Skip to content

Berlim, a cidade mais legal do mundo !

25/01/2016

bz_alemanha Cris Schlup – Alemanha

Eu sempre morei em cidades grandes, ou pelo menos de médio porte. Nunca soube o que era viver em cidade com menos de 300.000 habitantes; e confesso, sou uma entusiasta dos prazeres da vida urbana. Tenho verdadeiro fascínio pela multiculturalidade, a arquitetura urbana e seus arranha-céus, a vida non-stop e o caos das metrópoles. Gosto da intensidade com que a vida acontece nas grandes cidades. Atualmente vivo em uma “dorf” – palavra alemã que significa “vila” ou “aldeia/povoado”  – de 6.000 habitantes, no gelado norte da Alemanha, em um estado pouco populoso para os parâmetros alemães, e que pertencia à antiga Alemanha Oriental. Conto, a seguir, como cheguei aqui.

Nasci e vivi minha adolescência em Blumenau, fui morar e estudar em Florianópolis, me mudei para São Paulo – cidade que passei a amar intensamente – e voltei a Florianópolis. Fiz tudo como manda o figurino: fui para a faculdade, me formei, casei e comecei a trabalhar. Meu marido e eu vivíamos relativamente bem em Florianópolis, tínhamos emprego, carros, amigos, tudo que se pode desejar para um convencional e regrado cotidiano a dois. Mas os dias e os anos se passavam e junto veio uma certa insatisfação, para nós dois… Não demorou a finalmente nos questionarmos: “Por que deveríamos nos contentar com o tradicional? Afinal, é aquilo que tantos de nós almejam e pelo que batalham na vida!” Senti que aquilo para o qual a maioria de nós é criado, é abraçado frequentemente sem nenhum sentimento de questionamento. Aquela vida convencional que estávamos levando não era mais estimulante ou apaixonante. Aliado a isso, pesavam vários fatores estruturais do ambiente que nos cercava, queixas comuns de muitos brasileiros.

Devo confessar que, desde adolescente, quando fazia curso de inglês na Cultura Inglesa (que ao menos na época em que cursei, inseria intensivamente o contexto histórico e cultural da Grã-Bretanha nas aulas), comecei a sentir um desejo muito grande de morar no exterior, mais precisamente, sonhava com Londres e a Inglaterra. Passava tardes e tardes livres ouvindo e cantando junto as músicas dos meus artistas britânicos favoritos, encantada com o “british accent” e desejando cada vez mais que invernos gelados e Natal com neve fizessem parte da minha vida. Mas o vestibular se aproximou, a faculdade chegou e o sonho adolescente tornou-se uma memória latente (Opa! Até rimou…). Ao menos até a rotina convencional começar a nos sufocar com a monotonia e não nos sentirmos mais bem com onde vivíamos. Mas agora o sonho adolescente não era mais plausível (e provavelmente nunca foi), éramos dois adultos responsáveis, formados e com profissões.

Eu tinha um emprego “meia-boca”, já andava desestimulada com minha profissão e pensando em alternativas para a minha carreira. Mas meu marido tinha um emprego público concursado, leia-se a tão sonhada e por muitos disputada estabilidade! Ambos investimos anos e anos no estudo da medicina – e nela queríamos permanecer. Mas como se faz para ser médico no exterior? Quem está disposto a aceitar dois médicos brasileiros por aí afora? Como vou conversar com pacientes em outra língua? Foram os questionamentos e ponto de partida. Segundo a minha breve pesquisa no Google, a Inglaterra não parecia muito interessada em novos médicos estrangeiros 5 anos atrás, época que demos início ao nosso projeto de mudança. Mas a Alemanha sim. Inclusive eu já tinha alguns colegas de profissão que haviam seguido este caminho e seus relatos eram animadores.

BLOG Cris Ilha dos Museus em Berlim

Ilha dos museus (Museuminsel), Berlim –  via @cris_schlup 

Mas e o idioma?! Ironicamente, eu que nasci e vivi em Blumenau, colônia alemã e terra da maior Oktoberfest fora da Alemanha, de gente fascinada por tradições germânicas (mesmo que adaptadas e misturadas ao contexto local), e que além disso tenho ascendência familiar alemã… não falava um „oi“ em alemão! Meu marido e eu começamos a passos lentos um curso de alemão. Decidi fazer uma viagem de turismo à Alemanha, ao menos para conhecer e ter uma ideia se era realmente algo que poderia me interessar. Interessou. Voltei para o Brasil disposta a intensificar o estudo de alemão. Quem diria, uma blumenauense “desnaturada” que nunca havia se interessado realmente por tradições ou língua alemã, agora estava lutando para falar alemão fluente e ter um trabalho na Alemanha. E tudo isso aconteceu. Bastou que os objetivos fossem desafios estimulantes que nos levariam a uma nova vida do outro lado do oceano. Aquele idioma, que de início fazia com que as palavras parecessem “palavrões”, hoje soa natural, faz parte até de sonhos nítidos de noites bem dormidas e sonhadas.

BLOG BErlim via Cris

Berlim sob a a neve, via @cris_schlup

Hoje faz 3 anos que vivo perto de Berlim, e a vida na “dorf” pode ser mais desafiadora do que se imagina quando se é estrangeiro. Para alguém acostumada a respirar pó de asfalto, ir jogar pão para os patos do lago nas horas vagas era novidade! Entender os costumes e o estilo de vida de um povo que até quase 30 anos atrás pertencia a um outro país separado e que da noite para o dia voltou a pertencer ao seu antigo grande país é surrealmente interessante. É viver a continuação da história que vimos na televisão (para aqueles que já entendiam as notícias no final dos anos 80!) e nos livros de história.

BLOG Cris Plaum am See

Acima e abaixo: Plau am See

BLOG Cris Plaum am See2

Mas o que mais me encanta, é a sorte que tenho de morar perto de Berlim. Ah, Berlim… às vezes não sei nem quantos adjetivos posso usar para descrever Berlim, as palavras certamente acabariam antes que eu pudesse transmitir o quão fantástica essa cidade é. Berlim transpira história, arte, multiculturalidade e criatividade. Berlim contém em seus prédios, esquinas e praças a história recente não apenas de um país, mas da humanidade e de tantos momentos que mudaram o mundo. No intervalo de um século, Berlim passou por duas guerras mundiais, duas unificações de país, Guerra Fria, construção e queda do Muro. Ver o muro ao vivo e em concreto é muito mais chocante do que os fatos que conhecemos pela história. Andar pelas ruas da cidade e em qualquer canto se deparar com um resquício do antigo muro desperta na hora o sentimento de incompreensão; como pode um muro ter dividido toda uma cidade e por fim, o mundo?

BLOG Cris mini bio

Pelas ruas de Berlim, história viva a cada passo dado…

Simplesmente surreal, no entanto extremamente real, é a história viva. Eu agora conheço pessoas que estavam lá quando o muro, da noite para o dia, veio abaixo. Ouvir seus relatos é emocionante, muito mais intenso que qualquer imagem acompanhada pela TV! Berlim carrega tristes memórias de guerra e separação. Mas Berlim é também superação e renovação. É uma cidade dinâmica, um caldeirão cultural que inspira criatividade e transmite um clima de leveza. Há tempos que os mais diversos artistas, como o genial David Bowie, são atraídos a Berlim, que acabou por se tornar a capital criativa e cultural européia. Berlim é o lugar para se estar, ou „THE Place to be“, como dizem as campanhas de turismo da cidade – e eu não poderia concordar mais!

Espero nos próximos relatos, mostrar pouco a pouco aos leitores do BZ os cantinhos que gosto em Berlim e mais fatos legais desta que, para mim, é a cidade mais legal do mundo!

(Todas as fotos desse post são do arquivo pessoal da própria autora)

_____

Cristiane Schlup é de Blumenau, médica e vive com o marido brasileiro na Alemanha desde 2013. Para saber mais sobre ela acesse a mini-bio clicando aqui.  Esse é o primeiro post dela na bloglândia  – Vamos dar as boas-vindas `a Cris nos comentários, gente! Para atualizações, sigam-nos no Instagram, Facebook e Twitter

23 Comentários leave one →
  1. 25/01/2016 9:35

    Seja bem vinda ao BZ. 😉

  2. André Fernandes permalink
    25/01/2016 9:37

    Oi Cristiane, também sou catarinense, de Tubarão. Berlim é definitivamente uma das cidades onde eu quero morar. Não quis nem saber de conhecer outras cidades na Alemanha quando pisei em Berlim.

    • 25/01/2016 11:30

      Oi André! Verdade, Berlim é mesmo o máximo, conheco várias outras cidades, mas Berlim continua sendo minha cidade preferida na Alemanha. Me sinto uma pessoa de sorte de morar tao perto!

  3. Arlete Dotta permalink
    25/01/2016 12:47

    Oi Cristiane, assim como vc, ouvi muitas vezes atenta o relato de pessoas que viveram lá na época do muro. Pra mim era surreal estar diante de pessoas que viveram uma parte da história que eu só conhecia dos livros. Não quero ignorar toda a dureza da história alemã e todo o sofrimento que o povo lá passou, mas é realmente fantástico estar diante de tantos fatos históricos.
    Adoro a cidade! Confesso porém que Berlim é grande demais pra mim. Apesar de ter nascido e vivido por 30 anos em São Paulo, estou feliz em viver na pacata Zurique, cercada por montanhas e tranquilidade.
    Mesmo assim, acho que Berlim é uma cidade que dá pra voltar muitas vezes.
    Seja bem-vinda ao blog!

    • 26/01/2016 9:34

      Oi Arlete! Muito obrigada, estou bem feliz em fazer parte do BZ! Realmente, a sensacao é como você descreveu, surreal ver a história que aprendemos tao viva e dinâmica diante de nossos olhos!
      Eu tive a oportunidade de conhecer Zurique há pouco mais de um ano e me encantei pela cidade! Linda, tranquila e tem um tamanho ótimo! Bela escolha que você fez!
      Abracos!

  4. Ana Clara permalink
    25/01/2016 12:59

    Olá Cristiane, amei sua história, parabéns pela iniciativa e coragem. ..
    Ana Clara

  5. 25/01/2016 13:09

    Bem-vinda ao blog Cris! Te conhecer foi uma grata surpresa.

  6. Marlí Laschewitz Radloff permalink
    25/01/2016 17:49

    Parabéns Cris querida !!! Saúde e muito sucesso pra vc e seu Daniel !!!!! Abracos !!!

  7. REGINA permalink
    25/01/2016 20:33

    OI CRISTIANE ASSIM COMO VOCE,TAMBEM CONHECO BERLIM E HA COMO AMO ESSA CIDADE TENHO FILHO MORANDO AI JA FUI VARIAS VESES E A CADA VIAGEM A BERLIM ,FICO FACINADA POR TUDO PENA QUE NAO TENHO MAIS 20 OU 30 ANOS SENAO ,NAO PENSARIA 2 X PARA TBM TOMAR ESSA DECISAO

    • 26/01/2016 9:30

      Oi Regina! Obrigada pelo seu comentário! Realmente Berlim é fascinante. Nao importa quantas vezes já fomos a Berlim, sempre queremos voltar! Tudo de bom para você e seu filho! Abracos!

  8. edvanfleury permalink
    26/01/2016 9:34

    Deve ser todo mundo e tudo muito lindo aí. Meu sonho de consumo morar aí.

  9. 26/01/2016 12:27

    O que mais gostei em Berlim, foi de estar presente onde a história aconteceu.
    A primeira vez, foi em 1987, quando ainda existia Berlim Ocidental e Oriental. Estive nas “duas”. Mas quando retornei à Berlim unificada, parecia que eu havia nascido ali. Adorei por demais. Pena que era apenas um passeio.

    • 27/01/2016 17:32

      Que legal, você conheceu a Berlim dividida! Deve ter sido uma experiência e tanto! Eu só conheço a Berlim unificada e concordo que é uma cidade que você no mesmo momento já se sente em casa!

  10. Ruth Mari Gil Hartmann permalink
    27/01/2016 11:51

    Linda história, me senti passeado por aí..,…….

  11. Janaina Corrêa Ristow permalink
    29/01/2016 2:38

    Uma história de vida linda e de sucesso! Parabéns! Desejo que meus filhos se realizem na vida, assim como você. Beijos!

    • 03/02/2016 13:28

      Obrigada, Janaina! Tenho certeza que eles têm e terao uma vida maravilhosa, com pais incríveis como vocês, nao seria diferente!

  12. Daniel permalink
    05/03/2016 11:26

    Gostoso voltar no teu texto e lembrar de tudo o que passamos para chegar até aqui. Lê-lo só me dá a certeza de que tudo valeu a pena

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: