bz_inglaterra Rogério da Silva – Leeds, Inglaterra

Li um texto do site Revista Forum “Minha avó é magra, fashion e perfeita”, publicado no dia 02/01/2015 por Jarid Arraes. Retirando a parte política, pois o que se trata aqui é puramente da aparência da mulher e, principalmente se tratando de idosos e vendo todo esse movimento aqui de fora do Brasil, é interessante tocar nesses assuntos.  Mas é importante salientar que dispenso comentários relacionado à política, tenho também minhas opiniões quanto a isso, porém não vem ao caso aqui.

Deixando isso claro, vamos falar então sobre como eu percebo que é o dia a dia de mulheres idosas no Reino Unido, apesar que aqui a distinção é muito pouca entre homens e mulheres – Bem como nossa amiga Raquel Macagnan Silva comentou em seu Facebook – “Esse post é independente de partido político. Concordo com cada letrinha deste texto. E vivo em um país que tem um pouco mais de respeito com idosos e trata a mulher como igual ao homem.”

Baseado em minhas observações nesses últimos 14 anos de Reino Unido, sempre achei interessante o cuidado e principalmente respeito com os idosos.

Idosos No Reino Unido

Sorrisos no parque de Harrogate – Cortesia de Liliane e sua Mãe

Emprego

Quero começar por aqui pois acredito que qualquer pessoa que tenha dignidade e liberdade para se ter uma vida ativa e com meios para poder fazer o que quiser. Lembrando que estou focando em mulheres, então não fiquem na dúvida quanto a capacidade de determinados trabalhos mencionados aqui.

Há sempre uma idosa trabalhando por aqui, sem restrições. Vejo idosas trabalhando em atendimento ao cliente, na lanchonete da esquina, no caixa do supermercado, no açougue, motorista de transporte público, motorista de taxi, contadora, CEO de grandes grupos, bancárias, varredoras de rua, faxineira, apresentadora do jornal em horário nobre, apresentadora de programas de música, dança e calouros.

Não fique pensando que até mesmo grupo de trabalho não há alguém jovem que fique acanhado e indiferente perante a uma idosa, um aprendiz, ou recém saído de um colégio ou universidade, pelo contrário, trabalham juntos, aprendendo com a experiência do mais velho, respeitando os valores, e de ambas as partes, os jovens aprendem com a experiênica e os mais velhos aprendem com as modernidades tecnológicas, como iPhones e Internet.

Social

Muito bom sair e em qualquer lugar ver uma mistura de pessoas, sem alguém ficar te olhando de cima a baixo, e cochichando – “Nossa olha esse velho/a. Ou até mesmo comentários como – “De que familia esse dai é?”.

Qualquer estabelecimento público que frequentamos há algum idoso, seja ele em forma de “velhas” amigas que se reencontram sempre na quarta ou quinta feira para comer alguma coisa e tomar um vinho.

Seja ir a um pub (bar que serve comida, alguns tocam música e muitas vezes com bandas de idosos tocando os clássicos do rock), ir a um cinema, seja qual for o filme é muito comum ver idosos. Ir ao parque, à sauna, à piscina da academia (seja ela privada ou parcialmente financiada pela prefeitura).

Idosos No Reino Unido

Turma no Pub – Cortesia de Daniela Silva @danpasini

No supermercado é comum topar com um idoso estacionando o carro, fazendo compras.

Sem esquecer claro, quando fazemos nossa atividade favorita que é caminhar pelos interiores de Yorkshire e Lake Distric, sempre nos deparamos com idosos.

Há algum tempo atrás, estávamos fazendo a trilha de Hadrian’s Wall, que corta do leste ao oeste próximo da divisa da Inglaterra com Escócia, e encontramos um idoso entre seus 65-70 anos. Estava com uma mochilinha nas costas, água na mão e uma camiseta com a foto do Pão de Açucar do Rio de Janeiro, claro que eu perguntei pra ele, e me disse que viaja por todo o mundo fazendo caminhadas e que recentemente visitou o Brasil, portanto a camiseta.

Ficamos, eu e meus amigos (na época tínhamos por volta de 25 a 29 anos, entre os que estavam no grupo), adimrados da energia e disposição do senhor que nos deixou pra trás nos sobe e desce dos montes ao longo da trilha.

Benefícios

Benefícios básicos como assento prioritário em transportes públicos, descontos em locais, eventos e medicamentos. Atendimento preferencial em setores públicos e privados.

Sei que temos tudo isso no Brasil, mas a diferença aqui é a consciência, as pessoas fazem questão de ajudar um idoso a atravessar a rua, o motorista do ônibus, desce pra ajudar, coloca a rampa se necessário e claro, sempre espera, mesmo atrasado, dificil acontecer por aqui, mas acontece de dar uma atrasada, de minutos.

Aparência

Aqui as mulheres gostam de se maquear, acho que até exageradamente, mas é o jeito delas.

Elas gostam de se produzir e até comentamos que nas quintas, sextas e sábado, pode estar o frio que for, elas saem de mini-saias. Mas nem por isso vemos pessoas assoviando ou atacando a mulherada.

Na TV não se tem tanta bunda, ou tanta depravação, aliás as pessoas meio que policiam por aqui, sempre vemos comentários que uma propaganda ou um programa de TV saiu do ar por conta de reclamações, e como somos acostumados a nossa “culturalmente rica” TV brasileira, nem achamos tão depravado assim.

Sempre menciono que não há lugar perfeito, e muito menos quero instigar raiva ou disrespeito perante aos nossos conterrâneos brasileiros.  Sou brasileiro, adoro nosso país, mas se há uma coisa que me deixa muito entristecido é o fato de como somos machistas, movidos a aparência, egoístas até mesmo com nossas pessoas, familiares, amigos e parceiros. Movidos ao sexismo em qualquer aspecto que lidamos no dia a dia do cotidiano no Brasil, seja ele em situações como falar com a recepcionista, ou cafeteira, até uma partição pública, apresentadora de TV ou figura política.

Já que as tais “bolsas” estão na moda, bem poderíamos conseguir bolsas viagens para lugares diferentes para podermos perceber que há muitas outras coisas para se preocupar do que continuarmos a debater coisas banais como o de aparência de um ou de outro, principalmente se tratando de idosos, mulheres sejam elas de qualquer patamar, credo, cor ou status social.

Fiquem à vontade para me perguntar qualquer coisa sobre o Reino Unido.

*Rogério da Silva é analista de testes em tempo integral e blogueiro em horários de folga. Para saber mais sobre ele clique aqui.