Barbara Basso
Mundo
 
 

Alguém me disse que Londres era a “capital do mundo”… eu concordo! Me disseram que Londres é frenética em seu ritmo e que suas ruas transpiram vida… tinham razão! Que o humor britânico é super sarcástico e que a cidade é cult… comprovado! Também tinham me dito que eu ia amar Londres… acertaram!
Mas quem vai a Londres pra ver o Big Ben, o London Eye e a Tower Bridge, corre o risco de não ver Londres!
Porque o melhor de Londres não são os pontos turísticos… não são as filas de japoneses se acotovelando pra tirar a melhor foto em frente ao Big Ben, não é o transtorno de turistas atravessando a Tower Bridge, não é a fila de turistas loiros, altos e de sandália esperando sua vez para subir no London Eye… até porque o Big Ben é simplesmente um relógio, a Tower Bridge nada mais é do que uma ponte e o London Eye é só uma roda-gigante gigante…
Mas ainda assim, Londres é o máximo!
A cidade é viva, movimentada… é o lugar mais diverso que já pisei… são pessoas de todos os lugares, estilos, etnias… falando todas as línguas, vestindo os mais variados tipos de roupa… são lojas de produtos de qualquer canto do mundo… quer encontrar produtos taiwaneses? Quem sabe temperos indianos? Um souvenir polonês? Quer guaraná? Um jantar num restaurante árabe? Sair pra dançar salsa? Tem tudo lá!
E como a cidade é tão variada e atende a todos os gostos, compartilho aqui a minha Londres… os meus lugares/momentos preferidos lá…
Logo no primeiro dia, entrei na que se diz “A maior livraria de livros de viagem do mundo”… são 3 andares de mapas, globos terrestres, livros de viagem, guias turísticos, livros de idiomas… quer aprender “nepali”? tailandês? Tem livro lá! E o chão do primeiro andar da livraria é um mapa-mundi gigante! Ótimo para quem gosta de viagens!
No Convent Garden um desses musicos de rua tocava violão (super bem equipado, com microfone, caixas de som, amplificador…) em frente à “Royal Opera House” (Opera Nacional) pra ganhar umas moedas… e um monte de gente estava sentado ao redor dele, cantando junto, aplaudindo… um verdadeiro show!
Notting Hill (sim, o bairro do filme) e 0 mercado de Portobello: um lugar onde tu encontra tudo e nada! São antiguidades, frutas e verduras, artesanatos, quadros e artigos inúteis em geral… e as casinhas que dão um colorido especial à feirinha.
O Camden Town é o bairro hippie… É um lugar onde se encontra feirinha de roupas hippies (muito baratas, por sinal!) e ao lado, uma loja de roupas punk… acessórios de cabaret ou de cowboys… lá foi onde vi a maior variedade de estilos (e não, ninguém se importa com o teu jeito de vestir… ninguém vai te olhar, julgar e apontar por causa do teu penteado ou a cor das tuas botas).
Outro lugar legal é Piccadilly Circus. Parar na frente da estátua que fica em frente à estação do metrô e ver todos aqueles teatros por todos os lados… os luminosos anunciando qual é a boa… as pessoas passando, conversando, o coração da cidade pulsando… O fantasma da Ópera, Mamma Mia, Priscilla a rainha do deserto… as diversas bancas de ingresso que vendem pela metade do preço e as filas de gente tentando descobrir qual o ingresso mais barato pros mais variados espetáculos… Nei Lisboa tem razão quando canta que o “mundo dá voltas às voltas de Piccadilly Circus”…
 Cansou da correria da cidade? O ritmo tá muito frenético? Não tem problema… basta entrar em um parque e achar um banco pra sentar, descansar e ver os esquilos correndo por entre as árvores… às vezes nem é preciso tanto… é só entrar em alguma ruazinha pequena e encontrar casinhas típicas inglesas e a calma de bairros residenciais (em pleno centro da cidade!)
Eu sempre gostei de cidades onde as coisas acontecem… cidades com acesso fácil a cultura… Londres ganha todas… até porque a maioria dos museus e exposições são gratis!! Em uma caminhada rápida pela National Gallery (a Galeria Nacional), dá pra ver Van Gogh, Manet e Monet… Aliás, entrar em museus em Londres pode ser a melhor saida pra uma tarde em que a chuva te pega como turista desprevenido!
Além disso, encontrei britânicos super simpáticos, dispostos a ajudar.. vi uma cena em que 2 velhinhos olhavam um mapa em uma esquina e passam 2 britânicos super solícitos:
– Hello, good morning. Do you know where you are? (Oi, bom dia. Vocês sabem onde estão? – perguntando com ares de quem tá disposto a ajudar caso eles não saibam)
– Yes, we have a very good map, thanks (Sim, temos um mapa muito bom, obrigada. – dizem os velhinhos)
– ok, so have a nice day and enjoy London (Então tenham um bom dia e aproveitem Londres)
Isso sem contar o segurança do metrô que, ao ver que a máquina de ticket não aceitava minha nota, tirou uma nota da própria carteira pra me ajudar a pagar a passagem.
Ah! E é claro, tem também os símbolos pop da cidade: o círculo vermelho com a tarja azul do metrô, a famosa voz que fala “mind the gap”, o ônibus vermelho de dois andares, a cabine de telefone vermelha, os guardinhas do palácio da rainha com a roupinha vermelha e o chapéu preto…

Se você ainda não foi a Londres, vá! Mas vá com olhos para ver além dos estereótipos e disposição para encontrar a Londres que você quiser ver!