Suíça

Jardins de aluguel na Suíça

bz_suica

Arlete Dotta – Suíça

A Suíça é um país pequeno (41.285 km²), um pouco menor que o estado da Paraíba (56.439 km²), com uma população de aproximadamente 7,8 milhões de habitantes (só a cidade São Paulo 19.223.897 milhões!!).

Por ser uma país pequeno, todas as casas e prédios seguem regras rígidas em relação aos metros quadrados ocupados. Apesar disso, as casas e os apartamentos não são tão pequenos assim, mas tampouco têm um espaço externo enorme (quando têm).

As pessoas que moram em casas, tem um pequeno quintal com jardim, já quem mora em apartamento tem uma varanda ou, se a pessoa mora no térreo, muitas vezes tem uma área que pode ser usada como um quintalzinho, o que seria sua a varanda.

O interessante disso tudo é que as pessoas aqui adoram cultivar plantas e quando seus pequenos espaços não são mais suficientes para o hobby, elas alugam um jardim. Isso mesmo, um pedacinho de terra (mais ou menos entre 10 e 20m²) onde eles plantam de tudo um pouco, desde frutas e verduras até flores e plantas exóticas. Esse tipo de hora ou jardim se chama Schrebergarten em alemão.

schrebergarten
schrebergarten

Para mim, no início isso foi muito curioso, afinal no Brasil tem tanto espaço que eu nunca poderia imaginar que alguém alugaria um jardim.

Neste pequeno espaço alugado, cada um ao seu modo deixa a sua marca. Muitas vezes eles constroem uma pequena casinha de madeira e aos finais de semana passam algumas horas ali com os amigos e parentes, fazem um churrasquinho, bebem a sua cerveja. Às vezes, até uma bandeira do próprio país ganha um lugarzinho lá.

Estes jardins não são alugados só por suíços, mas também por estrangeiros que vivem aqui. Eles têm diversas funções ecológicas e sociais, como aumento da qualidade de vida nas grandes cidades reduzindo o ruído, controle de poeira, conservação dos habitats e espécies, etc.

Andei pesquisando e encontrei aqui um link na Wikipedia que fala sobre isto.
Desde 2003, com o apoio de parceiros alemães e belgas, surgiu o mesmo movimento no Brasil e em algumas cidades na África, também como uma solução alternativa no combate à subnutrição.

 *Arlete Dotta, Desde 2009 vive cercada pelos Alpes, na Suíça, para saber mais sobre a autora clique aqui.

7 comentários

  1. Bem-vinda Arlete! Aqui na Itália também tem muito isso (mais comum no norte), na maioria das vezes não para ter um jardim, mas uma horta ou pomar pessoal. Mas de se encontrarem com amigos pra fazer churrasco já nunca vi não, hahah. Aqui vejo que são pequenos espaços com casinhas mesmo para os maquinários ou instrumentos para a jardinagem e nas primeiras vezes que vi para mim pareciam favelas, 😉

    1. Oi Carla,
      Obrigada, fico feliz em participar do blog.
      Quanto ao churrasco que eles fazem é bem discreto, como tudo aqui na Suíça. A churrasqueira é pequena e a gás pra não incomodar os vizinhos com a fumaça, não se fala e nem se ri muito alto.
      Quando eu visitei a Suíça pela primeira vez e vi esses jardins/hortas, pensei: “Ah, mas aqui também existem favelas”, até porque nem todos são bonitinhos como esses da foto. Um colega da África do Sul também teve a mesma impressão.

  2. Oi Arlete, bem-vinda! Olha, na Holanda há pequenas áreas onde se pode comprar uma parcelinha (acho que não se aluga…) para por um mini chalé (garden house) de madeira e fazer horta. É um jardim comunitário. O controle é grande em cima dessas parcelas: não podem ser alugadas nem o proprietário usar para outros fins do que um hobby. Alguns desses jardins comunitários são até bonitos de se ver, outros as casinhas parecem de pau a pique e uma ferida nos olhos. Como a Carla disse: parece uma mini favelinha holandesa, tem até água parada e lixo. Agora, uma coisa legal na Holanda é a política de “fechar o olho” para algumas trangressões: em alguns lugares públicos (por exemplo: canteiros em pátios internos de conjuntos habitacionais) os moradores fazem informalmente uma horta ou plantas fores sem o cosnentimento da prefeitura (que não manda arrancar tudo mas tolera o plantio ao menos durante um período de anos devido à “gedoogbeleid” ou “gedoogpolitiek” – tolerância nas transgressões leves).

    1. Oi Ana,
      Obrigada. Espero poder contribuir com outros textos.
      Eu me lembro que li um post seu sobre as pessoas que ficam plantando pela cidade e que os policiais fazem “vista grossa”. Ainda bem 🙂

  3. olá, Arlete, benvinda mesmo!

    muito curioso notar que alguns hábitos existem num lado do oceano, mas não no outro, né? por exemplo, a partir do teu post, fiquei sabendo que também na Itália e na Holanda o que pensei ser um traço belga, não é bem assim.

    aqui, os ‘volkstuin’ (jardim do povo) costumam ser alugados por muito tempo, e, pelo que sei, são usados sobretudo como pequenas hortas. Não sendo tão pequenininha quanto a Suiça, a Bélgica pode se dar ‘ao luxo’ de alugar terrenos maiores que os que você mencionou. Uma eventual casinha – pode ser tipo pré-fabricada – também costuma ser instalada, geralmente como depósito de ferramentas, mas também pode acontecer de gente alugar o jardim e passar a morar lá. Confesso não saber que tipo de leis regulam isto.

    ficarei muito contente em ler mais posts teus, de preferência com alguma foto tua também; tá?

  4. Oi Touché
    Obrigada pelas boas-vindas.
    A gente fica sabendo muitas coisas curiosas através dos posts, né? Eu também não podia imaginar que na Bélgica as pessoas podiam até morar nesses jardins.
    Isso é o que eu acho incrível na Europa. Os países são tão próximos uns dos outros e com várias semelhanças, mas ao mesmo tempo, com tantas diferenças.
    Um abraço

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: