Skip to content

Futevôlei ganha espaço e adeptos nos EUA

27/06/2017

Alessandra Pereira Vasques – colaboradora


O blog Brasil com Z inaugura hoje uma novo formato de postagem: entrevistas de brasileiros com expatriados bem inseridos na sua nova cultura.

A Alessandra Pereira Vasques não faz parte do time de autores fixos do blog, mas colabora aqui com uma entrevista inédita com o Raphael Alves, 29 anos, um brasileiro atleta de Santos-SP que está o divulgando o futevôlei nos EUA. Desde que chegou aos Estados Unidos há dois anos, Raphael trabalha no desenvolvimento técnico e cultural não só da modalidade, mas também do futebol, futsal e futebol de areia. Todo esse trabalho é realizado em parceria com Adriano de Lima, outro brasileiro que lá vive há mais de quinze anos e é sócio proprietário da escola Culture FC. .

A seguir, a entrevista da Alessandra com o Raphael:  

O futevôlei está em alta e tem sido procurado por quem quer manter a forma ou apenas se divertir e tentar algo novo. A atriz Fernanda Torres e o craque Ronaldinho Gaúcho são exemplos de praticantes.

Mas o futevôlei tem também crescido muito nos Estados Unidos. Isso se deve em grande parte ao trabalho dos brasileiros que vivem por lá e divulgam a modalidade. Raphael Alves, de 29 anos, é uma dessas pessoas que ajuda a introduzir o esporte – que pratica há mais de dez anos – aos americanos. Ele tem feito um trabalho excepcional divulgando o esporte brasileiro nas terra do Tio Sam.
BLOG Raphael Futevolei

Como você vê a evolução do futevôlei nos EUA?
Raphael – O futevôlei tem crescido muito por aqui, e um dos grandes responsáveis disso é o trabalho dos brasileiros. Futevôlei é um esporte 100% brasileiro, apesar de ser praticado em diversos lugares do mundo. Hoje existe um calendário anual com competições nos Estados da Flórida, Califórnia, Maryland e Texas. Com exceção das etapas californianas, onde um italiano participa da realização dos eventos, os demais são todos organizados exclusivamente por brasileiros, tendo atletas de nacionalidades diversificadas.

Qual o seu trabalho de divulgação atual?
Raphael – Sou uma espécie de embaixador do esporte nos EUA. Participo de todas as competições possíveis, não com o intuito de ser o campeão de todas elas, até porque o nível técnico ainda é muito fraco se comparado ao brasileiro, apesar de estar evoluindo muito. Na maioria das vezes, sou patrocinado pelos organizadores para participar como jogador e organizar os chamados camps ou clínicas, onde introduzimos o esporte aos americanos. Também faço exibições em diversos locais diferentes.

Que dificuldades você encontrou trabalhando com a modalidade?
Raphael – Apesar do crescimento gigantesco do esporte nos EUA desde que cheguei, o futevôlei é um “trabalho de formiguinhas”, como dizemos no Brasil. Exige muita paciência e amor ao esporte. Diferente do Brasil, aqui não existe a cultura do futebol, o que assusta os americanos no primeiro contato com o esporte. Eles acham lindo e emocionante, mas têm medo de tentar praticar por achar muito difícil. O nosso principal trabalho hoje é fazer com que mais americanos pratiquem o esporte. Mesmo com todo o crescimento, a grande maioria praticante ainda é brasileira.

E quanto às dificuldades culturais, sendo um brasileiro no exterior?
Raphael – Não encontrei muitas dificuldades culturais. Acredito que muitos imigrantes chegam a outro país com o intuito de construir um pedacinho de seu país natal. Desde que cheguei, decidi me inserir na cultura americana (californiana) e entender o estilo de vida adotada por aqui. Tenho muitos colegas brasileiros, mas muitos americanos também. Fazer parte de um todo e não se isolar apenas com grupos brasileiros é peça chave para o crescimento pessoal e profissional de um imigrante. Vale ressaltar que na Califórnia o americano é bastante acolhedor, o que não é realidade de todo o país.

Como os americanos reagem ao futevôlei?
Raphael – Eles se maravilham! Como disse, eles não têm a cultura futebolística. Só de ver duas ou mais pessoas mantendo uma bola no alto sem o uso das mãos já os impressiona. Quando jogamos um esporte como vôlei de praia e não utilizamos as mãos, eles não acreditam.
BLOG RAphael futevolei 2
Há futuro promissor para o esporte?
Raphael – Eu acredito muito. Futevôlei é um esporte que vem crescendo em todo o mundo. É praticado em toda a Europa, América do Sul e Ásia. Foi um esporte exclusivamente brasileiro até cerca de 20 anos atrás. Quando cheguei, há pouco menos de três anos, havia somente uma competição na Califórnia e hoje contamos com uma liga nacional e um calendário anual com mais de 12 etapas.

Como são feitos os trabalhos da escola em que você atua, na Califórnia? 
Raphael – A Culture FC trabalha com o desenvolvimento técnico e cultural do futebol, futsal, futebol de areia e futevôlei nos EUA. Temos sede na Califórnia, mas atuamos em estados como New York, New Jersey, Maryland, Alaska, Flórida, Nevada e Hawaii. Fazemos um trabalho oposto dos demais no país, onde o futebol se tornou algo extremamente comercial. Buscamos levar um pouquinho da paixão brasileira pelo esporte, o ambiente e energia brasileiros, além das técnicas que para nós são naturais, mas para eles inexistentes. Aqui eles são focados única e exclusivamente em resultados, o que para o futebol não funciona. O futevôlei é uma oportunidade de ter as crianças juntas em um ambiente maravilhoso como a praia, aprendendo as técnicas e se jogando na areia, sem se preocuparem ou se sentirem pressionadas por resultados. É impressionante como uma criança de 8 a 10 anos se sente cobrada por aqui.
Trabalhamos com todas as idades e níveis. Dos pequeninos aos jogadores de college. Temos alguns adolescentes que se apaixonaram pelo esporte, ao ponto de comprarem sungas para jogar, algo inimaginável por aqui. Eles estereotipam o uso da sunga com homossexualidade. Se usa sunga por aqui, ou é imigrante ou gay. É muito prazeroso presenciar a nossa contribuição não somente no desenvolvimento do atleta, mas do indivíduo e sua personalidade.
 

É adotado um calendário de eventos durante o ano?
Raphael – Sim. Temos algumas datas anuais definidas. Temos muitos camps, clínicas e workshops que fazemos nos Estados os quais citei. Alguns são focados nas crianças e adolescentes, outros na formação de treinadores dentro da nosso filosofia. Muitas vezes são apenas eventos de exibição, nos quais temos que jogar pra mostrar o esporte. Fora da Califórnia, o estado que mais visitamos é o Hawaii, ao menos 6 vezes por ano. Temos alguns projetos em três ilhas: Oahu, Big Island e Kauai. Além disso, temos uma viagem anual para a Europa, a qual levamos os jogadores para conhecer um país com a cultura do futebol. Esse ano os atletas irão visitar e competir na Espanha e Itália.
Estamos preparando uma opção de intercâmbio para brasileiros também. Um time profissional que ajudará brasileiros que queiram vir para os EUA estudar, jogar e quem sabe nos auxiliar em nossos projetos.
Tendo à frente atletas brasileiros perseverantes espalhados pelo país e sendo o futevôlei o ponto de encontro entre eles, o esporte dá sinais de que não é apenas uma moda e de que ainda conquistará muita gente!
*************
Agradecemos muitíssimo a participação da Alessandra e do Raphael, e desejamos muita felicidade à ambos em seus projetos de vida!
Ana Fonseca
Administradora blog Brasil com Z.
____________

Alessandra Vasques
é paulista de 26 anos, da cidade de Pindamonhangaba, onde mora com a família. É jornalista, mas atualmente se dedica a cuidar dos seus amados João Lucas e Diego, de 6 e 2 anos. Gosta de viajar, de música e cinema, mas nasceu para ler e escrever. Tem o sonho de publicar um livro e conhecer a Europa. É fã assídua do BZ!!!
Gostaram do que leram? Então compartilhem! Estamos no Facebook, no Twitter e também no Instagram
 
7 Comentários leave one →
  1. adrianarockiss permalink
    27/06/2017 17:27

    Adorei a matéria! É muito bom saber que existem brasileiros que vão para o exterior para acrescentar. Trabalho lindo que o Raphael vem fazendo, principalmente com as crianças. Parabéns também à colaboradora Alessandra, que trouxe um tema super interessante!
    Tem como não gostar deste blog?

  2. AnaFonseca permalink*
    28/06/2017 7:28

    Ooooh… Te agradeço em nome de toda a equipe do BZ pelo comentário e elogio! Muita gente passa por aqui todo dia, mas poucos deixam um comentário ou um incentivo. Abraços fortes!

  3. Fernando Mota permalink
    28/06/2017 13:27

    Show de bola! O exterior precisa reconhecer o potencial de nós brasileiros empenhados em fazer um trabalho legal. Boa sorte ao Raphael. Agradecimentos também à Alessandra, que nos mostrou um pouco de como esta sendo essa jornada dele!

  4. Lucas Barbosa permalink
    28/06/2017 14:26

    Adorei a matéria, o assunto é muito interessante, mostra o esforço dos brasileiros fora de sua terra natal. Também sou praticante
    de esportes. Parabéns ao blog e à jornalista.

  5. Enfim nós 2 permalink
    01/07/2017 21:40

    Excelente matéria!! É muito bom saber que os brasileiros estão conquistando seu espaço além do Brasil e que a nossa cultura atravesse fronteiras e alegre outros povos. Vida longa ao Futevôlei.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: