Hoje em dia, no momento em que vivemos, falar sobre ter um emprego seguro, como  falávamos antigamente e ouvíamos nossos pais falar sobre uma garantia de trabalho, é quase que um mito.

Se me permitirem, vou compartilhar algumas das dicas que eu sigo quando estou buscando contrato de trabalho, morando aqui no Reino Unido. Eu acredito que estas dicas sejam aplicáveis a qualquer pessoa morando em qualquer lugar do mundo, até mesmo no Brasil.

Eu falo sobre a minha experiência, de um brasileiro pelo mundo, de alguém que migrou para o Reino Unido, e como foi a minha trajetória com relação ao trabalho, e principalmente o que fiz até aqui e continuo fazendo para manter e expandir constantemente minha rede de contatos. O que compartilho aqui com vocês é minha experiência pessoal, e expresso minhas opiniões sobre a minha realidade, que pode vir a ser útil para outras pessoas também. Vou começar falando principalmente sobre a plataforma LinkedIn, que na minha opinião, se tratando de uma rede social profissional, não há ferramenta igual, e se a intenção é buscar oportunidades, essa é, possivelmente, a plataforma mais importante no momento (a plataforma LinkedIn não nos patrocina, ok? Pelo menos ainda não. O que relato aqui é realmente a minha opinião). Por que digo isso? E por que não digo especificamente oportunidade de trabalho? Por que não me limito somente a isto?

Ouça nosso Podcast onde eu (Rogerio) e Raquel batemos um papo descontraído sobre esse tópico.

Temos também a versão vídeo desse bate papo.
A minha trajetória com o LinkedIn começou a muitos anos atrás, quando eu trabalhava em empregos não-qualificados. Já trabalhei em restaurantes, na cozinha, de garçom, em fábricas, empacotado caixas e até mesmo o clichê de quem trabalha no exterior em emprego não-qualificado: limpando banheiros. Mas com o passar dos anos, você vai dominando a língua, adquirindo mais conhecimentos sobre o local e a cultura, vai estudando e acaba, por consequência, entrando no mercado de trabalho qualificado.

Resumindo a história, para chegar ao ponto-chave deste artigo, entrei no mercado de telefonia, trabalhando para a maior empresa telefônica do Reino Unido, a British Telecom (BT). Especificamente, eu trabalhei na divisão da Openreach, onde o foco da minha equipe era a banda larga e provedores terceirizados. A partir daí que me cadastrei no LinkedIn e percebi que havia um outro mundo (uma enorme descoberta pra mim naquela época) muito mais além do meu currículo vitae. E percebi que esse mundo era mais dinâmico, mais interativo, com maiores possibilidades. Nesse mundo eu podia compartilhar mais informações, links e consumir conteúdos relacionados a minha área de atuação. Descobri perfis de pessoas no meu ramo, que podiam me inspirar a melhorar a minha própria descrição e podia me associar a recrutadores específicos da minha área de interesse. Achei isso tudo fantástico, e desde então estou ativamente usando quase todos os recursos da plataforma.

E o mais interessante, é que não é uma ferramenta somente para procurar empregos. Aqui me refiro ao meu comentário, lá meio no início, sobre oportunidades: é uma ferramenta onde é possível criar oportunidades de negócios. Seja você apenas alguém procurando emprego, seja você recrutador do RH de uma empresa, ou um recrutador freelance, comissionado, seja você um vendedor de serviços, produtos, cursos, treinamento, e qualquer outro negócio: a dinâmica é fantástica. O ponto principal onde quero chegar é que no LinkedIn, todos estão conectados, desde o funcionário junior até o CEO da empresa.

E lembre-se, você não precisa dominar cem por cento a língua aí onde você está nesse momento, ou onde você quer chegar para conseguir um emprego qualificado. No nosso caso aqui, no Reino Unido, a língua que preciso conhecer é o inglês. Mas pode ser que você esteja na Itália, Espanha, Marrocos, França, Índia, Rússia ou qualquer outro lugar do planeta. Seja onde for, você não necessariamente precisa ser totalmente fluente no idioma local para procurar emprego na sua área de atuação. É claro que, tem que ter um mínimo de conhecimento do idioma para se comunicar, e quanto mais fluente, maiores as suas chances.

Mas o que quero dizer é que se você migrou para algum país, e deseja trabalhar na sua área de atuação, entre agora mesmo no LinkedIn, utilize a ferramenta e suas funcionalidades para incluir as suas informações e se expor, para obter o resultado que deseja, seja ele qual for: emprego, contrato, serviços, etc.

Agradeço todos os dias pela minha trajetória nesses 20 anos de Reino Unido, incluindo todas as idas e vindas para o Brasil. Às vezes, eu acho que estou sonhando; onde cheguei e o que tenho agora: o reconhecimento, o respeito e as oportunidades que me aparecem diariamente, foi o efeito dessa constante utilização do LinkedIn.

Lembrando, porém, que o LinkedIn é uma ferramenta profissional e o conteúdo compartilhado nessa rede social deve estar de acordo. Nosso comportamento no LinkedIn também deve ser profissional. Digo isso porque algumas pessoas confundem as coisas e compartilham conteúdo achando que estão no Facebook. Não me entenda mal, uso o Facebook, Instagram e Twitter, e cada macaco no seu galho.

E como buscar emprego no exterior? Por onde começar? As minhas principais dicas para você são 4, e são dicas práticas, pra você agir logo de imediato. Com essas dicas você já pode se candidatar imediatamente a uma vaga de trabalho e aumentar ainda mais as suas chances de conseguir trabalhar onde e com o que desejar.

1. Atualize Seu Currículo

Reveja seu currículo, atualize suas informações. Salve uma cópia do seu currículo em Microsoft Word e uma outra em formato PDF. Muitos recrutadores pedem estes formatos, e às vezes, ambos. Esse exercício de atualização é importante para que você possa estar afiado sobre suas capacitações e experiências quando chegar o momento de falar sobre elas em uma entrevista, além de servir de base de revisão para você rever as informações de seu currículo, quando houver alterações.

Caso não saiba por onde começar, ou se tiver o seu currículo em um formato no qual não se sinta seguro de que está bom, há serviços freelance que podem ser contratados. Uma excelente plataforma que oferece esta opção é a Fiverr.com. Adicionei o link aqui pra você acessar e conferir.

“Pra quem não conhece ainda, ou conhece e não sabia que há esse tipo de serviços lá no fiverr ponto com, por que sugerimos usar essa plataforma e o que é Fiverr ponto com?

A plataforma é conhecida em vários lugares do planeta pelo seu formato de marketplace para pequenos trabalhos. É uma plataforma que faz a ponte de freelancers e quem precisa de uma ajuda a resolver tarefas rápidas e curtas.

No Inglês chamamos de Gigs, e no Fiverr chamam de Fiverr Gigs. Diferente de outras plataformas como Upwork.com e Freelancer.com, a Fiverr foca em trabalhos curtos e de entrega rápida. Em média os trabalhos são efetuados em até 3 dias.

Vale a pena conferir. O cadastro é gratuito, e além de revisores de currículos, há uma porção de outros serviços que poderá adquirir lá.”

Vale a pena o investimento, que é baixo, especialmente considerando-se os benefícios. E seu currículo será revisado por alguém que está por dentro do formato mais adequado na região onde você está. O Fiverr é um mercado online onde freelancers oferecem seus serviços, portanto procure aquele que seja mais condizente ao que precise, na língua do país onde você está. E pesquise o feedback de outras pessoas que utilizaram os serviços do profissional antes de contratar alguém.

2. Atualize Seu LinkedIn

Com o seu currículo em mãos e uma versão revisada, entre no seu LinkedIn (se ainda não tem conta lá, o que está esperando?) e utilize as informações do currículo para atualizar o seu LinkedIn. 

Atenção! Um erro muito comum que vejo as pessoas cometerem: colocar no título da profissão, algo tipo “Procurando Emprego”. Isso é um erro básico, que deve ser evitado, pois os algoritmos e ferramentas de busca usam esse termo como base quando alguém estiver procurando um profissional e ninguém vai escrever lá na busca “procuro alguém que esteja procurando emprego” normalmente escrevem “procuro um analista de testes”.

linkedin @blogbrasilcomz blog brasil com z

Escreva a sua profissão e não escreva algo parecido com “Aberto a novas oportunidades”

E inclua palavras chaves na sua área na descrição inicial do seu perfil. Palavras relacionadas a sua profissão, pensando no que a pessoa do outro lado estaria buscando para, assim, garantir que o seu perfil apareça nos resultados de busca.

linkedin @blogbrasilcomz blog brasil com z

No campo de descrição sobre você, utilize o máximo de combinações de palavra-chaves na sua área de atuação.

E se possível, use as funcionalidades de publicação. Tem algum texto, alguma idéia, alguma solução? Ou apenas alguma história que contaria em uma entrevista de trabalho ou para um colega de trabalho? Publique no LinkedIn. Pessoas gostam de histórias.

linkedin @blogbrasilcomz blog brasil com z

Escreva posts, artigos, pequenas histórias relacionado ao seu ramo de atuação.

3. LinkedIn Espelho de Seu Currículo

Certifique-se de que seu perfil no LinkedIn seja sempre um espelho do seu currículo, principalmente em relação às datas. Estas são super importantes bem como dados de contato, para garantir que os recrutadores possam lhe contactar. Recrutadores tipicamente observam esse tipo de informação pra ver se você é atento a detalhes. Eu participo de revisões de currículos e entrevistas juntamente com clientes que estou prestando consultoria e um dos pontos que olhamos é esse.

Um ponto básico, pasmem, mas muito comum, é as pessoas cometerem erro de digitação no telefone e/ou email. Acontece que, às vezes ficamos super interessados em entrar em contato com uma certa pessoa, mas o telefone está com um dígito errado ou o email foi digitado incorretamente. Para minimizar o risco deste problema, eu sempre incluo três formas de contato: email, telefone e link para o meu perfil no LinkedIn.

E isso sem mencionar erros básicos de digitação, que todos nós cometemos, até mesmo os mais atentos. Então, revise, revise e revise constantemente. Até mesmo porque, quanto mais ativo for o seu perfil, mais as ferramentas de busca e algoritmos da plataforma lhe darão lugar preferencial nos resultados de busca e o seu perfil vai ficar mais visível.

4. Conhecimento Técnico versus Conhecimentos Gerais

O recrutador fará perguntas para expor sua capacidade técnica, o conhecimento que você tem na sua área de atuação e suas capacitações na solução de problemas que a empresa deseja suprir com os seus serviços. Possivelmente, na área de sua capacitação técnica e sobre a sua habilidade de efetuar o que sabe, você falará com entusiasmo e demonstrará, confortável e razoavelmente, o que é capaz. 

O segundo ponto é o fato de que irão fazer perguntas não-técnicas, de conhecimentos gerais, para tentar expor um pouquinho de sua personalidade. Na preparação para uma entrevista, pratique e considere sobre como responder perguntas de conhecimentos gerais ou habilidades interpessoais. Foque no que você sabe de melhor. Descreva, dando um exemplo de uma situação real que vivenciou anteriormente, algo que, de alguma forma, alinhe-se com a descrição do trabalho para o qual esteja sendo entrevistado.

Percebe-se que, em muitos casos, essas são perguntas que muitos ficam apreensivos e não sabem muito bem como ou o que responder. E o que os recrutadores buscam observar com estas perguntas, é a forma como a pessoa interpreta a pergunta e como nos relata um fato. Via de regra, são perguntas que exploram situações difíceis com relação a alguma tarefa, uma pessoa que faz parte da equipe, a gerência, diretrizes da empresa, contatos ou algo que ocorreu externamente.

Em geral, as perguntas parecem simples, e normalmente são. Observe alguns exemplos de perguntas e imagine-se respondendo essas perguntas:

#1. “Me fale um pouco sobre você. E como começou a trabalhar nesse ramo?”

  • Mantenha a resposta simples e direta. 1 a 2 minutos é o suficiente.

#2. “Conte-me sobre alguma situação desafiadora que você encontrou no passado e como você superou isso?”

  • Use fatos e tente ser o mais positivo possível. 
  • Mesmo que tenha sido uma situação difícil de superar, demonstre como você conseguiu contornar a situação e a superá-la.
  • Não seja pessoal e jamais fale negativamente sobre um ex-colega ou ex-gerente. Isso demonstra maturidade de sua parte.

#3. “O que está buscando neste novo cargo? Fale um pouco sobre seus objetivos, e o que deseja fazer e onde deseja chegar, e o que te leva a pensar que essa vaga irá lhe proporcionar o que você quer?”

  • Não demonstre muita ambição, em muitos casos, a simplicidade funciona melhor do que o exagero. Você não quer se comprometer demais se por algum motivo não consiga suprir as expectativas lá na frente.

Enquanto estiver falando, se posicione como alguém que irá agregar valor a vaga que estão lhe oferecendo. Você é nada mais, nada menos que uma ferramenta para a resolução de problemas, você está aqui para ajudar, tanto aos indivíduos quanto a toda a equipe. E lembre-se, aprecie a oportunidade. Afinal de contas, o que o recrutador realmente quer encontrar é alguém que vá resolver o problema dele.

E não ignore ou deixe de ponderar a respeito destas perguntas antes da entrevista. Já passei por ocasiões onde os recrutadores e gerentes preferiram concentrar boa parte da entrevista nas perguntas de conhecimentos gerais, muito mais do que nas perguntas técnicas. Pra lhe dizer a verdade, eu, pessoalmente, dou mais preferência a essas perguntas também. Conhecimento técnico é algo em contínuo desenvolvimento, que se aprende, e personalidade não necessariamente. 

Para finalizar, lembre-se de não fechar portas. No meu caso, trabalho com contratos temporários, variando de 3 meses a 12 meses, dependendo do projeto. E é importante deixar as portas abertas. Tive casos de retornar para a mesma empresa para trabalhar em outros projetos, e com a mesma equipe. E como há outras pessoas no meu ramo de atuação, é possível cruzar com colegas com que trabalhei em outros projetos anteriormente, ou ter contato com pessoas em comum.

E sim, é possível relacionar-se com pessoas difíceis de interagir e de se trabalhar ao longo do caminho, mas tudo depende de como você consegue lidar com isso. Sair ileso da situação é o que importa.

Espero que estas dicas ajudem você a se preparar melhor para a busca de um novo trabalho, seja no período de crise em que vivemos ou não. Boa sorte na sua busca!

Comente aqui se estão seguindo essas dicas e se houver algo mais que gostaria de ver aqui, entre em contato conosco.