Ana Paula Gonçalves
   Bogotá, Colômbia
 

A previsão do tempo garantiu que o domingo vai ser de sol, o brasileiro animado pensa em fazer um churrasco, mas aí lembra que não vai achar picanha como a do Brasil, que aquela churrasqueira de tijolo que antes dava vergonha no quintal de casa agora faz falta, que churrasco na grelha não é a mesma coisa… Não precisa ser gaúcho para sentir falta de uma boa carninha assada.

Em Bogotá os restaurantes que oferecem carne en la parilla não convencem, os cortes são diferentes, a cane não tem o mesmo sabor e mesmo tendo muitas as opções desse tipo de cardápio não mata a vontade.

Por aqui cada um tenta dar seu jeito e recentemente um grupo de brasileiros tem se reunido para fazer churrasco de verdade. Um dos amigos é o churrasqueiro oficial, ele tem a churrasqueira, um kit com facas e afiadores e diz que prefere escolher tudo para garantir a qualidade. A carne é punta de anca, semelhante a nossa picanha. Coraçãozinho, linguiça e coxinhas de frango, também estão na lista de compras, nada deixa a desejar.

O carvão também é fácil de encontrar, os colombianos têm tudo para fazerem um churrasco do nosso jeitinho, mas não fica igual. Até o fato de nos reunirmos para passar horas ao redor da churrasqueira, comendo aos poucos e jogando conversa fora para eles é diferente, se já comeram levantam e vão embora, nada de ficar envolvidos em atividades gastronômicas. Brasileiro gosta de unir refeição com lazer, aqui uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa completamente diferente.

E junto com a carne não pode faltar uma boa farofa, feita com farinha de mandioca trazida escondida na mala, ou aquele pacotinho de farofa pronta igualmente “contrabandeado”. No meu caso arroz branco é indispensável, mas isso é bem particular. O que falta mesmo, e não tem como trazer na mala, é o pão de trigo. Esse não achamos igual por aqui, o negócio é deixar para comer durante as férias no Brasil.

Em Bogotá só passa vontade quem quer, ou melhor, no nosso caso quem passa vontade são os vizinhos já que geralmente os churrascos são feitos nas sacadas dos apartamentos e não tem como conter a fumaça com o cheirinho de picanha que se espalha por toda a rua. E assim a gente vai adaptando a vida longe da terra brasilis.