Hoje me disponho a discorrer sobre considerações que todos nós deveríamos fazer antes de decidir sair do país. 

Antes de mais nada…

O primeiro passo, é tu pensar muito bem sobre os motivos pelos quais tu estás saindo do país. Sair do Brasil provavelmente significa ir pra longe da família e dos amigos. Isso pode significar um desligamento temporário ou permanente de uma rede de apoio que tu provavelmente tem hoje. Tu estás disposto a isso? Tu estás psicologicamente preparado pra isso? A pessoa precisa de muita resiliência pra deixar isso pra trás. Claro que com o mundo de hoje, temos N maneiras de nos comunicarmos online. Mas nada substitui um abraço, um beijo, um carinho. Posso falar de cadeira sobre isso, pois sai do país sozinha e tu tens que estar emocionalmente muito forte pra poder te virar no exterior até tu conseguir formar uma nova rede de apoio. E isso leva tempo! Conheço pessoas que nao se adaptaram a isso e resolveram voltar. Ou ainda pior, conheci gente que acabou nunca voltando, e resolveu que a solução era acabar com tudo 🙁

Não vou só…

A coisa pode ficar um pouco mais complexa se tu estás mudando de país com a tua família, envolvendo crianças. Teus filhos tem que estar preparados pra essa mudança, que não é fácil e afeta não só cada indivíduo saindo do país, mas também as relações familiares entre eles. Todos tem que estar muito de acordo com essa mudança, e muito preparados pra este desenraizamento.

E as coisas boas?

Por outro lado, sair do pais te abre um leque de opções novas e magníficas: tu descobre uma nova língua, uma nova cultura, faz novas amizades, conhece lugares novos, aprende tanta coisa diferente sobre esse mundo maravilhoso em que vivemos! Mas todas as escolhas significam abdicar de algo. E o que tu tens que botar na balança é do que tu estás disposto a abdicar neste momento da tua vida?

Se depois de ponderar sobre isso, tu ainda tens planos de sair do Brasil, a próxima consideração é pra onde ir? Pra que país, das quase 200 opções, tu vais? Nossa, tem tanta coisa a se considerar nesse quesito! 

Photo by Sergio Rodriguez – Portugues del Olmo

 

Posso mesmo ir?

Claro que é importante pensar em coisas práticas, tipo, tu pode ir pra o país escolhido livremente? Precisa de visto? Precisa de permissão ou alguma outra exigência? Tu pode ir morar naquele país indefinidamente ou pode ficar só por um tempo mais curto?

Gente, a questão de visto para vários paises pode ser bastante complexa! Meu conselho é pesquisar muito, e com bastante antecedência, MESMO! Além de ficar sempre ligado em mudanças que possam ocorrer entre o início da tua pesquisa e tu aplicar pro visto que tu precisa. 

Outra opção bem interessante é contratar um especialista em vistos para o país que tu pretende visitar ou te mudar. Como eu mencionei, a questão de visto pode ser um campo minado, e uma pessoa que entende bem o sistema do país que tu busca visitar ou morar, pode ser fundamental. Claro, isso vai ter um custo, mas pode evitar muita dor de cabeça e muitas vezes fazer até mesmo com que tu economize dinheiro! E busca informações de fontes confiáveis. Procura o consulado do país em que tu quer ir morar ou visitar, e vê que informações eles tem no site. Pela minha experiência, sites de consulados têm as informações que tu precisa, porém nem sempre elas estão dispostas da maneira mais fácil de se encontrar. Mas procura que tu acha! 

Mim não falar seu língua…

Ainda uma questão importante a se considerar é o idioma! Tu já fala a língua do país escolhido? Se sim, que nível de fluência tu tens e que nível de fluência tu precisa pra te estabelecer por lá? E se tu não fala o idioma, como tu vais aprender? Tu já tens um plano pra isso? Claro que tu pode ir pra qualquer país sem falar a língua do lugar. Porém, vamos combinar, né? Tudo fica BEM mais fácil quando tu consegue te comunicar sem barreiras no lugar onde tu estás. E o nível de domínio do idioma local que tu precisa vai depender do teu objetivo por lá. Se tu vai para uma semana de férias num resort ou se tu vai morar lá pra lecionar numa universidade local, tu precisa de níveis bastante distintos de fluência oral e escrita. E lembra que existem sete países no mundo, além do Brasil, que falam português, além de três outros lugares onde o português é idioma co-oficial.

E o que mais?

Pessoal, tem muitos outros aspectos a serem considerados antes de escolher pra que país tu vais: quanto tu sabe da cultura e costumes daquele lugar? Será que tu consegue te adaptar a estas mudanças? E em relação ao clima, rotinas, geografia local, comidas típicas? Tem como conseguir aquela tapioca ou aquele bolo de fubá? E a diferença de fuso? Isso pode influenciar na tua comunicação com família e amigos no Brasil.

O clima de um lugar é determinante do estilo de vida local: o clima define a rotina dos habitantes, os tipos de alimentos disponíveis, as modalidades esportivas praticadas, o estilo de moradia, transporte, vestimenta, o tipo de economia, entre tantos outros aspectos. 

Minha experiência pessoal

Eu saí do Brasil em 2003 e na época não imaginava quão intenso seria o impacto causado por certas mudanças na minha vida. A minha pele, cabelos e unhas mudaram, todo o meu organismo tem outro funcionamento aqui. Sou mais tolerante ao frio, bem menos adepta ao calor e desenvolvi uma alergia a mosquitos.

Mas o principal, foi a mudança que ocorreu na minha mente. Vejo o mundo de outra forma, com outros filtros. Não sou mais a mesma pessoa, não apenas porque envelheci e amadureci durante estes anos mas pelas culturas que experienciei, que me ensinaram coisas novas. Aprendi não só sobre estas outras culturas, mas principalmente, estas experiências e vivências me fizeram enxergar melhor quem eu era, e quem eu sou. 

Foi através das diferenças que eu consegui delimitar a minha própria cultura e também a minha própria identidade. E hoje não sou mais so uma brasileira, mas sou também um pouquinho de cada cultura que conheci e que deixou um pouquinho de si em mim. Amo este processo de constante mutação. Espero que isso nunca mude e que eu continue me transformando através de novas vivências e novas culturas pois como já dizia o poeta, eu prefiro ser essa metamorfose ambulante…