Skip to content

Ijime – Japão, o país do bullying (parte 2)

02/12/2015

japão W. Anderson – Japão

A prática do bullying começa a tomar campanha em todas as camadas da sociedade - (by )

A prática do bullying começa a tomar campanha em todas as camadas da sociedade 

As ofensas são apenas uma das muitíssimas formas de bullying que acontece aqui no Japão. Há casos mais graves, de agressões físicas, extorsões de dinheiro e bens duráveis (com roupas, videogames e cartuchos de jogos), até mesmo bicicletas.

Em 2012, uma família de brasileiros, que moravam na província de Shizuoka-ken, relatou alguns anos atrás, que sua filha sofrera bullying de forma muito cruel. Garotas da mesma turma, ao final do dia, impediam a menina de ir ao banheiro, obrigando a urinar na própria roupa, sendo obrigada a ir embora, toda molhada.

Em janeiro de 2013, uma família japonesa, relatou que seu filho era destaque no time de basebol, por essa razão, alunos que não conseguiram lugar no time, começaram a perseguir o garoto na volta da escola para casa, dando ponta pés, batendo na cabeça e chegando a arrastá-lo pelo chão. O garoto, não retornou para a escola após as férias de verão e suicidou-se após um mês.

Recentemente, outra família de brasileiros, entrou com processo judicial contra a escola e o professor (1), exigindo uma indenização de ¥ 1,700,000 (considerada baixa por mim), sob justificativa de que houve necessidade de mudar de cidade para que a garota pudesse estudar.

Recentemente, assisti na tv que um garoto se jogou na frente de um trem na província de Iwate (2). A polícia localizou dentro do quarto do garoto um bilhete de suicídio, justificando que não conseguia suportar tanto “ijime”, que era melhor morrer do que voltar para a escola. Escreveu em sua despedida que já sabia de um lugar “bom pra morrer”.

Na cidade de Tosu-shi, uma família acionou processo contra a prefeitura, escola, professores e um grupo de alunos, pedindo ¥ 128,000,000 de indenização, alegando que ninguém tomou nenhuma atitude para evitar o transtorno de estresse pós traumático, de um garoto de 12 anos. O grupo que fazia bullying, chegou a extorquir ¥ 1,000,000 em dinheiro, segundo a emissora de tv TBS.

Em Nagoya, um outro garoto de 12 anos também, se jogou na frente do vagão do metrô em Nagoya (3). Após breve investigação, descobriu-se que mais de 20 pessoas tinham conhecimento do bullying contra o garoto.

Todo dia 1º de setembro, as escolas retomam as aulas após as férias de verão, data em que muitas notícias de suicídio se torna pública, pois para quem sofre o bullying, retornar às aulas é muito difícil e, data também, que a evasão escolar apresenta seus primeiros números.

Diversas esfera de governos estão desenvolvendo campanhas para coibir o bullying - (by Mitoyo City Education Center)

Diversas esferas de governos estão desenvolvendo campanhas para coibir o bullying – (by Mitoyo City Education Center)

Ao que percebi, a maioria das escolas tendiam a abafar o caso, muitas vezes, não tomando medidas eficazes, muitas vezes, induzindo que a culpa pudesse ser da vítima e não do(s) agressor(es). Acredito que isso aconteça apenas por um resquício da cultura feudal, onde muito vassalo tentava virar suserano vencendo alguém mais fraco.

Hoje, com a enorme repercussão negativa que o país vem tomando, principalmente visando as Olimpíadas de 2020, o Governo Federal vem massivamente orientando governos municipais a coibir e eliminar a prática do bullying. Algumas poucas escolas, já mostram sucesso neste programa, que ainda está no começo, retomando a evasão escolar que por muito tempo, foi tristemente ignorada e varrida para “baixo do tapete”.

- (by )

Empresas também participam de campanhas para coibir o bullying – (by  Suzuki Co. Ltd.)

Referências:

(1) Revista Alternativa

(2) Jornal Mainichi Shinbun

(3) Jornal Mainichi Shinbun

________________

W. Anderson é engenheiro elétrico e mora com a família há 11 anos no Japão. Para saber mais sobre ele clique aqui

Vejam fotos dele e de outros autores no perfil do BZ no Instagram. E sigam nossa página no Facebook acessando aqui.

6 Comentários leave one →
  1. Ana cecilia permalink
    02/12/2015 12:20

    Como são auto exigentes, buscando sempre a perfeição, isso vira um prato cheio!
    Acho q acontece em qq lugar, é do ser humano fazer o bem e o mal ao próximo.
    Nem o Japão é perfeito!

    • 02/12/2015 21:30

      O errado é sempre errado, mesmo que todos façam.
      O certo é sempre certo, mesmo que ninguém faça.

  2. Paul permalink
    02/12/2015 14:34

    It is a shame that the government is only taking action “principalmente visando as Olimpíadas de 2020”. Doing the right thing should happen just because it is the right thing, not because the world spotlight will be on Japan and they might be embarrased.

    • 02/12/2015 21:37

      I agree perfectly. The actions to solve the problems must happen because of humanitarian issues, and never because something will show up on TV around the world.

  3. David permalink
    02/12/2015 16:09

    Uma forma muito eficaz de acabar seria colocar cameras nas escolas. Uma vez que o aluno ou qualquer sabe que esta sendo filmado a situação muda para melhor. Quando existe um sistema que não pune os agressores, a agressão tende a aumentar.

    As crianças sabem o que é o certo e o que é errado. Tanto é que elas praticam o buling escondidas dos professores e de qualquer outro adulto.

    • 02/12/2015 21:29

      As câmeras já existem, mas como a maiorias das coisas erradas, acontecem sempre nos chamados “pontos cegos”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: