Eve
Berlin, Alemanha

 

Eu nem poderia falar do “café da Alemanha”, porque eu não tenho a mínima idéia de como é o café em Munique, por exemplo. Estou esperando convites para saber, na verdade. 😉 Além de ser suspeita pra falar, pois gosto muito de café. Gosto puro, com açúcar.

Quando cheguei na Alemanha aprendi a ser reticente na hora de aceitar café em casas de amigos ou conhecidos. Também aprendi a não criar muita expectativa quanto à qualidade… Alemão também gosta muito de café, assim como gosta de chá. Mas, alemão não faz café como brasileiro. Faz como se faz chá. Pelo menos, foi a essa a conclusão que eu cheguei depois de já ter tomado tanto café nas casas alheias.

Se for a uma cafeteria e pedir um espresso, o sabor será forte e marcante, como deve ser. Mas, se estiver visitando um alemão, desde que ele não tenha nenhuma ligação com o Brasil ou países que fazem um melhor café, o café será chá de café, servido sem açúcar e com leite. Eu chamo o café caseiro alemão de “chafé”. Por quê, né?

E se um alemão vai até a minha casa, aviso logo: é brasileiro e forte.

Apesar do café ser fraco, muitas vezes o grão é brasileiro. Pois é. Na minha casa, só compro o grão torrado, que é moído na hora da Tchibo. Brasileiro, claro.

Não posso deixar de destacar o charme de alguns cafés daqui. Existem dos mais famosos, como Starbucks, aos de bairro e aqueles de ambiente alternativo, com móveis comprados em Flohmarkt (mercado das pulgas) e bolos caseiros. Cada um com sua vantagem. Mas, eu bem prefiro o alternativo.

Alemão também gosta muito de frequentar cafés. Fazem isso tanto para apreciar a bebida, quanto para encontrar amigos, ler um livro ou jornal, trabalhar, passar aquela horinha antes de algum compromisso, ou só relaxar.

Quando eu for chique e rica, passarei minha tardes pagando para beber café e comer tortas deliciosas.