japão W. Anderson – Japão

E se fosse com você?

E se fosse com você? – (by Sweet Rock’n Roll Home Page)

Eu queria poder encerrar esta série neste post, mas o assunto é extenso e acredito eu, existe em muitos países. De uma maneira ou de outra, a dificuldade de lidar com este problema acontece com todos, seja nativo ou estrangeiro. Em outros posts, irei abordar o tema sempre que houver algum destaque.

O bullying sofrido por muitas crianças brasileiras, que acompanhando seus pais em morar aqui, fez surgir uma grande quantidade de escolas brasileiras em todo Japão. Até a crise de 2008, era comum inaugurar uma nova escola brasileira, ou de forma independente ou associada à alguma metodologia de ensino reconhecido no Brasil. A maioria no entanto, (somente uma única obteve reconhecimento do governo japonês antes da crise) não tinha sequer reconhecimento do próprio governo brasileiro e nem mesmo do governo japonês.

Com a crise de 2008, muitas dessas escolas simplesmente fecharam as portas. Alunos ficaram sem seus históricos escolares. Outros, ao voltarem para o Brasil, tinham dificuldade em validar seus documentos escolares, justamente por falta de serem reconhecidas.

Outro problema com as escolas brasileiras, era o quesito atividade. As crianças tinham atividade pedagógica pela manhã e “lúdica” na parte da tarde. Ou vice-versa. Geralmente por um preço muito mais alto do que a escola japonesa. Mas como todos recebiam salários altos, pagar uma escola brasileira não era tão difícil.

As escolas japonesas desenvolvem atividades pedagógicas em período integral.

Com o fechamento de muitas escolas brasileiras e/ou com a perda do emprego em decorrência da crise de 2008, muitas crianças foram obrigadas a ingressar na escola japonesa, voltando ao risco do bullying que anteriormente, ajudou a criar o nicho das escolas brasileiras.

No Japão as coisas são muito antigas. Eles consideram (instintivamente) que se é mais fácil esconder um problema, do que evitar que aconteça novamente, justamente porque preferem não mudar regras e conceitos previamente definidos e por longa data assim executado. Isso dificulta muito que mudanças sejam realizadas, sejam em leis e costumes, sob pena, caso algo dê errado, alguém precisará ser responsabilizado. Um jogo de empurra-empurra ou simples omissão.

Já comentei aqui, que talvez o regime feudal ainda possua algumas seqüelas na sociedade. É comum um japonês entrar numa empresa e sair apenas depois de se aposentar. Durante esse tempo todo, ela simplesmente se acomoda e ignora até mesmo o bullying que sofre. Essa característica de submissão entre vassalos e suseranos, desenvolveu-se também em relação à submissão da vitima em não denunciar o bullying. Pior, por muito tempo, tratou-se o suicídio como algo natural, tudo apenas para não manchar a reputação dos demais, carregando para si, a pseudo culpa.

Talvez o Japão esteja “acordando tarde demais” para esse problema. Mas melhor agora do que nunca.

E você, já sofreu algum bullying? Relate nos comentários sua experiência.

É necessário parar com o bullying!

É necessário parar com o bullying! (by Sweet Rock’n Roll Home Page)

________________

W. Anderson é engenheiro elétrico e mora com a família há 11 anos no Japão. Para saber mais sobre ele clique aqui

Vejam fotos dele e de outros autores no perfil do BZ no Instagram. E sigam nossa página no Facebook acessando aqui.