A famosa área da Red Light em Amsterdam está passando por uma redução nos últimos anos. Ando acompanhando pelos jornais que a prefeitura de Amsterdam não está renovando muitas licenças de aluguéis a donos de prédios (leia-se: bordéis), e permitindo assim que novos negócios se instalem. A localização da Red Light é muito nobre em Amsterdam, e o aluguel de prédios na área é cobiçado por marcas internacionais de moda (roupas e sapatos). A prefeitura já fechou mais de 200 das 420 casas bordéis. Num projeto iniciado em 2008 e que levará 10 anos, das 76 coffee shops (não confundir com brown café) 26 também terão portas fechadas. Uma floricultura e uma padaria já abriram na Warmoesstraat, no coração da Red Light. Sem esquecer de mencionar o chic restaurante Anna. A área é realmente linda, linda, linda com um comércio variado, prédios medievais e a Oude Kerk. Século XXI, as coisas mudam e uma cidade como Amsterdam está sempre em permanente transformação. A opinião geral das pessoas nos jornais que leio é que essa área de Amsterdam merece mesmo estar mais valorizada como um ponto focal de cultura e museus.

Oude Kerk gravure

Acima, a reprodução de um antiga gravura  retratando a Igreja Antiga (Oude Kerk) e arredores. Aqui tem mais. 

Abaixo, a Igreja Antiga nos dias de hoje – fica situada no início da Red Light, para quem vem caminhando a partir da Estação Central. 

Oude Kerk

No meu ponto de vista a prefeitura já percebeu que nos dias de hoje não ganha muito liberando aquela área para a prostituição. Além disso, há vários transtornos ocasionados por esse tipo de “turismo” barato. No fundo, todo mundo sabe que muitas estão ali trabalhando forçadas e isso é uma forma de escravidão humana. A imprensa sempre cita máfias búlgaras e ucranianas como responsáveis pelo tráfico.

Abaixo, um vídeo muito legal e curtinho que alerta para o tráfico de mulheres.