bz_india

Juliana Paula – Índia

 

Esta aí é uma das perguntas que mais me fazem. Bem, posso dizer que não existe um código de vestimenta como na Arábia Saudita, por exemplo, onde todas, incluindo as estrangeiras, devem andar com suas abayas, niqab e tudo que tem direito. Aqui, não temos em um âmbito nacional, mas temos em âmbito regional, sim.

Um bom exemplo disso é o jeans. O jeans, apesar de ser uma das vestimentas mais banais no Ocidente, aqui na Índia é ainda considerado super sexy. Em muitos lugares, não é bem visto mesmo e só é usado por meninas solteiras. Casadas, nem pensar. Quando me mudei para a Índia e morava no interior do país, minhas vizinhas sempre me perguntavam porque eu sempre andava de jeans. Eu nunca tinha parado para divagar sobre isso. Na época, eu quase não tinha nenhuma roupa indiana. Então, quando saía, usava o jeans e uma bata compridinha. Minha sogra, então, deu inúmeras broncas no meu esposo e sempre torcia o nariz toda vez que eu aparecia lá de jeans. Para o pessoal mais conservador, temos a seguinte fórmula: mulher solteira = jeans x mulher casada = roupa tradicional indiana. Sendo assim, para evitar os olhares de reprovação e comentários alheios, eu comecei a usar roupas indianas e realmente confesso que elas são o que há de mais confortável neste mundo. Tanto que quase não uso calça jeans hoje.

20150228_112640 sem jeans na India

Depois disso, nos mudamos para Mumbai, a capital de Bollywood, a cidade que lança as tendências e tudo mais. Aqui, é bem comum ver meninas de calça jeans com uma túnica, exatamente do jeito que eu fazia antes. Em Mumbai, até comprei um par de calças jeans, mas não costumo usar tanto como usava no Brasil e no Japão.

As indianas de classe média para cima, sempre procuram se vestir com roupas ocidentais, algumas vezes, até exagerando e esquecendo o lugar onde estão. E, claro chamando a atenção por onde passam. Pescoços masculinos se esticam para vê-las com suas minissaias, com suas calças coladas e vestidinhos esvoaçantes, enquanto as mulheres mais velhas e tradicionais torcem o nariz para toda essa ocidentalização. Ou seja: Não há um código, mas há sim, ainda um pensamento bastante conservador em relação à vestimenta da mulher. Sim, que me matem as feministas de plantão, mas a coisa aperta mesmo é para as mulheres aqui. Os homens, eu diria que podem quase tudo aqui na Índia.

20141225_150442

Acho que este mesmo cuidado deve ser tomado pelas turistas que vêm visitar a Índia. Não quer dizer que você não possa usar seu shortinho e mostrar suas pernocas, mas aqui, vale o bom senso. Para 99,9% dos indianos, mulher que mostra o corpo está pedindo para ser assediada e é um convite aos mais assanhados. O shortinho que você usa no Brasil e não chama a atenção de nenhum cara na rua, vai causar um rebuliço aqui na Índia, já que os indianos estão bem menos ou quase nada acostumados a estímulos visuais. Qualquer coisa deste nível já deixa o cara subindo pelas paredes. Não precisa comprar uma burka, mas basta usar uma túnica que vá até o joelho ou na altura das coxas e combinar com um jeans. Ou, uma túnica indiana com o salwar (aquela calça largona indiana), super confortável, diga-se de passagem.

Aliás, eles ficam muito felizes e orgulhosos quando vêem uma estrangeira vestindo alguma roupa indiana. E, convenhamos: as roupas indianas são lindas demais, né?

20141126_152329

20150228_101716

As regras de vestimenta na Índia são mais explícitas para visitar lugares religiosos. Em templos e mesquitas, é sempre bom cobrir a cabeça ao entrar no recinto. Alguns templos também proíbem a entrada de pessoas vestidas de preto ou carregando qualquer material feito de couro. Já outros, como no Sul da Índia, apenas permitem que entrem nulheres trajando saree e homens com suas kurtas ou outro tipo de roupa indiana. Mas, fora isso, basta seguir as regrinhas que expliquei, que o resto é só aproveitar sua viagem e viver o que a Índia tem de melhor.

Um abraço e boa viagem!

Juliana Paula mora na Índia desde 2013 e desde então, tem desbravado aquele belo e encantador país. Para saber mais sobre ela clique aqui.