serei. E acho o seguinte se você está feliz fora do país, fantástico, fique por lá. Mas não diga que cá ou lá é melhor ou pior. É tudo questão de escolha. Poderia dar vários exemplos de como os EUA é pobre e o Brasil melhor e vice versa mas no fim o que vale são seus valores pessoais e sua postura diante da vida. Ficar se preocupando com o que os outros pensam nunca fez parte de minha pessoa. Pessoas egoístas, consumistas, materialistas (que alguns dizem que são piores no Brasil) vi iguais nos EUA. E daí? O importante é quem você é. Se você é sábio o suficiente pra ver que isso não é tudo na vida – isso já é meio passo andado no caminho à verdadeira felicidade.

    Afinal de contas, não se precisa ter muitas coisas para ser feliz. Eu não preciso me esconder em carros de luxo, casas/apt de luxo, roupas de marca, etc. Por isso deve ser que não temo a violência no Brasil. Sou simples e sempre serei. Valorizo pessoas e acredito no meu país. É isso aí.

    • Migrante permalink
      11/03/2012 20:13

      Sempre sofri todo tipo de preconceito no Brasil; não concordo com essa parte de que aqui todo mundo simplesmente é brasileiro. Não acho que os meus amigos descendentes de japoneses, chilenos etc. achem isso. Eu sou descendente de 4 bisavós de 4 países europeus diferentes misturados também com índios e negros e passei a vida sofrendo todo tipo de preconceito. Brasileiro tem problemas até entre pessoas de diferentes estados, regiões e religiões; de diferentes bairros até! Sofri preconceito fora do Brasil sim, mas ainda prefiro viver fora.

      Identifiquei-me bastante com o texto do Renato; aliás onde moro os brasileiros são conhecidos por serem extremamente consumistas, enquanto o europeu comum é ligado em outras coisas mais simples de qualidade de vida. Quando retorno ao Brasil não
      consigo mais me adaptar.

      • RenatoAlves permalink
        11/03/2012 20:20

        Pois é, você disse muitas verdades. Mesmo eu nunca tendo morado fora antes, já era difícil me adaptar no Brasil depois de um mês viajando fora do Brasil. Voltar agora àquele ritmo, estilo de vida, está cada vez mais difícil
        Onde você mora?
        Abs!

  31. Patricia permalink
    22/01/2012 15:14

    Boa tarde.

    Sinceramente, muitos blogueiros acima possuem algum problema.Querem o melhor de todo o planeta e pouco me parecem satisfeitos aonde quer que estejam. Ou Holanda, ou EUA ou Espanha,etc.Todo lugar possui defeitos e tampouco o Brasil somente possui atributos negativos.Possuimos muitas qualidades.

    Estou voltando ao Brasil depois de viajar aqui pela Europa por quatro meses.Nem tudo que vi me parece com o primeiro mundismo que tanto falam por aqui. Vi desde prostitutas,drogas,mendigos pelas ruas e governos em crise.Fora coisas do dia-a-dia que nunca funcionaram 100% como tanto falam por aqui.

    E falar dos EUA?Querem dominar o mundo na base da porrada?E para isso basta olhar os jornais mundiais.E desconheco lugar sem defeitos como muitos aqui querem e pelo jeito ainda sempre serao vistos como estrangeiros.Vcs nao tem como negar ser brasileiros.Somente comprovam com essa mentalidade de falar com tanta raiva do lugar aonde nasceram e pouco fazerem pra mudar.

    Procurem terapeutas.

    • RenatoAlves permalink
      23/01/2012 0:52

      Eu estou muito feliz onde estou e não tenho do que reclamar. É aqui que pretendo ficar.
      Quanto à terapia, já recebi alta há muitos anos
      Bjs

    • 15/01/2013 15:39

      Só me responde alguma coisa. Tu já sequer VISITOU um país de primeiro mundo?

      Não conheço os EUA, mas passei UMA SEMANA em Londres e posso confirmar tudo que o Allan falou. É outro MUNDO e ponto cara. Vou resumir em uma palavra a diferença:

      EDUCAÇÃO

      Educação da população gera esse ABISMO de qualidade de vida que tem entre Brasil e EUA/Englang/União Européia.
      Em Londres o povo nao anda na esquerda nas escadas rolantes do metro pq é educado e ja virou costume quem quer simplismente subir ficar na direita e deixar a esquerda pra quem está com pressa. A comida lá é MUITO barto. Convertendo libra pra real eu paguei 4 pila numa garrafinha dagua, mas se eu ganhasse em libras ia ser ridiculo de barato.
      Só vou citar um exemplo pra nao fazer outro texto grande mostrando toda a abismal diferença como o excelente exemplo do Allan, é tudo realmente verdade, acredite quem ainda nao pode ter a experiencia.

      Eu e minha namorada paramos pra comer um cachorro quente numa banca na rua, uma banquinha qualquer. Pedimos dois cachorros quentes só que eu pedi o meu com algo a mais que nao lembro, só que o cara entendeu que eu queria um hamburguer com esse algo a mais. Depois que o cara ja tinha quase tudo pronto, só faltava o bife do hamburguer terminar de fritar, eu me toquei que aquilo era pra mim e falei que tinha pedido um hotdog. Ele pediu desculpas, mas eu falei que nao tinha problema, eu pegava o hamburguer sem problema nenhum. Ele falou que insistia pq foi um erro dele fora o hamburguer ser um pouco mais caro. Cara, tu acha que no brasil o cara ia se importar? O cara fez questão de me fazer um hotdog. Nao é grande coisa, mas é sério, a educação é outra coisa. A gente pedia informaçoes na rua as pessoas quase desenhavam um mapa pra gente de tantos detalhes e deoips quando a gente agradecia eles ainda perguntavam se era só isso que a gente precisava saber. Man, na boa, é outro MUNDO. É muito legal, é limpo, as coisas funcionam, eles tem ESTRUTURA! A gente pegou uma greve do metro e tivemos que andar de bus, os motoristas extremamente educados. Perguntamos pro dono de uma loja aonde podiamos comprar passagens pros onibus o cara saiu da loja e andou quase duas quadras com a gente pra mosrtar aqueles trecos que tu poe as moedas e imprimi os tickets e a gente nao tinha comprado nada, nao demos lucro nenhum pro cara, entramos só pra pedir informaçao e mesmo assim o cara fez toda essa gentileza. Como o Allan falou, a gente andava na rua de madrugada, perto de praças, de qualquer lugar e nao tinha o minimo perigo. Nao tem baderna na rua, sujeiro, mendigo.

      Fora que minha namors passou 1 mes de intercambiu no Canadá e falou que é tipo isso, outro mundo, por causa da educação. Lá se tu quiser tu anda de metro sem pagar nada e provavelmente nao iriam descobrir, mas tu acha que alguém faz isso? Em países assim eu teria gosto de pagar impostos, fora que em TUDO vem discriminado o valor dos impostos, tu sempre sabe exatamente o que ta pagando. A Apple store brasileira faz isso e num ipod nano de quase 600 reais, praticamente DUZENTOS são impostos. Ridículo!

      Novamente falo, como o Allan falou, na primeiro oportunidade eu saio desse lixo e nao volto nunca mais e ainda vou criticar e falar mal eternamente do brasil aonde morar. Vou pra lá, ponho um bandeira do país e canto hino também. Não sei de cor o hino do brasil e nao faço questao nenhuma! Me envergonho de ser brasileiro. Em Londres brasileiro é mal visto e com razão, tudo que da pra levar vantagem nos país desenvolvidos como andar de graça no metro do Canadá, com certeza deve ter os brasileiros que fazem né.

      Eu e minha namorada até brincavámos “nao vamos dar de brasileiro fazendo xinelagem aqui”. E vimos várias pessoas falando portugues e ainda brincávamos “Meus deus, olha os brasileiros por aí”. Ela tem cidadania Italiana. Quem dera eu tivesse também…

  32. Lisa permalink
    29/01/2012 12:15

    Parabens pelos argumentos de todos os que o fizeram seriamente. Moro nos EUA ha apenas 2 anos e confesso que ainda me encontro em cima do muro. Concordo em genero e grau com tudo o que o Renato falou e me identifico demais com esse pais que escolhi para morar (pelos mesmos motivos acima apresentados).
    Contudo, a falta de pertencimento muitas vezes eh inevitavel e me causa um certo incomodo. Sou casada com americano, meu ingles eh bom, mas nao perfeito e sempre terei sotaque. Sempre serei uma estrangeira. Eh como se minha vida comecasse do zero novamente, pois meus estudos (faculdade, mestrado) nao valem nada aqui. O processo de validacao do diploma eh demorado, expendioso e que muitas vezes so vem a confirmar que vc tera de praticamente refazer o curso aqui para exercer a profissao que exercia no Brasil. Morar em outro pais eh ter de aprender a praticar a humildade! E isso nem sempre eh facil. A questao da lingua eh outro fator barreira. No meu caso, perdemos muito em termos de expressar ideias com a clareza e precisao devidas. E vcs? Como lidam com essas questoes? As vezes me pergunto o que estou fazendo aqui, mas quando penso em voltar para o Brasil fico muito depremida pois nao tenho mais condicoes psicologicas de lidar com os problemas de Sao Paulo (lugar que morei por 34 anos). Um grande abraco a todos!

    • RenatoAlves permalink
      29/01/2012 14:30

      Lisa
      O estranho é que cheguei em um pouco em que algumas coisas não consigo me expressar no português e somente em inglês. Eu acho que é preciso um esforço muito consciente para aprimorar o inglês, diminuir o sotaque, etc. Dá pra melhorar bastante, mas precisa muito esforço porque é a parte do refinamento, que é a mais difícil seja lá o que for.
      Outro dia comecei a assistir uns programas brasileiros no Youtube e fiquei meio deprê. Uma saudade e isso que só agora eu consegui a explicação depois de ler seu comentário. A sensação de pertencimento. Tive essa sensação quando vi os programas do Youtube…mas assim como você, não conseguiria mais morar em SP. Depois fico pensando em que lugar do Brasil poderia morar e chego à conclusão que lá está tudo perigoso…tenho medo.
      Abração pra vc!!
      R

  33. Ana Maria Aráujo permalink
    30/01/2012 16:39

    Nasci brasileira e pretendo morrer aqui, nunca morei fora mas conheço 19 países.Todos tem coisas maravilhosas, outras nem tanto. Respeito quem saiu do Brasil e não pretende voltar, sou filha de imigrantes e foi isso que meus pais fizeram. Só acho que quem tem tanta certeza assim que NUNCA pretende voltar não precisa de nenhuma justificativa prá isso, já que o país tem quase 200 milhões de habitantes e, sinceramente, uns a mais ou a menos,não fazem muita falta (a não ser para suas famílias). Querem ficar, fiquem, mas por favor não depreciem o país em que nasceram, simplesmente se esqueçam dele. É tão fácil…

    • Chantal permalink
      05/03/2012 1:46

      Concordo com você!
      É lógico que nem tudo é perfeito aí, mas o que eu acho é que o Brasil não é um país pra morar pra sempre, pelo menos não do jeito que tá agora (e também não acredito que vá mudar tão em breve). Eu gosto muito do Brasil, mas sinceramente o vejo mais como um país para passar as férias.

      E desculpa a curiosidade.. Mas você trabalha com o que aí?

  34. Márcio permalink
    07/02/2012 22:16

    Parabéns Renato pelo depoimento… entendo perfeitamente as suas razões em não querer voltar. Também não vejo muitas perspectivas de melhora a curto prazo no Brasil e lidar com os problemas do país não é fácil. Ainda mais depois de se acostumar com um lugar onde as coisas funcionam. Também partilho da mesma frustração ao não ser compreendido por familiares e amigos… mas as pessoas são diferentes e têm necessidades e valores diferentes.

  35. 22/02/2012 18:22

    @Todos Boa tarde.
    Gostaria só de comentar algumas coisas que parecem ser desconhecidas por todos,em especial a Anita.

    Os EUA possuem tal cultura bélica enraizada na sua história desde a sua fundação,através das guerras contra a França,pela própria independência,a Guerra civil,da Coréia,Vietnã,e as mais recentes operações no Oriente Médio.Isso sem falar nas guerras mundiais.Tal fato gerou uma cultura militar e forte nacionalismo,com orgulho do que é deles.E tal amor por armas vem desde a época do faroeste e do pensamento que a liberdade e escolhas próprias devem ser respeitadas.A criação de milícias foi estimulada durante guerras e tal ato deu origem aos Rangers,infantaria de elite, que mesclavam táticas indígenas de emboscada contra o império britânico.Milícias são uma coisa impensada e ilegais no Brasil ou outros países.Tudo isso fez com que os americanos quisesse formar um império,com todo e qualquer interesse científico ou cultural com fins militares.

    Mas não são os únicos.Páises tidos como pacíficos também tem potencial bélico e nem sempre são assim inofensivos e da paz. A Austrália,que lutou na guerra do Vietnã e inovou no modo de combater na selva.possui o SASR(Serviço Aéreo Especial Australiano).O mesmo se aplica a Nova Zelândia que tem o NZSAS(O Serviço Aéreo Especial Neo Zelandês) cujos rastreadores são modelos em combate de regiões não urbanas.Ambos foram criados baseados no Serviço Aéreo Especial do Reino Unido que lutou da II Guerra,as Falkland,Irlanda do Norte e atuais confrontos no Oriente Médio.A cultura militar e bélica no Reino Unido também é forte.Basta ver os membros da família real,todos com background militar.

    Vi que tú moras na Holanda.A Holanda tampouco é um país assim pacífico.Apoiou os EUA no Afeganistão e possui uma grande força de unidades especiais também alé, de fazer parte da Otan.Veja no link.
    http://www.tropasdeelite.xpg.com.br/holanda-Korps-Commando-Troepen-p1.htm

    Vale lembrar que na Batalha de Guararapes o Império Holandês tentou colonizar e invadir o Brasil com seu poderoso exército na época.A invasão foi evitada por brasileiros,portuguêses,indígenas e africanos que se uniram e venceram a Holanda com táticas de guerrilha.Esse foi o nascimento das forças especiais brasileiras,uma das mais antigas das Américas.Escrevi sobre isso.
    http://mentesdecomandos.blogspot.com/2012/01/origem-das-forcas-especiais-e-historia.html

    Hoje a Holanda faz manobras militares perto da Amazônia por um certo interesse nessa.Todos sabem que o Brasil é um dos especialistas em combater nesse tipo de ambiente operacional e a Amazônia é alvo de ONGs fantasmas e governos com interesse no Brasil.

    http://www.midiaindependente.org/pt/red/2008/06/423152.shtml

    Espero ter colaborado com alguma informação.

    Obrigado.

  36. Ana permalink
    04/07/2012 3:39

    Voce esta corretissimo, o brasileiro quer o melhor para ele, e o voce e o melhor exemplo disso, daquela pessoa que pensa em si propria e nao na sociedade como voce diz “os americanos”, se esqueceu de falar tambem do patriotismo deles que lutam e morrem pelo seu pais e fazem cada um a sua parte para melhorar o todo. Ai vem pessoas como voce, e imigrantes ilegais e querem isso para si, em vez de ficarem em seu pais e tentarem fazer algo para a sua sociedade, ou lutam por ela. Como e bom usufruir daquilo que nao lhe pertece por direito, infelizmente esta ai um otimo exemplo do oportunismo brasileiro.
    E tambem e uma pena voce nao ter conhecido melhor o seu pais e tambem conhecer melhor, na integra no todo o pais onde mora, para julga-lo tao bem. Saiba que todos esses beneficios que voce tem e ve nos E.U.A, e por que pagam taxas para isso e e por isso que eles odeiam tanto imigrantes que vem para usufruir daquilo que os cidadaos constroem, pelo seu egoismo se fosse americano tambem nao gostaria que viessem aproveitar as vantagens de seu pais, ou tirar o posto de trabalho de algum cidadao americano. Ja que sua ambicao foi tao grande, saiba sim que no Brasil no interior que voce nao quis conhecer, por que o salario e menor e “consequentemente o custo de vida tambem e menor” existem carteiros, garcons, etc… que constroem casas, tem carro, uma boa vida social(isso sem duvida e ao longe bem melhor) e vivem em cidades tranquilas, tem qualidade de vida muito boa, meu primo por exemplo, mora no interior e carteiro e tem tudo isso construido com seu esforco, e olha que ele e jovem, recem-casado, mas que sabe administrar o dinheiro que ganha, alem que reformar e dar de presentes moveis para a casa da mae…E esta tudo quitado, nao trabalha o resto da vida para pagar finaciamentos de casa e de carro como os americanos., ai vem a crise como agora, os bancos vem e tomam tudo o que eles tem e sem emprego e dinheiro para pagar as taxas, sao obrigados a morar em trailers ou ficarem jogados por ai, por que nao existe solidariedade familiar. Infelizmente muitos brasileiros de igual indole (brasileiro quer o melhor para ele), pensam igual a voce e muitos vao para os E.U.A, e paises da Europa para usufruir de beneficios do governo desses paises, para mim e gente preguicosa que “foge a luta”, alem de egoista e que fala mal e gospe no prato que comeu, e o tipo que nao faz nada e so critica os outros que nao fazem tambem. Conheco os E.U.A. e ja morei la, nao por que quis, mas por que infelizmente no Brasil so existem homens desse tipo e acabei encontrando meu amor americano(destino, pq nunca quis, conheci no Brasil), morei ai, nao me adaptei, quase morri com uma intoxicacao alimentar por comida industrializada com hormonios, alias as grandes companhias controlam o governo e este as pessoas e dizem ate o que elas tem que comer, pois comida natural e de qualidade nao existe, vi muitas pessoas nas ruas, ripes, sem teto, pessoas que usam a ajuda do governo para comprar drogas e vivem pelas ruas, ou viajando de cidade em cidade, praticando golpes. Todos tem “medo”, ou “respeito” as autoridades por que o governo controla a vida das pessoas e a midia diz o que tem que fazer, comer ou ser para serem felizes, e assim vao controlando a vida das pessoas e o que deve sair ou nao na midia, por que nao falam dos bairros violentos de cidades como Chicago, San Francisco, e muitas outras mais, olha o Brasil tem 26 estados os E.U.A., tem 50, voce acha que pode falar por todo um pais? Quem sustenta o trafico de drogas dos quarteis do Mexico, e por que nunca tem fim? e as mafias nos grandes centros? por que nao fala das altissimas taxas de suicidios? e etc…Diga-me isso e a verdadeira “liberdade”? Voce ainda mora em uma cidade em que a aparencia conta muito(Orlando) mais ainda por que e turistica e vivem disso, ja foi para o interior dos Estados ou em bairros de metropoles como Nova York, ou onde ainda existe a segregacao racial por ambas as partes(disfarcada)? E quando o dinheiro nao e o suficiente mais para voce ser feliz, o que voce encontra mais alem disso, nada!. Voce e preso num sistema que te da uma ilusao de vida(consumo e aparencia), que com certeza e o paraiso para brasileiros que saem de cidades grandes e realidades violentas, mas em contrapartida voce paga com sua vida, e e o que voce esta fazendo, negando a volta a sua origem.

    • RenatoAlves permalink
      04/07/2012 14:42

      Ana
      Você não sabe absolutamente nada sobre mim, sobre a minha vida no Brasil, sobre a minha família, muito menos sobre os americanos. Nem mesmo o motivo pelo qual eu vim para os EUA. Fico triste de ver que você tem uma mente tão pequena. Tudo isso que você me disse, diga para seus avós ou bisavós que migraram da Europa para o Brasil. Segundo você eles também foram ambiciosos, egosístas, não quiseram melhorar a sociedade onde viviam e blá blá blá. E você é fruto dessa gente que você despercebe, pelo menos, a coragem. O povo do Brasil, EUA, Austrália, etc são todos imigrantes, leve isso em conta quando fizer seu discurso patriota.

      • Ana permalink
        05/07/2012 4:15

        Desculpe se em algum momento eu o subjulguei, nao podemos falar nada do que nao conhecemos a fundo, nem voce me conhece. Eu sou mistica, meu pai e descendente de indios e minha mae e bahiana, sou morena de cabelos pretos e lisos, uma tipica brasileira da mistura das tres racas(branco, negro e indio), latina, se tenho algum descendente europeu deve ser portugues de seculos atras por que sou bem misturada e nao tenho nem um avo ou bisavo que tenha vindo da Europa, sao todos brasileiros natos bem misturados e desbravaram terras, trabalharam duro de sol a sol para conseguirem seu lugar neste.

  37. nilton permalink
    24/02/2013 0:19

    tipica cidadã bananeza. aff

    • Ana permalink
      12/06/2013 18:50

      com muito orgulho!… e assumo diferente de voce que e e quer ser diferente. Preconceituoso

  38. Danilo Menezes de Leon permalink
    05/10/2013 18:00

    Olá, eu sou brasileiro. Atualmente vivendo no interior do paraná, mas vejo diversos acontecimentos terríveis que possivelmente não veríamos vivendo no exterior. Eu pretendo morar fora, mas depois que terminar meu curso de inglês e meu curso universitário. Eu curso Engenharia Mecatrônica, vocês poderiam me direcionar? Será que formado nessa área da Engenharia terei emprego garantido no exterior? Quero muito viver em Connecticut-EUA, tenho conhecidos que estão vivendo nesta incrível cidade. Pois a qualidade de vida é grandiosa em aspectos financeiros, levam uma vida totalmente diferente a que viviam no Brasil. Eu vejo isso, cada vez surge uma sede insaciável de sair do Brasil, mas sendo um brasileiro sinto não ter privilégios saindo do meu país. Renato, se possível me aconselha como posso deslocar do país aonde vivo para ter uma vida americana, adorei ler sua história e concordo plenamente, pegue meu email: Daan_ramos@hotmail.com, grande abraço parceiro.

  39. Fred permalink
    22/10/2013 21:27

    Ótimo texto. Refletiu perfeitamente os pensamentos dos brasileiros que moram ou já moraram fora como eu.Estive por 1 ano fora do Brasil e na volta…DEPRESSÃO! O Brasil já tem tantas bolsas-não sei o que, deveriam ter o direito também de ter um “bolsa-intercâmbio” , para abrir a mente e ver o quanto o Brasil é “pequeno” em relação ao governo,sociedade,leis , etc.Mas obviamente esse bolsa-intercâmbio jamais existirá , pois é confortável para o governo mantêr o povo (baixa renda) alienados , afinal são eles a maioria e querendo ou não , eles que colocam ou mantêm os “nossos representates” no poder.

  40. Paulo Oliveira permalink
    27/11/2013 20:10

    SOu Au Pair na Alemanha e por mim ficaria nesse país pra sempre!!

    Amo o Brasil, mas a qualidade de vida aqui eh bem melhor!

  41. carolina permalink
    06/12/2013 19:21

    “Eu sou Brasileiro,adoro este coreto e agora o nunca ja nao tem talves,estao me dando gelo tirei o mico preto ,mas vem ai a minha vez”…
    Se algum dia passar alguma coisa muito seria nos Estados Unidos, crises serissimas ,guerra etc,este idiota ai que fala que tem vergonha de ser brasileiro sera o primeiro a pedir auxilio ao seu pais natal.
    Moro na europa e tenho a nacionalidade europeia, tenho casa aqui, e no brasil tambem ,filho,como arroz e feijao todo dia e jamais renunciaria ao meu pais.O dia que fui tirar a nacionalidade perguntaram se eu renunciava ao meu pais de origem eu disse jamais nem que eu tivesse que perder a europeia o fosse espulsa, jamais.

  42. Gislaine permalink
    10/02/2014 15:40

    Olá!
    Gostei muito do seu post e concordo plenamente com tudo o que você escreveu!
    Sempre viajo para Orlando com meu marido e minha filha para passar as férias e a minha vontade é de ir e não voltar mais para o Brasil!
    Seu post realmente nos faz pensar muito sobre a nossa realidade do Brasil. Somos desrespeitados pelos impostos abusivos (aliás, tudo aqui é abusivo) e ainda sim os políticos tem a cara de pau de dizer que estamos melhorando. Nossa polícia é falha e corrupta (quase que a maioria) e temos medo até de pedir ajuda a eles. Agora a nova moda aqui são os “justiceiros”, que nada mais é que um grupo de jovens fazendo justiça com as próprias mãos, pois nossa segurança não dá conta. E para piorar tudo isso, brasileiro é um povo burro, que esquece facilmente das coisas…Prova disso são políticos corruptos se reelegendo o tempo todo!

  43. Alex R E permalink
    24/02/2014 13:59

    Se tem muita gente que defende o Brasil como ele é, está explicado porque ele é assim.
    Renato, você está certíssimo. Tenho 34 anos, emprego bem remunerado, estabilidade, e uma excelente moradia no RJ, mas essa “sujeira” mental, física e espiritual me enojam. Estou muito desiludido com o Brasil. Não me sinto seguro quando ando pelas ruas e com relação ao que o governo pode fazer comigo e com o pequeno patrimônio que juntei. Tenho sempre a impressão que “se der mole” vão me passar a perna, roubar ou sofrer algum tipo de violência. Vivo para trabalhar e não trabalho para viver. Chego exausto em casa após pegar 2h de trânsito na ida e 2h na volta. Frequentemente tomo um analgésico ou relaxante muscular para suportar toda essa tensão. Estou cansado de ver tanta miséria, corrupção, injustiça, e tapeação, etc. Já parei de ler jornais e ver televisão que só retratam toda essa desgastante realidade. No final de semana a única diversão possível é shopping, e mesmo assim, temos que ser cuidadosos com os trajetos e horários. Resumindo, tenho a impressão de ser um sobrevivente, e que todos – inclusive e principalmente o governo – me tratam como inimigo. Já viajei bastante para saber que a realidade não precisa ser assim. Eu e minha esposa (34 anos também) estamos pensando em ter um filho, mas estamos refletindo bastante o motivo de colocar outro ser humano nessa realidade desprezível. Se tivermos um filho já estamos planejando sua “fuga”. Eu amo minha esposa, aprendi a ser feliz apesar de tudo, mas fica registrado meu desabafo. Para finalizar, fico feliz por você e por qualquer um que tenha conseguido “escapar” do Brasil.

    • RenatoAlves permalink
      24/02/2014 19:31

      Alex
      Estava me sentindo exatamente assim em 2008 quando decidi mudar para outro lugar
      Veja o que é melhor PARA VOCÊ e faça!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: