Respondendo sem delongas: por uma questão de so-bre-vi-vên-ci-a. E porque o nível da escolaridade (pública e universal) é alta. 

Um país pequenininho. Tirando um bolsão de gás no subsolo do norte do país, sem matéria prima nenhuma, nenhuma… Que por toda lógica e probabilidade já deveria ter desaparecido há muitos séculos. Só umas tribos batavas e celtas ocupavam o terreno  praticando a pesca e pastoreio. Mais tarde nenhum alemão por mais bárbaro que fosse queria ocupar após as invasões e massacres um terreno tão alagado e insalubre…  Que sofreu 80 anos de domínio espanhol, seguido de domínio francês (Napoleão “deu” a Holanda para ser governada pro seu irmão que acabou sendo adorado pelos holandeses). Por fim se libertou do domínio estrangeiro estabelecendo uma casa real proveniente da obscura cidade de Orange, na… França ! Espremido entre potências (Inglaterra, França e Alemanha), o povo holandês sempre teve que saber  “lidar” para o pior ou melhor com seus vizinhos, de fronteira terrestre ou ultramar. Comunicar-se com eles.

O domínio de inglês (e francês e alemão) é portanto arma indispensável para a sobrevivência do povo holandês. Não há contradição nenhuma nisso. A língua holandesa é protegida como um tesouro. Qualquer best seller quando traduzido para uma língua estrangeira, será muito provavelmente traduzido primeiramente para o holandês. Há inclusive livros que são sucesso no país de origem e quando traduzidos para o exterior só são traduzidos em holandês. Ou seja: o mercado editorial da Holanda é poderoso. As bibliotecas públicas são fantásticas e crianças até 18 anos tem passe gratuito.

Os holandeses por não terem matérias-primas próprias aprenderam muito cedo a comercializar. Vivem num delta, e deltas sempre foram área ricas do planeta. É navio que chega, é navio que sai. Rotterdam é o maior porto da Europa e até alguns anos atrás era o maior do planeta (foi superado pelos portos chineses). Devido à essa tradição de depender de trocas internacionais, a Holanda tem diversas multinacionais em diversos setores. Como consequência muitos estrangeiros se estabelecem no país, e o povo holandês precisa estar bem treinado desde a tenra idade a:

1) Comunicar-se para comandar esse povo todo (pense em: ter traduções de documentos legais e contratos disponíveis na língua franca: o inglês. Afinal, os estrangeiros vão precisar alugar casas, assinar contratos de trabalho, etc.. ).

2) Poder ir para o exterior e trabalhar em posições de comando (as multinacionais criadas aqui sempre enviam seus funcionários holandeses dos mais altos postos para o exterior, quase nunca os estrangeiros).

3) Se aprendem inglês, francês e alemão desde a tenra idade já estão capacitados para competir no mercado de trabalho com a população da França e países francófonos, anglo-saxões (AU, NZ, EUA, Reino Unido, Canadá),  na Alemanha, etc.

Há que se ressaltar que o inglês ensinado nas escolas holandesas é em parte feito de forma lúdica, com vídeos, joguinhos, etc. É um aprendizado concentrado em adquirir rapidez, entendimento e fluência (pronunciar bem, mas não ter precisão gramatical). No Brasil, na América Latina em geral e também na Espanha o inglês é aprendido através de livros, de forma maçante. A pessoa domina o uso dos auxiliares, memoriza verbos regulares e irregulares… mas tem dificuldade para abrir a boca. E quando fala inglês, fala com sotaque muito forte. O ensino do inglês para os holandeses é muito eficiente, eles falam com riqueza vocabular, bem pouco acento holandês, mas tem uma gramática manca (proque não “perdem” anos e anos na escola aprendendo gramática nem há “cursinhos” de inglês por aqui.)

Por uma questão de sobrevivência, vários artistas holandeses estabelecem uma carreira no exterior. A artista Helen ten Damme já cantou a atuou na Alemanha em alemão, veja aqui esse vídeo lindo. A atriz-editora-apresentadora Linda de Mol apresentou um programa de TV na Alemanha durante os anos 90, veja aqui. Dois personagens do “Game of  Thrones” (Daario Naharis e Melissandre) são holandeses e falam em perfeito inglês britânico: Carice van Houten e Michiel Huisman. Foram “pescados” na Holanda para o casting. O legal é que a Carice já atuou com o Tom Cruise com belo sotaque americano, sem nunca ter morado nos EUA.

Melis Dario

Atriz Carice van Houten como “Melissandre” e ator Michiel Huisman como “Daario Naharis”

Durante o Eurovision a Holanda envia todos os anos cantores cantando em inglês, diferentemente de outros países cujos representantes  cantam geralmente na própria língua, principalmente os espanhóis, russos, italianos e franceses. Os holandeses pensam que tem mais chances de ganhar (ou ao menos obter uma melhor qualificação – chamar mais atenção) se tiverem uma performance em inglês. Tiraram segundo lugar ano passado com a Ilse e o Waylon (ele vive cantando no interiorzão dos EUA) com “The calm after the storm”, veja abaixo.

A lista de hits de artistas holandeses em inglês na estória dos EUA é longa (ver aqui). O “The Cats” foi um grupo de Volendam que teve vários sucessos nso anos 60-70 e 80 cantando em inglês (até vir morar na Holanda sempre pensei que eles eram ingleses). Hoje me dia temos a Anouk que canta regularmente nos EUA e praticamente só escreve e canta em inglês com um incrível sotaque americano (viveu a vida toda na Holanda). Os americanos e holandeses não sabem explicar de onde ela tirou esse sotaque americano (nem ela mesmo sabe explicar – bons ouvidos, acho 🙂 Procure por “Girl” da Anouk nou Youtube ou “It’s so hard”. Vou te contar, essas Dutch babes são cool e  sabem se passar por americanas para vencer no mercado de língua inglesa hein?

A Ilse de Lange é uma cantora holandesa que nasceu no interior do país. Começou a carreira em Nashville (EUA) cantando em inglês e recentemente estabeleceu o grupo The Common Linnets. Na TV holandesa ela fala, age e canta como holandesa: alegre e energética, de batom vermelhão. Rock chick. Fora da Holanda se passa por perfeita americana do interior, uma caipira sensível, sweet e melancólica. Country / americana / bluegrass singer.

Ilse rood Ilse americana

Sexy Dutch Ilse x American Ms. De Lange… qual sua versão favorita ?

Abaixo, The Common Linnets cantando um dos hits de Wayward Pines (Fox): “We don’t make the wind blow”. A Ilse escreveu vários números para o soundtrack da série recém lançada (recomendo os livros, apesar dos sérios buracos na trama. Já tenho minhas cópias vol. II e III em holandês para terminar nas férias do Brasil uhuu !!)  e antes do início de cada episódio do Wayward Pines no Benelux vemos vários clips do Common Linnets para a série gravados nos estúdios americanos.