Skip to content

Europeu é antipático?

27/01/2016

Edu – A Coruña, Espanha
.

 

Uma das coisas que você aprende quando vive no exterior é que “generalizar” é uma burrice.

Quando uma pessoa (de qualquer país do mundo) não possui uma experiência de vida fora de seu “habitat” natural, é normal que comece a ter preconceitos por pessoas de outros bairros, de outras cidades, e claro, de outros países. E isso leva a generalizar. Para não cair nesse erro é importante adquirir experiência de “estrada” para derrubar certos mitos.

Nem todo brasileiro é simpático, nem todo europeu é frio, nem todo carioca gosta de praia, nem todo baiano gosta de Axé. Mas é evidente que existe uma tendência cultural que leva uma grande parcela da população a se comportar de uma maneira uniforme.

Queria derrubar aqui o mito de que europeu é “antipático”.

Em todos estes anos morando na Espanha fui desenvolvendo laços de amizade com muitas pessoas. No trabalho, falo com fornecedores, com clientes e me relaciono com meus colegas de escritório. Fora do trabalho, falo com a padeira, com o açougueiro, vou à livraria, etc.. Em todo este universo de pessoas, encontrei várias antipáticas, mas no Brasil também conheci muita gente assim. A antipatia não tem uma nacionalidade, ela faz parte do caráter de certas pessoas, independente de sua cultura.

No caso da afirmação “o europeu é antipático”, acho que confundimos antipatia com discrição. E a explicação é simples:

Acho que nós brasileiros estamos mal acostumados porque no Brasil qualquer coisa é motivo para ganhar aquele abraço e para ganhar um beijão. Não acho isso errado, adoro receber abraços e beijos e neste ponto gosto mais do caráter brasileiro. Mas aí, quando você chega à Europa ou USA, você espera por um abraço ou um beijo ou um sorriso e não recebe, aí já taxa a pessoa de antipática. Mas não é isso. Aqui não há essa cultura de “pele”, e talvez isso nos deixe um pouco chocados.

As pessoas na Europa se sentem muito sem graça de dar um beijo por qualquer razão. Principalmente se não existe certa intimidade. Talvez porque o beijo e o abraço não signifiquem necessariamente que a pessoa goste de você. As pessoas mostram seu carinho com o tempo, através de gestos que você vai perceber que são verdadeiros e que de alguma forma expressam um carinho. No Brasil tem muita gente que te dá aquela mega beijoca e tem gente que até bate palmas quando te encontra, mas no fundo quer que você se dane. É o que conhecemos por falsidade.

Aqui na Europa, se a pessoa não gosta (ou não se importa) com você, ela vai transmitir isso rapidinho e você vai perceber.

Portanto, quem não gosta de você já não vai te dar muita bola, e quem gosta não vai ficar te dando cafunés. Daí vem essa sensação de que o povo é antipático. Mas não vamos cair na tentação de generalizar: Tem muito europeu que gosta de abraçar, que dá beijos, mas é uma minoria, não é “culturalmente” normal se comportar assim.

BLOG snobbish

Aqui na Espanha existe um mito que todo o francês de Paris é mega antipático e esnobe (acho que essa fama é internacional, porém como a Espanha é um pais vizinho, esse tipo de preconceito é mais forte). Estive uma vez em Paris durante 1 semana e várias vezes me perdi na cidade. Para pedir informação, entrava em um bar ou em uma loja e perguntava. E eu me perdi várias vezes (me perco mesmo). Todo mundo que falou comigo foi simpático, inclusive o rapaz de uma floricultura chegou a imprimir um mapa do google para me orientar. Explicação para isso? Tentei ser o mais educado possível, pedindo desculpas por incomodar, e acho que quando uma pessoa é abordada com educação, ela reage com educação.

Não estou defendendo o estilo dos europeus. Também acho que são frios, isso é fato. Mas de frio para antipático existe uma grande diferença. É questão de se acostumar.

*Eduardo Caamaño Justo é blogueiro e autor de biografias históricas. Seu último livro, a biografia do Barão Vermelho (Piloto da Primeira Guerra Mundial), está à venda em português e espanhol via Amzon. Filho, neto e bisneto de espanhóis, mora há 12 anos na cidade de La Coruña. Saiba mais sobre ele clicando aqui. Veja fotos do Edu e de outros autores do BZ clicando na nossa conta do Instagram. Sigam-nos pela Facebook clicando aqui

19 Comentários leave one →
  1. 08/07/2011 10:20

    Edu, eu conheci tanto holandês (e inglês e brasileiro e americano) diferente do “padrão” que acabei por aprender que há indivíduos e não povos. Como “fora do padrão”? Ora, holandês mesmo, louro de olho azul descendente de holandeses e que eram espontâneos, sorriem muito, engatam rápido numa conversa, são calorosos. Minha sogra e melhor amigo do meu marido são assim. Mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto… muito do traço cultural deles e caráter são formado na escola, uma educação pública muito boa para toda a população. Eu tenho duas crianças pequenas e ouço diariamente os papos que eles ouvem das professoras. Quase uma indoutrinação de como reagir a certos assuntos/pessoas/ fatos e como tirar conclusões sem muitos dados (ou baseados numa peculiar lógica holandesa). Tudo com a melhor intenção possível, mas que deixa todos ao crescerem além de muito educados um pouco imobilizados, falando por fórmulas e seguindo sempre o mesmo raciocínio (que eu chamo de “clogic” clog+logic). Eles também são estimulados a falar sempre a verdade e serem breves, muito breves. Isso pode ser libertador mas muito chato e antipático também.
    Ach, o fino limite entre a franqueza e a tão necessária máscara social. Será que algum povo domina isso com maestria ?

    • Leti - Suíça permalink
      08/07/2011 19:34

      Interessante o que vc disse, Anita. Ainda não tenho filhos, mas fico imaginando que aqui deve ser muito parecido. Por isso às vezes as pessoas tem uma certa dificuldade em ser espontâneas.

  2. 08/07/2011 9:52

    Em primeiro lougar acho que vc tem toda razão de dizer que generalizar é uma baita burrice.

    Em segundo lugar, ainda bem que aquela “simpatia” típica (generalizando) de brasileiro não existe por aqui. Se é uma coisa que eu ODEIO é chegar num lugar no Brasil e ter que beijar todo mundo, incluindo desconhecidos, na CHEGADA e na SAÍDA!!! Afe, eu era a típica “antipática” que dava um oi geral e saia sem dar tchau para ninguém.

    Terceiro, os espanhóis aqui do sul são beeeeeeeeem mais simpáticos que outros povos. Aliás, acho que a maioria (generalizando) dos povos mediterrâneos são mais sorridentes, quem sabe é pelo clima… Não posso dizer que os sevilhanos são frios, porque não são. Dois beijnhos é bem normal, entre homens também (qdo são amigos), na chegada…na saída não faz falta. No comércio normalmente vc é recebido de bom humor… só tem um problema, aqui o pessoal não é antipático, mas é ESTÚPIDO, pelo menos para os nossos padrões brasileiros. Muita gente (generalizando) é muito grossa, parece que estão brigando contigo, falam em voz muito alta e com jeito de estar muito irritado, mas em dois minutos (generalizando) passa… um estilo bipolar difícil, mas a gente acaba se acostumando.

  3. 08/07/2011 10:47

    É uma questao complicada, intentar definir o que é comportamento individual, cultural ou social.

    No caso, sempre me incomodou o fato de um individuo “taxar” o outro de antipatico, simplesmente pelo fato dessa pessoa nao ser carinhosa ou amável.

    Resumindo em 2 linhas, acho que ninguém é obrigado a ser amavél nem carinhoso. Acho que a obrigaçao de todo mundo é ser educado. Carinho é bonus 🙂

    Pessoal, eu gosto de dar abraços e beijos, viu ?? Senao o povo vai achar que eu sou um poço de frieza.

  4. 08/07/2011 16:05

    Rá!
    Vc me lembrou que eu tenho um post parecido (mas mais curto e mais simples que o seu, tá?) no meu blog e vou por aqui tb.
    Pq, por incrível que pareça, o que as pessoas mais procuram no meu blog é: os alemães são frios? rsrsrs

    😉

  5. Kiara permalink
    08/07/2011 16:48

    Pessoas mais reservadas são (quase) sempre confundidas com antipáticas.

    Ter um pouco de paciência e procurar conhecer melhor é difícil para muita gente!
    Mas tem vezes que o outro lado não dá mesmo esse tipo de abertura. Eu, por exemplo, nesse caso, deixo estar e sigo minha vida. Gosto muito de fazer amigos, mas tem que ser por prazer, não por humilhação, rastejar para ter a atenção e amizade alheia!

    Meu sonho é morar fora do Brasil por uns tempos e meu sonho de consumo é viver em Dubai e “tomar meus bons drink” no Burj Al Arab hahahahah.

    Mas não tenho essa pretensão de não querer voltar. Ainda que seja muito melhor, quero morar fora para amadurecer, aprender coisas diferentes e aplicar aqui… A menos que eu ganhe um grande amor e de brinde um pãozinho no foro, aí eu posso até ficar rsrsrsrsrs

  6. Leti - Suíça permalink
    08/07/2011 19:53

    O seu post é muito legal, Edu. Gostei!

    O povo suíço tem fama de ser exageradamente correto, super discreto, chegando perto do monótono. Há quase dois anos vivendo aqui, pude perceber o que vc falou. A gente não pode generalizar, nem dizendo que o europeu é frio, nem que o brasileiro é alegre.

    Conheci pessoas tão legais durante este período em que vivo aqui que eu descreveria o o suíço como tímido, ordeiro e muito tranquilo. Por outro lado tenho tb amigos por aqui que são muito mais festeiros que eu. Vizinhos ranzinzas ou bagunceiros tb fazem parte da minha vivência por aqui.
    O brasileiro descreve a si próprio como hospitaleiro, mas nem sempre é assim. Vide link.
    http://noticias.r7.com/brasil/noticias/preconceito-dificulta-integracao-de-refugiados-africanos-no-brasil-20110401.html

    É como vc disse, essas características são parte do caráter das pessoas, e não têm nacionalidade.

    • 24/07/2011 10:17

      Concordo com você!
      Não caiamos nessa ilusão de que o povo brasileiro no seu todo é “simpático à beça”…
      Cuidado!
      Pois se fosse assim, com certeza o Brasil seria o paraíso na terra, e ninguém saíria daqui, por conta do que evoca a simpatia.
      Vejamos: SIMPATIA evoca amor, paz, tranquilidade, equilíbrio, bondade, fraternidade e outros atributos do BEM.
      Vemos isso no dia a dia?
      As principais capitais do país são exemplos?
      Um abraço a todos.

  7. Mariana permalink
    08/07/2011 22:04

    Concordo e discordo.
    Acho que nossa simpatia vai além da invasão de beijinhos e abraços distruibuídos a torto e a direito.
    Sou um pouco avessa a essa ‘obrigação social’ de cumprimentar Deus e o mundo com um beijinho.
    Talvez, passe muitas vezes por antipática quando chego e dou um oi coletivo ( tem coisa mais chata que chegar numa festa e ter que beijar, um por um, de uma turma de 10 pessoas, onde só se conhece 2??).
    Mas essa ‘conduta social física’, apesar de, às vezes inconveniente, é uma porta pro resto do nosso comportamento.
    Mais relaxado, aberto, descontraído. Não sou fã do beijinho no desconhecido, mas também não retraio se alguém vem me dar o maior abração.

    Sinto isso muitas vezes quando abraço amigos estrangeiros. Tem coisa mais decepcionante que aquele semi abraço com um tapinha nas costas, enquanto vc dá o maior abraço de urso no seu amigo? Obviamente não é por que sejam antipáticos, mas menos físicos talvez.

    Acho que aqui rola uma simpatia gratuita, espontânea, que se vê no olhar. Claro que ela também abre porta pra simpatia excessiva e desnecessária que esbarra a falsidade.
    Mas já vi também, muitas francesinhas com sua repentina simpatia, ao desligarem o telefone soltar uma lista pavorosa de xingamentos à pessoa. Falsidade necessária para conseguir o que queriam.

    Sinto que sorrimos e gargalhamos com menos pudor.E talvez seja essa total falta de pudor em nos expressarmos que os gringos tanto adoram.
    Fiquei em choque quando li uma reportagem, recentemente, de um estudante holândes contando sobre sua adaptação no Brasil e como ele ainda se assusta, quando vê as pessoas rolando de rir no cinema.

    Sorrimos com os olhos.
    Não construímos uma muralha perante o desconhecido.(ok, isso dá margem pra muitos entrões, também).
    O sorriso sai sem motivo, sem hora, sem lugar. Talvez seja por isso que os gringos se sintam tão acolhidos aqui?

    Passei a dar valor a isso, uma vez que recebi um francês que acabava de se mudar pra Bulgária, depois de 6 anos no Brasil (eu trabalhava com expatriados em uma empresa)
    A paixão dele por aqui, era inquestionável.Mas ultrapassava o clichê do Carnaval, Rio de Janeiro e mulher bonita.
    Estendia-se sobre as coisas mais simplórias que temos: um dia de outono e MUITO sol em São Paulo. Um taxista super solícito e sorridente que nos atendeu. Ele disse ‘sinto falta das pessoas sorrirem por nada’, ‘sinto falta dessa simpatia toda’. E na frase dele realmente deu pra sentir uma dorzinha…

    Não acho que os europeus sejam antipáticos (aliás, os holandeses e alemães foram os que mais me impressionaram!).
    Mas sinto que esse sorriso no olhar e aquela gargalhada gostosa demora mais a sair nas terras do norte.

  8. 09/07/2011 23:10

    Meus amigos, embora admiro a simpatia, mas uma coisa que vejo com certa reserva, é essa mania de brasileiro toda vez que fala com estrangeiro, colocar as mãos no ombro da pessoa… Quando não é isso parece que quer afagar, abraçar, sei lá o que mais…
    Vejo isso muito no meio artístico, esportivo, e mesmo entre nós simples mortais.
    O que vocês acham disso? Aí no exterior os nativos são assim também ou é coisa da gente tupiniquim?
    Um fraterno abraço a todos.

  9. 09/07/2011 23:35

    Olá Edu, acabei de achar o blog vindo do da Glenda e já estou gostando. Já que ng aqui gosta de beijinhos, vou dar um oi geral, sentar no sofá e sair colocando o pé na mesa de centro para comentar…

    Primeiro de tudo, o termo europeu é complicado a beça. Parece que as pessoas esquecem que a Europa é um continente com centenas de povos diferentes (até mesmo dentro dos países), e essa diferença atual e histórica faz com que (assim como qualquer povo em qualquer lugar do mundo) tenha uma maneira diferente de lidar com estrangeiros.

    Ainda, assim, estou longe de achar que “os europeus” são antipáticos ou frios, eles são apenas, diferentes. E enquanto pessoas se dispondo à viver outra cultura temos que nos abrir para tentar entender como essa dinâmica do outro funciona.

    Pessoalmente sou apaixonada por diversos povos europeus. Morei na Irlanda um ano e não consigo concordar com os brasileiros que me dizem que os irlandeses são “frios”. Mesmo para os meus padrões cariocas, os irlandeses são muito felizes, simpáticos e muito solícitos. Assim como os gregos, que são gente finíssima.

    Já as minhas experiências na España, Inglaterra e Holanda são bem diferentes, mas, fiquei pouco tempo nesses lugares e ainda não tive tempo de saber como as coisas realmente funcionam.

    Não sei, pode ser que eu tenha tido muita sorte, o que o meu jeito feliz (?) abra portas para mim. Nós não podemos esquecer de que a maneira como lidamos com o próximo é um fator importante. Se um turista brasileiro chega na Europa assumindo que europeus são antipáticos, talvez os trate como tal e não se abra para o que de fato eles são.

    *putz, falei para kct*

  10. cleuder dias de morais permalink
    07/09/2011 15:02

    OS EUROPEUS NAO SAO ANTIPATICOS APESAR DE ESTA COISA SER SIMPATICO OU ANTIPATICO é UM FATOR MUITO PESSOAL, é COMO SER UMA PESSOA BOA OU RUIM NAO SE PODE GENERALIZAR MAS EM NOSSO PONTO DE VISTA GERAL ENTRE EUROPEU OU SUD’AMERICANO “BRASILEIROS” é QUE SOMOS ABITUADOS NUM SISTEMA DE LIBERDADE ESAGERADA E AS VEZES O ESSESSO DE LIBERDADE é CONFUNDIDO COM SIMPATIA E QUANDO NAO PODEMOS OBTER O MASSIMO DE UMA PESSOA A JULGAMOS COMO PESSOA ANTIPATICA DEVEMOS APRENDER A NAO EXIGIR TANTO E DAR UM POUCO MENOS TAMBEM, TUDO é UMA QUESTAO DE EQUILIBRIO. NAO SEI SE CONSEGUI EXPLICAR MAS ESTA é MINHA VISAO DEPOIS DE 12 ANOS VIVENDO NA ITALIA E GIRANDO POR QUASE TODOS OS PRINCIPAIS PAISES EUROPEUS. ABRAçO A TODOS

  11. 21/01/2012 17:55

    Ola
    Post oportuno

    A Europa é grande e possui varios povos.Nem todo europeu é anti-patico mas uns sao mais reservados.Por outro lado, outros europeus sao mais sociaveis e alegres que o mais alegre dos brasileiros.Lembrem-se a Europa possui varios paises,com muita historia antiga,rivalidades entre eles(França x Italia,Alemanha X Italia, Inglaterra X França,etc).

    Nao tem como colocar todos em um saco so como evoluidos,anti-paticos e frios.Muito pais da Europa e é riquissimo,outros nao.

    Outros tendem a se fazerem de frios e calculitas mas no fundo sao emotivos ate demais(italiianos)..

    Ou seja,cada um é cada um,apesar de possuirem habitos gerais em alguns paises que mostra o que valorizam(como acontece conosco no Brasil)

  12. 24/01/2012 1:52

    Pessoal, pelo que termino de ler aqui, entre tantos comentários, vale ressaltar o que disse o autor do artigo: “generalizar é burrice”
    Concordo. Pois cá entre nós, será que todo brasileiro é hospitaleiro e amável?
    -Não!!!!!!!!!!!
    Já tive provas disso lá no caloroso Ceará!
    Aqui e acolá. De São Paulo ao Rio de Janeiro, já me deparei com figuras difíceis e antissociais, que para arrancar um bom dia, era uma aventura.
    Já fui tratado com frieza e indiferença aqui sim senhores!
    Aqui mesmo na terra brasilis.
    Então, vamos acabar com esse mito de que todo brasileiro é bonzinho, pois como disse alguém, não se iludam com os esteriótipos.
    Mas termos atitudes respeitosas com todos e quando freamos nossos impulsos para com desconhecidos (tipo, essa mania que temos em ficar colocando as mãos sobre o ombro alheio), a recíproca será bem melhor.

  13. Maria de Fatima Arruda permalink
    21/01/2013 11:38

    já vivi em outros países, concordo que antipatia não tem nacionalidade, que não se deve generalizar, e o brasileiro é muito bom nessa parte tbm, entende bem as diferenças culturas e costumes dos outros povos, más eles em maioria não são assim quando se trata de brasileiros, são preconceituosos, racistas em maioria, até os mais simpáticos que se relacionam bem conosco, no fundo no fundo sempre deixam escapar uma pergunta uma afirmação xenófoba a nosso respeito, sempre fui muito educada com pessoas que sequer sabem o que é educação, não p com estrangeiros, porque foram imenso mal educados comigo simplesmente pelo fato de ser eu uma imigrante brasileira, e já me relacionei muito bem sim com muitas pessoas, más em relação a brasileiros é sempre bom lembrar que quem tem mania de generalizar são eles os europeus, os Portugueses em especial.

  14. Rafael D. permalink
    30/06/2013 2:01

    É no mínimo curioso, brasileiros são amáveis com estrangeiros, mas aqui dentro do país todos se odeiam e se maltratam bastante, isso é inegável, brasileiro é estúpido ao extremo com o próprio brasileiro, e amável com os estrangeiros, resumindo um povo que se auto-odeia.
    Porque nos odiamos tanto?? Porque quando se entra num comércio aqui no Brasil e se dá bom dia, se recebe um baita COICE no meio da cara de volta??

    Em todo Site que pesquiso, todos são unânimes em falar da estupidez francesa, alguns querem justificar a grosserias deles, mas o que dá a entender é que os franceses só tratam bem aqueles que se humilham diante deles, será que estou enganado??
    No quesito estupidez os brasileiros não perdem em nada aos franceses, já com relação a Inglaterra, Suécia, entre outros países, acredito que não seja frio um povo que preza por manter o país em ordem, e com o mínimo de corrupção possível, que valorizam uma boa educação, e qualidade de vida, só porque não vivem mostrando os dentes para todo mundo isso não quer dizer que sejam ruins.
    Eu adoraria poder morar em Londres, não preciso que todos mostrem os dentes para mim, tão pouco fiquem me agarrando, aliás acho até que é por isso, que hoje sinto nojo das pessoas, pois aqui no Brasil todos se agarram, se abraçam, porém se detestam, mas conforme estava dizendo, viver em Londres seria melhorar minha qualidade de vida, pois as tudo funciona.

  15. fernando permalink
    02/12/2014 21:30

    acho q eu sou europeu

  16. 27/01/2016 17:49

    Belo post!
    Eu também ouvia muito que alemão era, “duro, fechado, ríspido” etc. Acho o completo oposto. Em geral as pessoas são muito solícitas, amigáveis, simpáticas… mas sem deixar de respeitar o espaço alheio, o que acho ótimo. Os alemães (e europeus em geral) são simpáticos na medida, não são invasivos. Você sabe se alguém gosta de você por gestos que demonstram isso e não por excesso de sorrisos, abraços e toques. Eu particularmente prefiro a simpatia não invasiva européia. Mas creio ser uma questão individual.

  17. 31/01/2016 2:14

    Eu sou do tipo de brasileira que não é muito calorosa e não tem cultura “de pele” rs. Sou muito mais de dar um tchauzinho de longe. Agora imagina minha decepção quando venho pra Espanha e agora tenho que dar não um, porém DOIS beijos nas pessoas… Toda vez que conheço alguém lá se vão dois beijos nas bochechas e eu acho o maior porre rs. Concordo que existem indivíduos e não povos. Conheci tantos espanhois simpáticos quanto brasileiros chatos e grossos! Mas o jeito das pessoas, de um modo geral, é sim diferente, basta se acostumar 🙂 Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: