Alessandra Mizrahi
Londres, Reino Unido

.

A população da Grã-Bretanha está crescendo duas vezes mais comparado com os outros países da comunidade europeia. Minha filha nasceu no “baby boom” (definição genérica para crianças nascidas durante uma explosão populacional).

Ter um filho num outro país que não seja o Brasil não é algo fácil de lidar. Quando seus parentes estão longe, o único vínculo afetivo definitivo passa a ser seu marido ou algum amigo brasileiro mais próximo que dividirá a emoção ao longo dos nove meses de gravidez. Ansiedade, tensão, hormônios a mil… tudo isso faz parte desse universo que eles chamam aqui de “motherhood” ( maternidade).

Quando as mães brasileiras descobrem que estão grávidas no Reino Unido, surgem inúmeras dúvidas e uma das primeiras é: ter o filho aqui ou retornar ao Brasil e ficar junto dos meus familiares nesse momento tão importante da minha vida?! Foi assim que começou meus anseios e dessa maneira acabei descobrindo a resposta que tanto esperava.

Os três primeiros meses de gravidez, enjoos, vômitos, cheiros estranhos, sono…no meio de tudo isso, a primeira coisa a fazer após confirmar sua gravidez  através  daqueles testes de farmácia, é marcar com seu “GP” (General Practitioner, ou melhor, seu médico geral). Aconselho escolher um consultório próximo da sua residência e de preferência que tenha uma ginecologista ou um médico especializado em saúde de família.

Quando for à sua médica, na primeira oportunidade, provavelmente ela não pedirá exame de sangue caso você tenha feito seu teste de farmácia. Ele é considerado 99% seguro. Você poderá ter a opção (em alguns lugares não há possibilidade de optar) de escolher entre dois ou três hospitais onde gostaria de ter seu filho.

Hoje em dia é muito importante verificar as condições de internação dos hospitais em UK.

Nesse momento começam as diferenças com o sistema brasileiro:
– Não haverá outro atendimento médico entre o primeiro e o terceiro mês de gravidez;
– Caso tenha algum sangramento o conselho do “NHS” é ir para a emergência de algum hospital;
– Você será atendida pela “midwife” (parteira) que revezará suas visitas com a sua médica;
– Você terá direito a dois “ultrasound scans” (ultrassom) durante toda a gravidez. Em alguns hospitais acontecem três;
– Você terá um caderno de anotação que te acompanhará durante toda a gravidez até o dia do “labor” (parto). O caderno ficará ao final no hospital e não será devolvido;
– A primeira visita será agendada na sua residência ao fim do terceiro mês e a sua “midwife” (normalmente elas estão num grupo de 5 ou 6) fará o primeiro atendimento Normalmente ficará com você de duas a três horas.

Uma dica legal: leia tudo que ela te der com calma, principalmente dentro do envelope que será te dado. Tem muita propaganda de empresas que fornecem free samples (“amostra gratuita”). Cadastre-se nos sites de roupas, acessórios para bebes, nos sites de “networking” (relacionamentos) para encontrar outras mães na mesma situação que você. Você terá bons descontos, poderá participar de sorteios, ganhar prêmios, tirar dúvidas. Use a internet para seu benefício.

A partir da confirmação da sua gravidez:

– Você terá direito ao primeiro benefício: “Maternity Exemption”. Ele vigorará até quando seu filho completar um ano. Você não precisará pagar por remédios e poderá ter atendimento dentário gratuito;
– Você receberá uma carta na sua residência confirmando a data do seu primeiro ultrassom com três meses;
– Seu parto será normal a não ser que sua condição física exija que seja cesárea;
– A amamentação e seus benefícios é muito divulgada por aqui. As “midwives” irão te convencer que é o melhor para seu filho e você. E realmente é!
– Alguns hospitais pedem comprovação de residência legal no Reino Unido.
– Você terá uma série de atendimentos que eles chamam de “Antenatal Appointments”. Todos são importantes! Tente comparecer em todos!

Nesse mar de novidades, você terá a chance ainda de optar entre o Brasil e o Reino Unido para ter seu filho.

Dos três meses aos seis meses de gravidez:

Os europeus costumam contar para os amigos sobre a gravidez (escondem até mesmo da própria família) após o primeiro exame de ultrassom. Nesse exame será verificado se o feto tem anormalidades, tamanho, peso, etc. É um pouco estressante aguardar o resultado. Caso exista algum problema, o médico discutirá as opções com você que terá o direito de decidir pelo que fazer.

É hora de conhecer o sexo do bebe. Fui para o Brasil, junto da minha família para dividir essa alegria com eles. Fiz 2 exames durante o mês que estive lá ( No Brasil é super comum fazer um ultrassom por mês) e pude definir minha escolha em ter minha filha no Reino Unido.

Esses foram os motivos:
– Estava sem seguro privado no Brasil;
– O sistema de saúde publico do Brasil é pior que o do Reino Unido (meu medo era basicamente: a dor do parto).

Essa fase da gravidez é a melhor. Aproveite! Encontre seus amigos, saia, vá ao cinema, mostre o barrigão.

Você deverá preencher o formulário entregue pela “midwife” e colocar no correio para ter seu direito garantido. Existem outros benefícios também. Consulte o seu livro: “The Preagnancy Book” no capítulo “Rights and Benefits”.

Quando retornei a Londres, fiz meu segundo “scan”. Esse foi para ver o desenvolvimento da minha filha. Também poderá saber o sexo do seu filho, caso queira.

Dos seis meses aos nove meses de gravidez:

Você entrou na reta final. O mais importante nessa etapa é: relaxar e ir às classes preparatórias para o parto. Eles chamam aqui de “antenatal classes”. São aulas muito bem apresentadas pelas “midwifes” sobre procedimento do parto, como amamentar e o pós na gravidez. Você terá a oportunidade de conhecer outras grávidas e inclusive visitar seu hospital. Super legal!

Também poderá fazer seu plano sobre onde pretende ter seu bebe: pode até escolher ter em casa bem como definir qual será o seu “pain relief in labor” ( método e remédio para evitar a dor de parto). Eu tive a epidural e posso garantir: Foi uma maravilha!

Ande com seu caderno de anotações em todos os lugares pois É ESSENCIAL quando precisar ir para o hospital. Não tenha medo de falar o que sente. Se precisar de fisioterapia, atendimento de psicólogo, ver um ginecologista poderá ter direito. Deixe sua malinha preparada com as suas roupas e a do bebe. Compre comidas de microondas já que não terá tempo de cozinhar pelos próximos 2 meses. Lembre-se: prepare-se bem para o momento mais importante da sua vida, pois será INESQUECÍVEL!