Pular para o conteúdo

As melhores atrações de Zaragoza, na Espanha (I Parte)

15/06/2018

Ana Fonseca – Zaragoza, Espanha

Infelizmente, Saragossa não vem à mente de muita gente que planeja uma primeira ou segunda visita a Espanha. As pessoas geralmente só consideram Barcelona, Madri e Sevilha. Questão de prioridades relacionadas a tempo e dinheiro, posso compreender.

Marido e filho caminham pela praça onde se encontram a Basílica, a SEO e a torre onde funciona a oficina de turismo da cidade. 

Porém, toda a Espanha oferece tesouros arquitetônicos e artísticos. Quando estive na costa da Catalunha, na hora de retornar para a França, decidimos passar primeiro quatro noites em Saragossa, e depois Montserrat. Há muito o que se ver e fazer por lá, e se você ficar alojado no centro como eu fiquei, poderá fazer tudo, tudinho mesmo, à pé. Com uma vantagem a mais se visitar a cidade no verão (julho – agosto): estará tudo tranquilo, pois parte da população sai da cidade durante as férias. Saragossa fica a 320 km de Madri na região de Aragão. Você pode tomar um trem de alta velocidade e chegar à cidade em 1h30. Abaixo, relaciono as principais atrações. Nos próximos posts estarei dando mais detalhes sobre algumas dessas atrações.

1) Basílica Nossa  Senhora do Pilar

A entrada fica na Plaza del Pilar, e é a catedral emblemática da cidade (século 18 e 19). Não deixe de ir até a ponte sobre o rio para ter uma outra vista dessa catedral (por trás), com sua torres imponentes e telhado policrômico.

O interior é monumental e impressionante, você anda, anda, anda, e o olho fica assim ó: arregalado… Singular. Fotos permitidas.

 

2) Catedral de San Salvador, ou simplesmente “La Catedral” ou “SEO”

Fica do lado da Basílica. Me impressionou muito. É como se diversas capelas complexas estivessem dentro dessa catedral. Via até um altar imenso em vermelho todo em estilo todo chinês, preciosíssimo, lá dentro. Proibido a vida toda fazer fotos no interior, tem um carinha lá circulando e abordando os turistas cara de pau que fazem fotos discretas sem flash. Como já levei minha dose de broncas sobre tirar fotos proibidas nessa vida, já faz um tempinho que para mim “proibido” é proibido mesmo. Cansei. Fiquei só observando os outros levarem reprimendas e eu rindo por dentro. A história diz que aqui foi um templo romano do Fórum da cidade Saraqusta antes da era cristã, virou igreja visigótica no comecinho da idade média e depois uma mesquita muçulmana. No século XII, foi convertida arquitetonicamente em igreja de estilo italianado. Mas o minarete mouro ainda está lá. É uma melange de estilos árabe, gótico, renascentista, barroco e neoclássico que podia dar muito errado – mas deu muito certo. Diante de tanta elegância e opulência, marido holandês teve que desistir do eterno ar blasé de quem já viu tudo e nada impressiona e me perguntar como era possível a igreja católica ter financiado tanta riqueza. Inocente, não sabe de nada. Para me economizar, eu disse apenas: “Ouro e prata roubados de toda a América Latina”.

Um dos muitos ambientes da SEO, foto via Pinterest

Tem um plus aqui: suba ao segundo andar e visite o Museu da Tapeçaria. É a técnica mais fina do mundo, técnica essa que se perdeu há centenas de anos atrás. A coleção de gigantescos tapetes de parede (11 no total) foi toda feita na Flandres (atual parte da Bélgica) em Brugges e Ghent. Dizem que esse é o melhor museu do mundo nesse tipo de exposição de tapetes. Há cenas da Bíblia, contando passagens complexas, com detalhes preciosos como fios da barba, dobraduras dos tecidos das roupas, renda e filigranas… tudo tecido em forma de tapete. Só para dar ideia da complexidade da técnica: meio metro de tapete tecido levava três meses de trabalho diário. Semanas depois visitei um castelo em Pau na França com ricos e preciosos tapetes Gobelin e achei a técnica bem menos impressionante que desses tapetes de Saragossa.

Detalhe de um dos tapetes. Foto via Pinterest.

Uma das salas com gigantes tapetes de parede, foto via tripsntance.com

3) Plaza de Toros

É de 1764 e está muito bem preservada. Em cores ocre e amarelo, vale a pena fazer uma visita (mesmo que você, como eu, não goste de touradas) para fotografar o exterior. E além do mais, fica bem pertinho da próxima atração: a fortificação Aljafería. (veja mais fotos minhas em breve no Instagram).

Eu, diante da Plaza de Toros de Zaragoza

4) Palácio Aljafería

Essa fortificação moura do século XI, com o passar dos séculos sofreu inúmeras modificações arquitetônica e foi palácio dos reis cristãos espanhois, Fernando e Isabela. Eu vou falar em mais detalhes sobre essa atração num próximo post, fiquem ligados.

O exterior tem um entorno bacana, com oliveiras, jardins e muito gramado (Foto minha, acima). O interior já foi muito destruído e modificado. Mas guarda parte do esplendor mouro (foto minha, abaixo). Mas, numa postagem separada. 

5) Museu do Fórum da cidade de Césaraugusta

Confesso: passei diversas vezes diante mas não o visitei. É uma entrada moderna (um cubo) com portas de vidro, que dão acesso às ruínas subtrrâneas da antiga cidade romana Césaraugusta durante os séculos I e II da nossa era (sim, essas ruínas passam por baixo da gigantesca catedral SEO, que mencionei acima). Para saber mais, visite o site oficial: https://www.zaragoza.es/ciudad/museos/es/foro  . Abiaxo, uma foto que peguei do site da Expedia (vou estar publicando minhas próprias fotos do exterior do prédio no Instagram).

Num futuro próximo, mais postagens sobre as melhores atrações de Saragossa!

Hasta luego…

________________

Ana Fonseca administra o “Brasil com Z” e mora na Holanda. Sigam-nos para atualizações diárias no Facebook, Twitter e Instagram. Blog “Brasil com Z”, um site coletivo, feito por brasileiros morando nos quatro cantos do mundo. Que se candidatar a participar do nosso time? Acesse aqui para mais informações. Agradecemos. 

2 Comentários leave one →
  1. 01/07/2018 20:09

    Adorei o relato e as fotos! Li também o outro post que você escreveu sobre a cidade. Honestamente eu nunca pensei em conhecer Zaragossa, até porque ainda só conheço pouquíssimo da Espanha (somente algumas cidades da Andaluzia). Quero primeiro conhecer Barcelona e Madri, entretanto devo admitir que ficaria encantada se tivesse a oportunidade de conhecer Zaragossa, independente de ter ou não conhecido Barcelona ou Madri :-). Ótimo ler sobre cidades “(des)conhecidas” para adquirir mais informações e considerar uma viagem.

    • AnaFonseca permalink*
      02/07/2018 20:34

      Oi, Sandra. Obrigada pelo seu comentário.
      Acho que a Andaluzia tem todos os clichês do que pensamos sobre Espanha: tapas, arquitetura moura em profusão, flamenco, touradas, as roupas tradicionais… Mas achei Saragossa bem relax e com muitas atrações culturais. A prefeitura não divulga no exterior os atrativos da cidade, foi minha impressão. Vou publicar mais um post sobre Saragossa. Mas poderia publicar uns 10! 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: