Skip to content

Como é a vida em um país onde a internet é censurada?

28/03/2016

BZ_ChinaEdvan Fleury – Beijing, China

Quando, em 1876, Dom Pedro II disse a célebre frase “Ser ou não ser?”, no que viria a ser o telefone, creio que ele não imaginaria como as pessoas iriam ficar tão dependes da comunicação à distância. Você já se imaginou por exemplo passar um dia sem acessar Facebook, e-mail ou Youtube? Eu não. Pra ser sincero, nunca pensei muito sobre o fato de o ser humano estar depende da tecnologia de uma forma geral. Bem, ao menos até vir morar na China.

No início de março, Beijing sediou um fórum politico no qual o partido comunista une-se para discutir assuntos relacionados a vários temas que irão impactar sobre a China. Todos os eventos envolvendo decisões politicas são tratados sob a maior cautela, para que o governo possa controlar o que pode ser divulgado ou não. Umas das ferramentas criadas para ajudar no controle dessas informações foi o fánghuǒ chángchéng (防火长城), o qual você poderá ter ouvido com o “Grande Firewall da China”. Esse firewall possui vários níveis de operação. Digamos que ele possua dois níveis: um básico no qual ele bloqueia o acesso a todos os sites de fora da China, porém com um jeitinho é possível desbloquear esses sites, e um segundo modo “avançado”, no qual é impossível acessar qualquer site que não seja chinês.

Ao longo do ano, o fánghuǒ chángchéng fica operando no modo básico. Ou seja, os sites de fora da China são bloqueados, mas, caso um VPN seja usado é possível bular esse firewall. Um VPN, a grosso modo,  é como se fosse um túnel que passa por baixo do firewall chinês, possibilitando a nós estrangeiros a ter acesso à internet sem limites, do jeitinho que você provavelmente tem. Porém, há determinados períodos do ano em que o governo vira essa chave do firewall e liga o modo avançado. É nesse momento que a maioria dos VPNs ficam inativos e muita gente fica sem internet até o governo mudar novamente para o modo básico.

Durante 15 dias eu fiquei com a minha internet de casa bloqueada para sites estrangeiros, a única forma de acesso que tinha ao Facebook, e-mail, Instagram e Youtube era quando estava no trabalho, pois a Internet que uso lá tem um VPN “super-mega-hiper” poderoso que não foi detectado pelo fánghuǒ chángchéng.

Como moro por cá já faz quase quatro anos, meio que estou acostumado a uma vida fora da Internet e isso não causou um grande impacto no meu dia. Pelo fato de você morar do outro lado do mundo tudo que acontece no Brasil inevitavelmente fará que você seja o último a saber (bem provável que você esteja no seu sono de Cinderela). Diversas vezes, houve tragédias ou fatos inusitados que eu só fiquei sabendo quando acordei ou quando entrei no meu Facebook à noite. Como a Internet na China tem esse bloqueio, caso não instale um VPN no celular, no tablet e/ou no PC é também bem provável que o que aconteça no mundo passe despercebido por você. Como às vezes tenho preguiça de conectar meu VPN e esperar que a conexão seja estabelecida, acabo ficando de fora do que acontece.

Não vou negar que fiquei um pouco incomodado por ter passado tanto tempo com a Internet bloqueada. Meu principal impacto foi pelo fato de não poder ter acompanhado minhas séries de TV e os posts dos autores do “Brasil com Z”. Porém, teve um lado bom. Como fiquei com as minhas noites livres pude ler mais. Eu sou muito fã de cafeteria e se deixar eu passo horas. Tá aí a foto do Starbucks com o meu Kindle, pela quantidade de copos você já imagina quanto tempo fiquei por lá. Nesses quinze dias li o “172 horas na Lua” e comecei (quase terminando) “As Jóias de Manhattan”. Pude passar mais tempo com pessoas que eu não vi há  tempos e foi muito bom colocar a fofoca em dia.20160311_202536.jpg

Assim como estamos tão dependes da tecnologia, é possível também criar uma certa independência da mesma. Como disse antes, nunca me imaginei morar em um lugar no qual a informação fosse tão controlada.  Posso garantir a você que o ser humano se adapta com o que tem. Muitos estrangeiros na China já estão adaptados a viver sem passar o dia twitando, postando no Face ou colocando selfies no Instagram. No inicio, eu me sentia na década de 90, só faltava o meu telefone ter aquele teclado de disco. Mas aí vamos preenchendo o que não se tem com o que há. Na China, por exemplo, se você gosta de assistir vídeo online há o Youku e tantos outros sites que disponibilizam séries de TV, filmes, programas e o melhor, tudo de graça e em HD! Infelizmente, por questões de direitos autorais esses sites não funcionam em outros países. Já há estrangeiros que preferem manter-se ocupados fazendo cursos, o que eu também adoro fazer. Eu acho que quando voltar ao Brasil vou demorara a me adaptar a essa vida de passar o dia inteiro no Facebook…

_____________

Edvan Fleury nasceu em Manaus, é jornalista, e atualmente está Perdido na China. Para saber mais sobre ele acesse a mini-bio clicando aqui. Sigam nossa página no Facebook clicando aqui e no Instagram clicando aqui. Para seguir nosso Twitter clique aqui

9 Comentários leave one →
  1. 28/03/2016 13:08

    VPN é um túnel. E você pode entender dessa forma, literalmente mesmo, ou seja, é um túnel que leva você para um ponto fora daquele perímetro que você se encontra (como em superar uma montanha sem a necessidade de escalar). Então, não é uma definição “a grosso modo”.
    A VPN (virtual private tunnel), geralmente é usada por empresas para conectar seus colaboradores (externos ou de outras filiais) para dentro de sua rede interna, usando de todos os recursos existente no escritório. Mas com o advento e popularização da internet, ela hoje em dia é usada para superar esses bloqueios como o que acontece na China, para simular que você enviou um email a partir dos Estados Unidos, quando na verdade, você estava em suas férias secretas em Fiji. Enfim, a VPN tornou-se a ferramenta essencial para quem precisa de mobilidade e não quer perder suas referências, entre outros (nem sempre nobres) motivos.
    Uma boa maneira também de superar firewalls é um programa chamado “Freedom” (para Windows, ops “ruindows”), ele demora para instalar (pois já na instalação, faz uma varredura minuciosa na rede), mas (quase) sempre, 94,9% das vezes, ele acha uma brecha para liberar todos os bloqueios que o administrador da rede (como eu, por exemplo), colocar para cortar o barato dos usuários. Quando estive na China, ele ajudou muito quando não pude usar a VPN num micro de um amigo local (eu não iria colocar meus “settings” de vpn no micro dos outros), 🙂
    Agora, sobre o “Youtube” chinês, eu consegui acessar ele aqui sem restrições e, achei uma pérola muito interessante (depois compartilho), mas adianto, gostei de uma novela chinesa, chamada “因为爱情有幸福”, algo como “Porque o amor feliz”, muito engraçada e parecida com algumas novelas japonesas de certos canais.

    • edvanfleury permalink
      29/03/2016 3:15

      Obrigado Anderson pelo esclarecimento. Eu usei a expressão “a grosso modo” pq eu acho que um profissional da área iria dizer alguma coisa bem complexa para explicar o que é ahahaha.

  2. 28/03/2016 19:48

    Eu fico sem acessar a internet durante as férias de verão. Me dói n’ alma.

    • edvanfleury permalink
      29/03/2016 3:17

      Mas a gente acaba aprendendo a viver com as limitações. Como eu sou de uma época que internet e telefone celular ainda não existia, então acaba não sendo um choque tão grande. Eu acho que seria mais doloridos para o seus filhos ahahah bjs ❤

  3. Arlete Dotta permalink
    29/03/2016 11:19

    Post muito interessante, Edvan. Confesso que teria um pouco de medo/receio em ter a minha liberdade digital controlada, mas uma vez, ao sair de férias, esqueci o smartfone e a carteira em casa. Só tinha um documento de identidade pq meu marido, por acaso, tinha colocado junto ao dele. Ficamos três semanas sem comunicação com o mundo externo, já que não costumamos assistir televisão e naquele período ficamos sem ler o jornal. Resultado: li um livro super legal, escrevi muito sobre meus próprios pensamentos, voltei pra casa mais leve, descansada e vi que não tinha perdido nada de importante naquelas semanas. Percebi quanta informação inútil a gente acaba acessando. Infelizmente, voluntariamente é mais difícil fazer uma coisa assim, entendo totalmente a Ana, mas vale a pena.

    • edvanfleury permalink
      29/03/2016 16:55

      Arlete, obrigado por ter lido meu texto. E infelizmente a gente só de depara com essa questão quando somos obrigados a ficar sem a tecnologia, né?! Mas ainda bem que vc fez outras coisas legais nesse meio tempo. Bjs

  4. Judy Huang permalink
    31/05/2016 11:13

    Edvan, estou indo para Beijing e trabalho também como tradutora. Vou ter problemas para receber/enviar emails com arquivos anexos com os trabalhos de transcricao e tradução?

    • edvanfleury permalink
      01/06/2016 16:52

      Sim e bem provável ainda mais se seu e-mail for gmail e ou você receba seus trabalhos de algum servidor no qual vc precise baixar algo. Instale no seu computador e celular esse programa https://www.astrill.com/ para que vc não tenha problemas com a Internet bloqueada pq às vezes precisamos consultar várias coisas na Internet como glossário da Microsoft ou que referência seja. Lembrando que esse Astril é pago, aí vc escolhe o modelo de assinatura que mais se adequa ao período que vc vai passar na China 🙂

Trackbacks

  1. 10 dicas que você precisa saber para visitar Beijing | Brasil com Z

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: