bz_chile-transparenteCarlos Fernandes – Chile

Quem não conhece esse “grito de guerra” dos chilenos? Quem nunca ouviu essas palavras sendo entoadas em uma partida de futebol da selecão chilena? Esse grito ficou ainda mais evidente após o resgate dos 33 mineiros que ficaram soterrados por 70 dias na mina San José em 2010. Lembram? E na última Copa do mundo pelos estádios do Brasil, quando os fanáticos andinos invadiram nosso país. Se você ainda não conhecia esse grito tão popular, é sinal de que está precisando visitar a terra de Pablo Neruda, tomar um bom vinho e experimentar uma deliciosa empanada. Caminhar pelas ruas arborizadas de Santiago ouvindo o insistente sons das buzinas nas ruas dessa cidade. Se estressar com o andar lento do povo nas calçadas dividas com os ciclistas. Ficar “mirando” a imensidão das Cordilheiras. E sentir o balanço de um temblor e/ou de um terremoto.

Ficou curioso por saber mais dessa terra? Ou de reviver um passeio passado? Sendo assim, me apresento. Meu nome é Carlos Fernandes, brasileiro, atualmente professor de inglês e residente em Santiago. Estarei desvendando e apresentando esse país onde chove menos de 20 dias em média por ano e que balança com seus temblores e terremotos. Mas isso é assunto para, quem sabe, as dezenas de posts que virão pela frente. Por enquanto vou dizer sobre quem é esse novo colaborador do BZ que já chegou gritando: Chi- Chi – Chi – le- le -le!!! Viva Chile!!!

BLOG Chile cordilheia verao

A cordilheira dos Andes durante o verão (acima) e o inverno (abaixo).

Fotos: arquivo pessoal do autor. 

BLOG CHile cordilheira no Inverno

Bom… minha história pelo mundo começa justamente aqui no Chile, em uma viagem de turismo. Depois justamente dessa viagem, tudo começou a conspirar a favor do fim de uma vida óbvia que eu levava no interior de São Paulo. E para o início de novos desafios fora do Brasil.

Eu tinha deixado minha profissão na área de Comunicação Social de lado, devido as circunstâncias de momento, e embarcado para fazer o que todo ser que é da região de onde venho faz: trabalhar em uma fábrica. Foram cinco anos e meio vivendo para trabalhar. Até o dia em que a empresa onde eu prestava meus serviços fecha suas portas e se muda para uma distância de quase 400km de minha casa. Foi a deixa para eu não aceitar a mudança, pegar meu PDV e realizar o sonho de um intercambio.

A matemática era simples. Minha namorada já havia vivido 2 anos em Dublin, na Irlanda, e pensava em voltar um dia. E eu, um amante e interessado em história e arquitetura medieval. A Irlanda se apresentava assim como meu futuro. Além, também, de ter o sonho de conhecer a Inglaterra, a terra do Iron Maiden, Deep Purple, Queen, Black Sabath, Beatles, Whitesnake, Motorhead… e do futebol moderno e suas grande equipes como Chelsea, Arsenal, Manchester United, Liverpool… Ah… E com o PDV da fábrica no bolso. Era só embarcar e fizemos isso 3 meses depois.

Carlos Fernandes em Liverpool

Carlos Fernandes em Liverpool

Em abril de 2012, no auge dos meus 34 anos, cheguei na Europa cheio de sonhos. Aprimorei meu inglês estudando em Dublin e trabalhei nesse um ano panfletando pelas ruas da cidade debaixo de temperaturas negativas do inverno e do “escaldante” verão irlandês de 19 graus. Fui colaborador de um blog brasileiro de sucesso naquele país. Fiz figuração em dois filmes: “The food guide to love” e “The F Word” ou “What If”, estrelado por Daniel Radcliffe, o Harry Potter. Fui kitchen porter por 2 dias. Trombei Bono Vox na famosa Grafton Street na véspera de Natal, quando ele e outros músicos irlandeses como Glen Hansard e Sinead O’connor cantam gratuitamente para arrecadação de fundos. Viajei por algumas cidades do país, conheci castelos, igrejas eruas medievais. Conheci paisagens lindíssimas pelo interior verde da ilha. E assim foi por um ano.

Durante esse ano visitei o País de Gales viajando de trem até sua capital Cardiff para ver uma partida de futebol do Brasil pelos Jogos Olímpicos de 2012. Fui para Edimburgo, na Escócia, e fiquei abismado com a arquitetura gótica daquela cidade. E fiquei hospedado em um conhecidíssimo hostel as portas do Castelo de Edimburgo. Mais um sonho realizado. Conheci Paris e seus encantos. Passei a manhã de meu aniversário em Paris e o restante do dia já em Dublin. Fui para Londres conhecer aquele que considero o cartão postal do mundo, o Big Ben e o Parlamento Inglês. Pelo menos pra mim, claro. Além de conhecer bairros nada turísticos em busca dos estádios de futebol das equipes londrinas. Também fui para Budapeste, na Hungria. Que me desculpe Paris, mas Budapeste é um espetáculo. Cada uma das duas com sua beleza, mas Budapeste é um espetáculo!!! Roma foi outra cidade sensacional. Moraria fácil em Roma. Nunca comi tão bem fora do Brasil como em Roma. E também fiz um bate e volta para Liverpool. Um roqueiro como eu teria que pisar no Cavern Club antes de deixar a Europa. Por motivo de saúde acabei perdendo um mini mochilão que eu faria para Holanda, Alemanha e  Bélgica. Já estava com passagens compradas e hostels reservados. Mas ainda farei isso, com certeza. E voltar para a Irlanda, mesmo que a passeio por alguns vários dias, também está no roteiro.

Voltando ao Brasil minha cabeça só pensava em Europa. Meu assunto era Europa. Não conseguia ouvir mais as pessoas conversarem das mesmas coisas. As mesmas festas, as mesmas baladas, trabalhar em fábrica (e trabalhei em uma nessa época por 6 meses), viajar para a mesma praia no verão. Pessoas falando mal uma das outras e reclamando da vida. Sinto muito pelas minha família, meus pais, irmãs e sobrinhos novíssimos. Mas eu precisava sair novamente.

BLOG CHile Costanera Center

Visão do Costanera Center: maior prédio da América Latina com 300m de altura. Conta com o Costanera Mall, um shopping de 6 andares. Fica em uma região conhecida como Sanhattan – um mix de Santiago+Manhattan pelos belos prédios.

Minha namorada e eu começamos a pesquisar sobre o Canadá e Austrália. Tudo muito caro. E a Irlanda estava fechando o cerco para estudantes, assim como tem feito ultimamente. E não dava também para apenas sermos estudantes, precisávamos trabalhar, e de verdade. Foi então que surgiu uma oportunidade de ouro para trabalhar no Chile como professores de inglês online. Fizemos a entrevista via skype com nosso futuro chefe sueco de dois metros de altura e ele deu um mês para que estivéssemos em Santiago. Feito. Em janeiro de 2015 estávamos onde estamos hoje.

BLOG Chile Placio La Moneda

A sede do governo: Palácio La Moneda, Santiago. Foto do autor. 

Aqui sou professor de inglês online, como citei acima, e primo pela qualidade de vida, algo que senti muita falta depois que voltei da Europa para o Brasil. Vivo em um bairro ótimo chamado Providencia, muito arborizado, com bares e restaurantes, segurança e a 12 minutos a pé do trabalho. Muito amigos e conhecidos brasileiros visitam Santiago e sempre dá para rever um ou outro. Sempre dá, também, para enviar ou receber algo do Brasil através deles e dos colegas de trabalho brasileiros que viajam para visitar seus familiares. Sim, somos muitos brasileiros, cerca de 25 no total. Trabalho com eles e com americanos, ingleses e irlandeses.

Embalse El Yeso, no Chile

Viver em Santiago é… Não, melhor não. Deixo para os posts que seguirão. Y que te vaya bien chiquillos.

_____________

Carlos Eduardo Fernandes é publicitário,  já morou na Irlanda e atualmente é professor de inglês online em Santiago, no Chile. Saiba mais sobre ele e o blog pessoal clicando aqui. Sigam-nos no Facebook acessando aqui. Instagram e Twitter: @blogbrasilcomz