Skip to content

100 observações de uma brasileira na Holanda

21/11/2014

bz_holanda

Ana Fonseca

Amsterdam – Holanda

Já fazem mais de 15 anos que cheguei à Holanda e muita coisa me adaptei. Sou muito pontual, adoro agendas e listinhas e cumpro minhas promessas. Porém há hábitos aqui que ainda acho absurdos ou rechaço.  Eu gosto de ser franca e falar a verdade como os holandeses, mas não desprezo uma fina ironia. Detesto creme batido, drop, rotatórias e falar tudo no diminutivo. Creio que por isso sou mesmo uma undutchable em certos aspectos.  Na minha lista de observações eu não cobri tudo, claro que não. Impossível. Apesar de para alguns poder soar exagerado, tudo listado aqui é verdade. Mas atenção: a sociedade holandesa é bem dinâmica, e muita coisa muda em pouco tempo ou de região para região do país.

1. Aqui na Holanda praticamente não tem fila em banco pois todas as transações bancárias são feitas online.

2. A produção no trabalho é uma das mais altas do mundo e há muito burn-out : incapacitação para o trabalho devido ao stress.

3. A Holanda é único país do mundo sem cachorro nas ruas. Isso sem ter sacrificado um animal sequer. Através da aplicação de multas altíssimas aos donos que abandonam os cachorros (identificados por um chip obrigatório inserido no animal), esterilização gratuita, e conscientização sobre o peso de se ter um animal doméstico, o governo conseguiu índice 0 de cachorro vira-lata.  Leia mais sobre isso aqui.

4. Não existe piada de gay, nem de pobre, de mulheres (ok, de louras até que existe), ou de alguma minoria étnica. Em compensação, tem muita piada sobre belgas.

lex

Fazer piada sobre a família real é considerado de mau gosto; embora já tenham feito muitas piadas sobre o atual rei Willem Alexander quando ele era jovem e solteiro – “príncipe cervejinha”/prins pilsje – e a princesa consorte, a argentina Máxima. Chamavam os dois de Lex & Max. ;P

Willem5. Se você é homem e usa uma camisa rosa choque, calças colantes, sapatinhos coloridos, cabelos muito longos, brincos e anéis… ninguém liga. No máximo dizem que ele tem um estilo “metro” de se expressar e ser feliz. 😉

6. O topless é prática comum. Entre as adeptas, tem muitas idosas.

7. Ao contrário das padarias e supermercado brasileiros que vendem a maior parte dos pães de manhã cedo, o horário de pico da venda do pão na Holanda é na hora do almoço. O pão mais vendido é o integral fatiado. O pão baguette é o menos consumido pelos holandeses. Os pães luxo são os de spelt, ou com sementes (girassol), aveia, biológicos, etc..

8. Praticamente não se come refeição na hora do almoço. O holandês típico prefere comer sanduíches (“broodjes”), iogurtes, frutas (as campeãs são maçã, banana), croquetes, talvez uma sopinha cremosa no inverno, etc.. Sempre muito leve e rápido.

9. Há muitos produtos importados no supermercado. Adquiri-los não é símbolo de status, apenas significa que a pessoa gosta de cozinhar coisas diferentes. Antigamente você só podia encontrar produtos asiáticos ou sul americanos em tokos, que são lojinhas asiáticas.

10. A classe média não tem empregada doméstica. Os pais tem que fazer verdadeiros malabarismos para conciliar o trabalho com as tarefas domésticas e os filhos. Os avós geralmente não ajudam, ou só muito parcialmente. 😦

11. Os homens frequentam tanto as academia de ginástica quanto as mulheres. Geralmente à noite depois do jantar e sempre atividades “cardio”: spinning, zumba, etc..

12. Na Holanda a babá das crianças não são os avós. Há creches que custam caro e as crianças podem ficar em período integral. Quando vão para a escola podem comer seu sanduíche trazido de casa lá mesmo na escola (paga-se para a criança ficar na escola na hora do almoço) e quando a escola termina podem ficar na escola até os pais chegarem. A “pós-escola” também custa uma nota 😦 e tem muitas atividades e responsáveis bem treinados.

13. Não tem ralo no banheiro nem na cozinha. Você aspira o chão do banheiro e da cozinha e depois usa lenços umedecidos descartáveis. Água sanitária não é muito empregada.

14. Os prédios nas cidades não tem lixeiras. Você tem que descer com o lixo devidamente separado (“orgânico” do “inorgânico”) ensacado e deixá-lo na rua num determinado dia da semana. Papel é recolhido uma vez por mês segundo uma agenda fornecida pela prefeitura e vidro você deve levar para contêineres bem grandes localizados perto de supermercados (há um contêiner para vidro claro e outro para vidro escuro). Roupas, toalhas e sapatos em boa condição que desejam ser descartados podem ser depositados em contêineres da Cruz Vermelha, também localizados próximos a supermercados.

15. A maioria dos edifícios conta com um depósito no ático, que é uma espécie de quartinho trancado a chave. Lá você guarda os seus objetos como malas, bicicletas, ferramentas, tecnologia obsoleta, casacos de inverno, etc..

16. O prato mais popular de inverno é o stamppot (purê de batatas com legumes e carne, tudo misturado). Tem mil variações do stamppot. A sopa de ervilhas e carnes (erwtensoep) também é outro prato extremamente popular no inverno.

17. As mulheres são muito altivas e assertivas. Mesmo as que não trabalham fora às vezes comandam toda a vida familiar e as finanças. Os holandeses medem o desenvolvimento de outros países pelo nível de independência e assertividade do sexo feminino nesses países.

18. Os muito ricos são bem discretos, quase não se nota muita ostentação pública. Eles preferem ostentar suas riquezas entre eles. Também não aparecem em colunas sociais ou dão entrevistas. Aparições públicas, holofotes, mostrar a própria casa… Isso é coisa para novos-ricos e profissionais da área de entretenimento (TV, esportes) e não para os milionários de classe e tradição.

19. É comum os casais saírem para lugares diferentes, mesmo no início de um relacionamento. Os maridos saem com os amigos para um lugar e as esposas e mães saem com as amigas para outro. Há também ladies night nas quarta-feiras em cinemas, casinos, saunas, spas onde só mulheres frequentam. É também popular entre as islâmicas, que não gostam de saunas mistas. Muitas mulheres solteiras curtem muito sair só com amigas durante ladies nights. 🙂

20. Quando as temperaturas sobem, os homens holandeses adoram usar bermudas de cores kaki e grandes bolsos laterais. Parecem que estão sempre preparados para ir a um safári. E adoram usar sandálias Jesus Cristo.

21. Muitos bares e cafés na Holanda oferecem jornais e revistas gratuitas. Mas o holandês não lê muito em público.

22. Aqui na Holanda está na moda sair para comer tapas. 🙂 O conceito e porção são diferentes do que se vê na Espanha e algumas tapas são meio confusas. 😦

23. Todo mundo torce pelo seu time de futebol local, como é de se esperar, mas sem ardor. Os grandes estádios de futebol são de arquitetura e tecnologia muito sofisticada. Durante jogos a segurança feita pela polícia do lado de fora é à cavalo.

24. As crianças holandesas fazem muitas atividades extracurriculares. Instrumentos musicais, atividades esportivas, coral, dança. Os mais populares são futebol, ballet, judô, aprender violão. É considerado chique fazer hockey, equitação, tocar violino. Na escola a aula de ginástica é só ginástica.

25. Gasta-se bastante com flores e plantas o ano inteiro, mesmo se você não morar numa casa com jardim. Há plantas em apartamentos, salas de parto, consultórios médicos, escolas, escritórios, creches, cafés… 🙂

26. Muita gente que tem uma casa com garagem prefere fazer obra e usá-la como extensão da sala de estar. O carro fica na rua o ano inteiro. Eles colocam um chalézinho no quintal para guardar a tralha que geralmente ficaria na garagem (bicicletas, material de jardinagem, etc.)

27. O voto não é obrigatório e o sistema de eleição é de listas fechadas.

28. Aqui na Holanda praticamente mais metade de população não tem religião professa. Muitas igrejas se tornaram escritórios de empresas, moradias, discotecas, clubes, etc.. 🙂

29. O sobrenome holandês mais comum é de Bruin. Outros comuns: Zwart, Wit, de Jong, Smit, Visser. O mais clichê é… Van Dijk (ou van Dyke). Sim, o sobrenome Fokker é comum entre descendentes de holandeses nos EUA e alvo de piadas (lembram do filme comédia “Meet the Fockers” com o Robert de Niro, B. Streisand e D. Hoffman ? Os pais do noivo eram bem “alternativos” e com um sobrenome holandês). Sim, os Fokkers não são lenda urbana; eles continuam a existir e procriar na Holanda, imbatíveis, prósperos e orgulhosos do sobrenome. 😉

BLOG Fockers

30. Na Holanda o comércio fica oficialmente aberto até às seis da tarde mas antes disso já estão fechando as portas. Na segunda-feira só abrem após meio-dia ou uma hora. Há sempre uma noite de compras (koopavond) que geralmente é a quinta-feira ou a sexta-feira quando as lojas ficam abertas até mais tarde, umas 21h. Mas aí muitos comerciantes fecham de 18h as 19h para jantar. Em muitas cidades há um domingo no mês que abre o dia inteiro. 🙂

31. Há pontes que se abrem ao meio e levantam. Os carros tem que esperar os barcos passarem e a ponte baixar. Você fica olhando com cara de paisagem para aquele paredão de asfalto. É uma boa desculpa para chegar atrasado ao trabalho.

32. Muitas holandesas solteiras ou com filhos preferem ter um contrato part-time e trabalhar só 32h por semana ou até menos. Geralmente combinam com os empregadores que o dia livre será a quarta-feira (veja item # 19 acima). Isso porque a escola das crianças nas quartas não é integral e termina ao meio-dia. As solteiras ou sem filhos gostam de trabalhar part time para ter tempo livre para suas atividades pessoais e hobbies. Empregos part time estão cada vez mais raros. 😦

33. Você só paga as contas ou com débito automático ou online. Há também a autorização de débito que enviam para seu endereço, você assina e coloca numa caixa do banco na rua.

34. Mais e mais cruzamentos são substituídos por rotatórias. Algumas rotatórias tem esculturas imensas no meio, duas ou mais pistas com diversas saídas, limite de velocidade, semáforos e também pistas para bicicletas. Ou são acopladas numa sucessão de outras rotatórias (eu as chamo de “mandalas”). A mais perigosa do país está em Utrecht (apelidada pelos locais de “a rotatória da morte”). A segunda mais perigosa do país está em Zaandam.

35. Os carros param para os pedestres cruzarem na faixa. Principalmente quando não há semáforos. Os carros também não ficam perseguindo ciclistas, buzinando, etc. 🙂 Apesar das bicicletas não fazerem parte do trânsito, interagem com ele e muitos ciclistas são muito abusados. Por exemplo: quando um ciclista quer mudar de pista apenas estica o braço esquerdo horizontalmente e cruza a rua sem parar ou desacelerar. Os motoristas vindo atrás que se danem ! 😦

36. O vendedor nas lojas não ficam atrás de você. Pelo contrário, você é quem tem que ir atrás dele.

37. Não existe pagamento com cheque e o povo quase não usa dinheiro. A maioria das compras é feita em cartão de débito automático (pinpas) e compra a crediário não existe. Décimo terceiro salário também não existe. 😦

38. Os caixas eletrônicos ficam bem expostos na rua.

39. A minoria que mais sofre com preconceito são os marroquinos. Os mais adorados são os de cultura anglo-saxônica (americanos, canadenses, ingleses, australianos…).

40. Os holandeses são muito industriosos. Mas não necessariamente resilientes nem tem a mentalidade “não desisto nunca” – há sempre um “plano B” para entrar em ação. 😉

41. Aqui na Holanda eles fazem muitas perguntas começando por “talvez”. Mostra cautela e educação. Eles também às vezes pedem permissão para começar a fazer perguntas: “Posso talvez perguntar algo ?”

42. Aliás, se você fizer duas perguntas simultaneamente vai dá um nó na cabeça dos holandeses. Exemplo: “Esse ônibus vai para Amsterdam ? E desce na Estação Central ?” O motorista realmente não vai saber o que responder… faz uma pausa… e pergunta “Você quer saber o quê mesmo?” Ou então pra garçonete na pizzeria: “Você tem pizza Margherita ? E champignon?” Ela vai fazer uma pausa antes de responder e ficar olhando com cara de poucos amigos… Óbvio, você não  deu bom-dia nem perguntou se podia TALVEZ começar a fazer UMA pegunta…

43. Muitos políticos são movidos por puro idealismo. Os salários não são tão altos quando você compara aos do setor privado. 🙂

44. A geração mais idosa tem desconfiança e um pouco de rancor dos alemães. Porém durante a Segunda Guerra Mundial e logo depois o número de bebês nascidos de mães holandesas e pais alemães foi estimado entre 10 e 20 mil.

45. Muitas mulheres estão em busca de um desenvolvimento espiritual através de práticas esotéricas, terapias alternativas, meditação, ayurveda, yoga, estudo das chakras e auras, poder do pensamento, etc.. A revista holandesa Happinez (eu não escrevi errado não: a editora e criadora da revista se chama “Inez”) é um best-seller das revistas: páginas sobre terapias orientais, o significado secreto da flor de lótus, sexo tântrico, depoimentos de vidas passadas, receitas vegan, super foods, sugestões de livros budistas, como decorar a casa em estilo zen, dicas de viagem pela Ásia e uma loja online para se comprar amuletos, jóias israelenses / turcas / apaches / místicas de poder oculto, altares tibetanos, mantas peruanas, velas de cera de abelhas, etc., etc,. Nem preciso dizer que o Dalai Lama vive lá dentro da Happinez dando entrevista. Lógico que até o Paulo Coelho tem uma coluna na Happinez. Essas leitoras em busca de mindfulness levitam pela manhã e à noite se iluminam.

46. Os salários costumavam ser muito equiparados entre as profissões – mas isso anda mudando bastante.

47. É raro um amigo aparecer espontaneamente na sua casa para te visitar. Geralmente ligam par marcar um dia e horário (een afspraak maken). Eles seguem à risca os compromissos da agenda (afspraken) e se não podem comparecer devido à algum imprevisto ligam para desmarcar e remarcar quantas vezes for necessário.

48. Muitas mulheres quando têm filhos passam a ter o cabelo super curto. É quase sempre bem batido atras e dos lados, com gel e espetadinho na frente. Também são adeptas de um look natural, praticamente sem maquiagem ou esmaltes.

49. No país não faltam brown cafés (não confunda com as coffee shops). Você bebe álcool, pede umas biterballen (croquetinhos empanados em forma de bolinhas e servidos com mostarda) ou o clássico bittergarnituur (uma combinação de croquetinhos, mini rolinhos asiáticos, queijinhos, linguicinhas, suflezinhos de queijo, etc.).

50. Os nativos chamam o país de Nederland, “As Terras Baixas”. Holanda é um termo que corresponde apenas à região mais oeste do país e se divide em Holanda do Norte e Holanda do Sul. As outras províncias ou regiões da Nederland são: Utrecht, Noord Brabant, Drenthe, Groningen, Friesland, Overijssel, Gelderland, Zeeland, Flevoland (a ilha artificial recente construída no mar interior) e Limburg.

51. Aqui nos Países Baixos (hehe) todo mundo aprende desde cedo o inglês e mais duas línguas na escola básica, geralmente o francês e o alemão. O francês é muito difícil para um holandês que não mantenha contato com a língua regularmente. A língua alemã é mais acessível. Os que falam inglês tem um sotaque peculiar (trocam o som do “v” por “f”, por exemplo).

52. Nem todo jovem inteligente vai para as universidades. A maioria prefere fazer cursos técnicos. Há também o HBO que é uma escola de altos estudos para alguns cursos que não são nem técnicos do segundo grau nem de nível universitário. O tipo de curso de ensino médio que você vai seguir é definido durante seu último ano de escola básica ao redor dos 11 anos de idade e depende do resultado dos seus CITO testes que medem não só conhecimento de todas as matérias mas também seu nível de inteligência.

53. As estações são bem definidas. Às vezes você tem quatro estações… em um único dia! O sol só se põe às onze da noite no pico do verão. Mas geralmente tenho a impressão que vivo num eterno outono.

54. Holandeses adoram uma bala escura, salgada (!) e fedida (!) chamada “drop” (licorice). É azeda, tem um gosto de plástico misturado com coentro de revirar os olhos. Um purgante. Muito popular entre os holandeses. Proibida para grávidas.

55. Os prédios não tem playground. As crianças brincam nas pracinhas ou parquinhos públicos.

56. As lojas holandesas oferecem descontos de até 70% no verão e no inverno. São os famosos “solden”. 🙂

57. O cinema nacional no geral é bom e recebe muitos subsídios do governo. Claro que é necessário separar o joio do trigo, como em todas as artes.  Hoje destacam-se muitos filmes de arte para criança, exportados para diversos países europeus. A Carice van Houten é a estrela absoluta e faz filmes para crianças, dramáticos, de época, comédias, suspense, tudo (atualmente ela está em Game of Thrones como a personagem “Melissandre”. A Holanda também imita muito os roteiros de filmes estrangeiros bem sucedidos, sempre em versões muito forçadas. 😦

Minoes frans Minusch

Miss-Minoes

Acima, o filme infantil holandês “Minoes” com Carice van Houten na versão francesa, alemã e inglesa. Pura arte para crianças e adultos, bem europeu. Abaixo, Zwartboek (“The Black Book”) filme sobre a II Guerra dirigido por Paul Verhoeven. 

zwartboek-poster Black book

58. Aqui nos Países Baixos as artes plásticas são muito apreciadas devido  à riqueza de pintores flamencos da Idade de Ouro (sec. XVII) como Rembrandt, Vermeer, Van Dycke e muitos outros. Eles se tornaram o parâmetro pelo qual o mundo julga os Velhos Mestres da Holanda. O jogo de luz lateral, o fundo negro com natureza morta ou elementos humanos com o rosto em 3/4… Eles ainda hoje influenciam e inspiram diretores de cinema, fotógrafos e comunicadores visuais em geral. 🙂

girl

59. A patisserie holandesa segue a linha francesa. Biscoitinhos (koekje) são popularíssimos. Há tartelettes, macarons, telhas, coulis, chantilly (slagroom). Mas não conhecem muitos pudins caseiros, trufas, brulées… Tortas são muito populares, principalmente de maçã com massa grossa. E chocolate, iogurte, cream cheese… tudo com massa sempre fininha. O creme de leite batido (slagroom) pode ser servido sobre quase tudo líquido ou sólido. Você pode pedir chocolate quente com ou sem creme, café com ou sem creme, torta de maçã ou chocolate com ou sem creme. E até sorvete com ou sem creme. Eles acham um produto inofensivo, saudável e natural. Nem tem essa de entupir as artérias.

60. O doce mais tradicional do reveillon é o oliebol. É uma massa redonda de pão frita que pode ser com ou sem passas e salpicada de açúcar. Come-se semanas antes do reveillon e no café da manhã e almoço do dia 1 de janeiro.

61. Não é comum dar presentes para as crianças no Natal. Normalmente, as crianças só recebem presentinhos do Sinterklaas e por volta do dia 5 de dezembro. O Sinterklaas chega no meio de novembro à Holanda e fica aparecendo durante dias e dias por toda o país. O Sinterklaas volta para a Espanha (?!) com seu barco a vapor (!!) dia 6 de dezembro. O Papai Noel existe mas é considerado uma criação artificial e por isso ignorado.

62. A brincadeira do amigo oculto é levada super a sério. Você ganha seu presente e fica sem saber quem te sorteiou. Antes de abrir o presentinho há um poema que deve ser lido em voz alta (e foi feito secretamente pela pessoa que deu o presente/retirou seu nome). No poema há uma crítica leve ao comportamento da pessoa, ou se ela superou alguma dificuldade ao longo do ano e por isso o Sinterklaas está satisfeito com ela, etc.. No final, ao acabar de ler o poema a pessoa (mesmo se estiver magoada) deve dizer em voz alta “Obrigado(a) Sinterklaas” e ir abrir o presentinho. E intimamente fazer uma auto-análise para ser melhor no ano seguinte. 😛

63. Ninguém te parabeniza no dia do seu santo. Os católicos são minoria no país e não são praticantes fervorosos. Moram geralmente “abaixo dos rios”, no sul dos Países Baixos (Limburgo).

64. Na Holanda não se misturam várias comidas em um único prato. Cada comida é servida em pratos diferentes. A única exceção é para o stamppot, um amassado de batatas e legumes servido com salsichão defumado ou bolas de carne moída.

65. A maioria dos restaurantes não abre para o almoço, a não ser lunchrooms chineses ou surinameses, ou vendendo apenas ou sopas ou saladas. Mas se tivesse comida a quilo acho que daria muito certo, mas só para o jantar. O povo gosta de comer pouco e pagar justinho pelo que come. 😛

66. Nos Países Baixos come-se broodjes (sanduíches) a partir de meio-dia até duas da tarde. E jantam em casa muito cedo, entre 17:30 e 19:30. Os cafés e restaurantes abrem a partir das 18h em ponto e fecham às 22h. Se você quiser visitar alguém à noite ligue sempre para marcar para depois das 20h.

67. Os holandeses consomem muito café e cerveja. Um dos índices mais altos do mundo.

68. Não adianta fazer sinal para o táxi parar na rua. Você tem que ir até o ponto de táxi. Ou ligar para ele ir te buscar.

69. E não dá para pegar ônibus fora do ponto. Se ele está no minuto de sair mesmo que você venha correndo e fazendo sinal pro motorista ele não te espera. Arranca e vai parar num sinal vermelho a 5m de distância te ignorando. Você pode bater na porta e sorrir que ele te ignora. 😦

70. Aqui nos Países Baixos as praias são bonitas e não faltam. Muitos bares e restaurantes que funcionam na areia da praia são desmontados e recolhidos após o verão. Puf ! desaparecem. Você só vê aqueles alicerces e pilares na areia. 😛

71. O fluxo de turistas é enorme, principalmente na conurbação Randstad (Amsterdam, Haia, Roterdã e Utrecht).

72. A festa das crianças holandesas na escola é breve e discreta. Geralmente consiste em dar um saquinho com alguns caramelos e balas e só. A criança tem uma festa em casa com os parentes e amigos dos pais. E depois organizam uma data de saída (para um boliche, rinque de patinação passeio no bosque, ou barco, jogos a laser) com os melhores amiguinhos. Mais e mais pais preferem organizar uma noite do pijama onde os amiguinhos são convidados para jantar hamburgueres, comer uma torta, ver um filme na TV e dormir em colchões espalhados pela sala.

73. Aqui nos Países Baixos se fala palavrão incluindo a palavra “Deus” tais como “Goh”, “godverdamme”. E também doenças: “Pegue a cólera !” Os bem educados e crianças nunca falam “shit” mas “chips”. Acho fofo. 🙂

74. A variedades de nomes é imensa. Dão preferência para nomes curtinhos (Inge, Suus, Juul, Pim, Wim, Max, Ria, Tim, Sem). Mas há mais e mais nomes estrangeiros (Romário, Djanira, Brad, Jennifer, Angelina, Milan, Miranda), inventados (Costiaan, Kylianna), frísios (Femke, Wytske, Lonneke, Renske, Melle), de significado romântico (Carice, Fleur, Gaia), andróginos (Jip, Kim, Demi, Puck, Jules), etc.. Geralmente as pessoas são registradas com até três nomes e só um sobrenome, sempre o do pai. E aí a pessoa escolhe qual nome quer usar e ignora os outros. Por exemplo: Hellen Bernice Emerentiana de Bruin, mas prefere ser chamada de “Emmy” (diminuitivo do Emerentiana). É considerado muito chique ter o sobrenome do pai e da mãe – separados por um hífen – e isso só é permitido em casos muito excepcionais.

75. Nos Países Baixos não se costuma dar tapinha nas costas ou na barriga dos amigos. Nem acariciar a barriga de grávidas. Nem apertar as bochechinhas das crianças. Nem passar a mão na cabeça de idosos.

76. Os filmes e todas as produções estrangeiras são legendados, tanto no cinema quanto na TV. Isso ajuda muito aos holandeses compreender a língua original da emissão. E ajuda aos estrangeiros a aprender o holandês lendo legendas à jato ! 🙂

77. Os últimos minutos que antecedem o fim do ano são geralmente acompanhados em casa, assistindo TV. Comem oliebollen e tomam algum espumante ou champagne. Pratos frios de peixe e camarão são populares na noite de ano novo e não há ceia formal. Após a virada do ano as pessoas saem de casa, normalmente para soltar fogos nas ruas. Os holandeses gastam horrores com fogos de artifício e as ruas ficam nos dias seguintes cobertas de restos de cinzas e papéis cor de rosa.

78. A maioria dos partos é natural ou normal, em casa ou no hospital mas sempre realizado por parteiras muito experientes e que estudaram durante anos. Há cursos para gestantes e elas ganham em casa do seguro de saúde uma caixa com todo o necessário para o parto: clip para o cordão umbilical, fraldinhas descartáveis, creme anti-assadura, paninhos umedecidos, chocalho, etc. Quando ganhei as caixas não tinha nem chupeta nem mamadeira para justamente estimular o aleitamento materno. 🙂

79. Aqui quando você cruza com um conhecido na rua você diz “oi” (hoi!),”olá” (hallo! ou o “dia”(dag). Para chamar a atenção de algum desconhecido na rua você também pode dizer “hallo!”. Não se deve assoviar ou fazer “Psst!” “Hey!”.Quando você atende ao telefone se identifica: “Met Ana”. E a outra pessoa se identifica do outro lado “Met fulano”. Se você disser “hallo” eles vão ficar em silêncio e confusos do outro lado. Ao se despedir pelo telefone, você fala “dag” só uma vez e desliga. Se você for íntimo do interlocutor pode falar “tot ziens” (até logo) os fofinhos “doei” / “doeg” ou dar um gemindinho agudo (“iúúú”). E, é claro, desligar rapidinho.

80. Aqui nos Países Baixos eles usam o diminutivo pra tudo. Homens e mulheres, jovens e adultos igualmente usam linguagem no diminutivo. A esposa do cidadão pode ter 1,80 e pesar 100 quilos que eles chama de “minha esposinha”. Ou o casal vai fazer uma viagem ao mundo durante seis meses e eles falam “uma viagenzinha”. Isso não é só para expressar carinho ou afetividade, não!  Há palavras oficiais terminadas em “je”. Uma ligação telefônica é “telefoninho”, sanduíche é “sanduichinho”, emprego temporário é “empreguinho”.  Por outro lado, eles não tem aumentativo nenhum.

81. Quase não se toma refrigerante. As crianças tomam um xarope de vários sabores diluído em água que chamam de limonade (ou apenas “limo”). Em compensação os jovens começam a beber álcool muito cedo, a partir dos 16 anos. 😦 Há um forte controle nos supermercados a essa proibição. 🙂

82. Come-se pouco arroz, geralmente acompanhando pratos surinameses ou orientais. O acompanhamento mais comum nos pratos holandeses é a batata. A geração atual está comendo mais massa e arroz que as gerações anteriores pois não precisa descascar nem produz lixo.

83. Muitas palavras em inglês – especialmente da área tecnológica – foram incorporadas no vocabulário. Já na Bélgica os que falam flamenco criam palavras em holandês para as palavras estrangeiras. Por isso há holandeses que consideram os belgas- flamencos mais respeitosos e criativos com a língua que os próprios holandeses.

84. Os jovens, principalmente rapazes, preferem se encontrar tarde da noite em esquinas e lugares públicos como pracinhas, parquinhos, pátios de escolas. Alguns fogem de casa no meio da madrugada e vão beber, fumar, falar alto, chutar lixeiras, depredar bancos de jardim, pichar, soltar bombinha… tudo em grupo.  É um traço cultural forte. Alguns caem em coma alcoólica no meio da rua. 😦  Por isso algumas prefeituras, escolas e shoppings centers instalam “mosquitos” em pátios e bem alto nos postes: são caixas geralmente só ligadas à noite e que produzem um som (zumbido insuportável) só detectado por ouvidos até os 25 anos. Ouvidos adultos não são molestados por mosquitos. Muitas pessoas acham o mosquito anti democrático e pouco civil mas concluem que por outro lado é também eficiente em ajudar a manter a ordem pública e dispersar vândalos. 🙂

Urge to ban dispersal device

85. Não há cartório nem firma reconhecida. Para autentificar um contrato você tem que ir ao notário e ambas as partes tem que assinar o documento na frente dele.

86. O box de banheiro é coisa recente. A grande maioria das casas e apartamentos tem banheiras, com um chuveiro dentro. E mesmo em casas grandes não há suíte para o casal. É só um banheiro compartilhado por toda a família. Há geralmente no piso de baixo, perto da entrada da casa ou embaixo da escada um toalete com vaso sanitário e uma pia bem pequenininha.

87. Um(a) brasileiro(a) para eles tem dois estereótipos: ou exótico ou sensual. Eles acham que os ritmos mais tocados são ou o samba ou coisas mais caribenhas. Os holandeses ficam incrédulos quando digo que há no Brasil há rock, funk e outros estilos. E morrem de rir quando digo que no Brasil também se toca heavy metal. Mor-rem-de- rir.

88. Frutas tropicais tão comuns no Brasil como abacaxi, manga e maracujá são consideradas exóticas e são caras. As bananas chegam totalmente verdes aos supermercados e muitos holandeses as comem verdes mesmo. Há muitos sucos de frutas tropicais em caixa com água de côco, açaí, guaraná, acerola, maracujá que ganham mais e mais popularidade. 🙂

89. Não existem ligações interurbanas. Você pode ligar para qualquer lugar do país pagando tarifa de ligação local.

90. Aqui nos Países Baixos se você perguntar para alguém “Tudo bem?” (Alles goed ? / Hoe gaat het ?) eles sempre respondem automaticamente que está tudo bem: goed. E não dão detalhes de nada (não são um povo prolixo), mesmo você sabendo que eles estão passando por um momento difícil na vida. Ou dizem “Está indo…” meio sem convicção.

91. Aqui nos Países Baixos a qualquer dia de sol é considerado um dia ótimo, mesmo que você esteja congelando de frio. Aliás, qualquer dia sem chuva ou vento é considerado bonito (mooi weer).

92. Há muita crítica em relação à polícia. Há muito tempo a maior fonte de renda dessa instituição é a aplicação de multas a ciclistas e motoristas. Eles estão sempre à espreita na oportunidade de aplicar uma multa. 😦

93. As sentenças dos juízes não são longas – nem para crimes muito violentos. A sensação geral é que criminosos ganham só um tapinha na ponta dos dedos. Geralmente os psicopatas recebem prisão (apartamentos com TV, varanda, ocupação individual, academia de ginástica, etc.) mais tratamento tbs (apoio psicológico e totalmente empírico). Muitos parentes e amigos de vítimas de crimes bárbaros emigram depois de ouvir a sentença. O excelente filme “TBS” é uma obra de ficção que retrata bem como é inútil dar tratamento psicológico ou facilidades penais para psicopatas criminosos confessos.

tbs

94. A polícia é muito discreta e a imprensa não é investigativa nem divulga nunca detalhes de crimes. Dá a impressão que o país é um tremendo paraíso. Geralmente nem foto nem nome completo de assassinos, pedófilos, etc. aparece. Então os holandeses acompanham as notícias desses crimes pelos jornais e  canais de TV  belgas onde aparece a foto, nome e sobrenome dos criminosos.

95. Nos Países Baixos muitas pessoas casadas não usam alianças.

96. Eles não são supersticiosos. Mas se você espirrar repetidamente eles dizem: “Amanhã vai fazer tempo bom !” ;P

97. Os holandeses são considerados um povo muito pão duro. A fama de mão de vaca deles corre por toda a Europa, Marrocos, Turquia… Dão um banho em organização financeira. Quando no exterior eles vão à lojas e olham, olham, comparam tudo, fazem anotações mentais e não compram nada.  Por outro lado, junto com o Canadá, a Holanda é um dos países que mais fazem doações internacionais.

98. A arquitetura histórica é abundante. O país foi rapidamente ocupado pelos alemães no início da II Guerra e por isso teve a arquitetura muito bem preservada. A única cidade que sofreu vastos bombardeios foi Roterdã, por ser um ponto estratégico (porto) e demorar a se render. Por isso é uma cidade bem moderna onde há muita experimentação com arquitetura avant garde. Roterdã é o primeiro porto de cargo da Europa e o sexto do planeta. Se duvidar dá um google: “busiest cargo harbors in the world”.

99. Quando você estaciona em local proibido numa cidade muito movimentada o guarda de trânsito coloca um freio amarelo na sua roda. Ou então seu carro é rebocado. Em ambos os casos você tem que entrar em contato com a polícia local para pagar multa em espécie.

100. Aqui nos Países Baixos come-se batata frita (patat) na rua com maionese (mayo) ou molho de amendoim (pindasaus). Outros molhos populares são curry, alho, ketchup, mostarda, cebola crua em cubinhos. Ou a opção “guerra” que é batata frita com todos-os-molhos-ao-mesmo-tempo-agora. É aquela zorra: a pessoa não aguenta comer tudo, o cone de papel fica molhado, pesado, derrama e o comensal todo lambuzado (roupas, sapatos, mãos, cabelos)  fica com um  tremendo bafo e dor de barriga depois. 😦 E eu como boa undutchable fico me perguntando o porquê de tanta popularidade. Quem tiver alguma explicação para o mistério por favor postar urgente nos comentários, brigadão.

Concorda, discorda do que falei acima ? Compartilhe no FB, Twitter, comente aqui no BZ.  Grata ! Dankje & tot ziens !

——-

Ana Fonseca é carioca, publicitária e vive na Holanda desde 1999 trabalhando na área de turismo e hotelaria. Visite nosso Instagram e Twitter: @blogbrasilcomz Acesse e curta nossa fanpage no Facebook para mais dicas de viagem e turismo clicando aqui.

Mais autores estarão publicando suas listas de “100 Observações” em breve. Ou você pode ler todas acessando “Temáticas do Brasil com Z” aqui. 

33 Comentários leave one →
  1. 21/11/2014 10:07

    Muito bom! Sobre o “item 22” depois te conto sobre o Joselito, e sobre batatas com molho…. Eu amo! Aliás, tem muitas coisas que descreveste que me lembraram a Alemanha, claro, mas também a NZ! Parece que tem coisas que são comuns no mundo gringo.

    • 29/11/2014 11:16

      Me deu vontade de ir nesse Joselito depois do que você falou.
      É… até que eu encaro uma batata com molho de amendoim lá por janeiro quando o frio está de rachar e qq caloria extra é válida para esquentar o esqueleto.
      Foi muito bom te conhecer pessoalmente ! 😉
      Espero para o ano que vem sua lista de 100 observações sobre a NZ, hein ?

  2. Alex permalink
    26/11/2014 21:37

    Parabéns! Eu morei por 8 meses em Huizen e é isso mesmo que você disse! 🙂
    Show de bola, espero um dia poder voltar e morar de vez!!!

  3. Nelson Santana permalink
    27/11/2014 22:57

    Excelente fantástico só faltou dizer que holandês vai de terno pra praia ou pescar. Que tem uns croquetes deliciosos nas máquinas das estações de trem! Que os trens seguem exatamente o horário marcado no painel . Que carro acima de 10 anos eh velho e a polícia futuca o carro pra ver se tem podre. Mas ta ótimo até a bala preta horrível! Faltou dizer que ele fumam muito e um tal de Shag que quando a gente traz pro Brasil todo mundo pensa que eh maconha

    • 28/11/2014 6:29

      Nelson, apesar do seu deboche agradeço pelo comentário. Afinal, nem todo mundo tem que concordar comigo (nem eu gostaria que isso acontecesse). Faltou eu dizer sobre o shag e faltou muita coisa, claro. Um abraço.

  4. Touché Guimarães permalink
    28/11/2014 7:42

    Ana querida,

    você, como ‘veterana’ no Brasil com Z, com certeza sabe bem como chegar nas pessoas, com informações e comentários que permitem ao leitor uma visão viva, interessante e acessível sobre a Holanda, ou devo dizer, os Países Baixos?

    foi justamente o agradável contato que iniciamos que me motivou a frequentar o site e, agora – com muita alegria – poder chamar você de colega. Obrigada.

    proficiat, collega!!! goed gedaan!
    dikke kus,

  5. 28/11/2014 8:31

    Oi Touché,

    Agradeço ao apoio, você sempre tão animada !

    Bom, o blog aqui tem uma linguagem informal e atinge todo tipo de leitor (brasileiros que jamais irão morar no exterior nem querem, brasucas que estão decepcionados no exterior e querem voltar, brasileiros bem sucedidos em terras estrangeiras que deram um banana para o Brasil, brasileiros que… ufs, tudo). Então não temos como cobrir todos os assuntos de forma mais acurada possível – afinal somos escritores de blog como hobby, não somos cientistas sociais ou antropólogos, não vamos escrever nehum material científico / tratado / compêndio.

    Acho positivo as pessoas debaterem um assunto – só não precisa ser a ferro e fogo como alguns comentaristas já o fizeram no passado. Creia-me: eu já discordei de outros autores no passado e provavelmente discordarei de você também, quem sabe ? O debate é – guardados o devido bom-senso e polidez – enriquecedor.

    Fiz aqui uma lista de generalizações leves segundo MINHAS percepções da parte da Holanda onde vivo (Noord Holland), a parte mais conhecida e visitada do país.

    Aguardo ansiosamente sua lista das 100 observações sobre a Bélgica ! Vou curtir demais !

    • Touché Guimarães permalink
      28/11/2014 9:07

      Ana, a gente precisa curtir o que faz, né?
      Concordo totalmente: o objetivo do blog não é científico! Parece que alguns leitores não se contentam com a agradável troca de informações e comentários…

      já comecei minha lista das 100 belgitudes…a ver como vai ficar.
      dikke kus procê!

  6. 29/11/2014 14:53

    Adorei, e agora, ao ler os comentários, fiquei ansiosa pra ler a lista sobre a Bélgica. Tenho amigos da Holanda e Bélgica, mas o país que mais visitei foi a Bélgica (norte) e sou muito fã. Amo as batatas fritas no papel de prato principal. 😀

    • 29/11/2014 16:18

      Obrigada pelo comentário e por ter compartilhado meu post. As batatas da Be e NL são grossas e especiais mesmo. Nada de GMO como as do McDo.

    • Touché Guimarães permalink
      30/11/2014 10:21

      hey Kathleen,

      que bom que você gosta do nosso site…e da Bélgica! a colaboradora responsável por escrever sobre as 100 belgitudes sou euzinha, porém, devido ao nosso calendários – o do site e o oficial – esta lista muito provavelmente será publicada em janeiro, pois priorizamos alguns temas relativos com o momento, você entende.

      por favor! espere e comente, sim? ficarei feliz em ter você como leitora e co-observadora do país que amo. Se você quiser, já tem um artigo meu publicado aqui no blog.

      um abraço en
      tot ziens!

  7. Ana cecilia permalink
    29/11/2014 16:22

    Como assim o banheiro não tem ralo?? Ou só no box??
    Senti falta do assunto VELAS. Ouço q os holandeses amam e possuem váriasss em casa!
    Adorei conhecer os holandeses de perto!!

    • 29/11/2014 16:31

      No box sim tem ralo, claro.rs rs… Não tem ralo no piso do banheiro.
      Sim , os holandeses adoram velas, acham “gezellig” (não gosto do termo, mas vá lá: “aconghegante” e caloroso). Todos os tamanhos, cores, com sementes ou grãos, etc. Colocam até em arranjos combinados com conchas ou outros objetos, é bacana. Traz uma atmosfera especial, suave. Mas acho que ninguém mais gosta tanto de velas como os escandinavos. Deixam até acesas quando vão dormir.
      Conhecer os holandeses “de perto”… rs rs É, eu acho que lendo esse post meu as pessoas aprendem “uma palhinha” sobre os tamanquinhos. A internet aproximando as pessoas (cliché, mas verdadeiro).

      • Ana cecilia permalink
        29/11/2014 16:40

        Ahhh os tamanquinhos… Faz mais 100 aê!! A galera vai curtir muito! 👏

  8. Ana cecilia permalink
    29/11/2014 16:39

    Essa ideia top100 foi sensacional, além de ser totalmente despretensioso e verdadeiro. Vc conhece tudo. Adoreiiii! Parabéns!!

  9. Mario permalink
    29/11/2014 20:38

    “quando um ciclista quer mudar de pista apenas estica o braço esquerdo horizontalmente e cruza a rua sem parar ou desacelerar. Os motoristas vindo atrás que se danem !” – eu acho ótimo, bicicletas tem prioridade e ponto final.

    Batata com maionese é ótimo, pelo mesmo motivo que a gente adora salada de maionese!

    • 30/11/2014 8:17

      Claro que tem prioridade e ponto final. Só que como ciclista eu prezo pela minha vida e não quero dar sustos nos motoristas nem ocasionar acidentes. E como motorista se algum ciclista fizer um ato mal calculado pra cima de mim e eu feri-lo, de quem é a culpa? Ah, é sempre do motorista né ?
      Batata frita com mayo deve ser ótima, o diâmetro da cintura do comensal que o diga ! As celulinhas adiposas já safadas por natureza ficam todas assanhadas.

  10. Monica permalink
    30/11/2014 21:34

    Faltou dizer que quando morre algum holandes, eles fazem a maior festa, saem prá jantar fora para comemorar a morte do falecido…

    • 01/12/2014 6:52

      Eu já vi como nascem e morrem. Em velórios eles se vestem formalmente, lêem poemas, fazem discursos, batem papo e comem torta com café ou salgadinhos…. Não choram. Devem estar tudo à base de Prozac e Lexotan. “A maior festa, saem pra jantar” eu não sei.

    • Touché Guimarães permalink
      01/12/2014 7:11

      Oi Monica,

      Evidentemente, a Anita está mais em condições de falar dos hábitos dos holandeses do que eu. Mas pelo que sei esta tradição (que existe também na Bélgica de forma mais ‘discreta’ – como tudo aqui) não se liga à idéia de ‘comemorar’ a morte de alguém e sim de, em nome do falecido, compartir com suas pessoas mais queridas um último momento agradável juntos.

      A dor é emoção íntima. Enfim, cada pessoa e cada cultura lida com as perdas de uma forma. Difícil julgar a partir do nosso olhar latino…

  11. 26/02/2015 4:06

    Muito bacana! Adorei como um francês fez também as 100 observações sobre os brasileiros.

  12. ANNE GLAU M. permalink
    13/04/2015 16:26

    Ana, esse não é um Post. É um MANUAL! Esplêndido é uma palavra insuficiente para descrevê-lo. Consigo imaginar o trabalho árduo despendido por você ao escrevê-lo. Pois são nada menos que 100 abordagens diferentes que você teve que lembrar e depois redigi-las, preocupando-se em ser fiel, justa, imparcial e clara!
    Dentre essas 100 observações, uma me chamou especial atenção: os católicos. Eles realmente têm um comportamento avaliado como diferente em comparação ao dos holandeses não-católicos (que são conhecidos por seus hábitos não ostensivos, por exemplo)? E bon vivants (que paradoxo) (LOL)? Sobre “viver de aparência”, em que sentido?
    Desde já, agradeço as gentilíssimas respostas e não encontro palavras para manifestar a minha gratidão por todo enriquecimento cultural que você nos proporcionou por meio deste magnífico compêndio.

    Abraço fraterno,

    Anne Glau.

    • 13/04/2015 20:00

      Oi Anne,

      Haha. levei tempo não. Fiz esse post “de uma veizada só”. São coisas que eu já vinha processando há muitos anos na minha cabeça e quando surgiu a idéia entre nós do blog de listar 100 coisas eu ja tinha tudo mais ou menos pronto na minha alma.
      Sim, os católicos (principalmente do sul) são um grupo à parte. Gastam com roupas caras, com boa comida, com decoração refinada. Mas viajam menos para o exterior do que o pessoal da Randstad. A mentalidade é outra. Acho que também não são tão pão-duros e individualistas quanto o pessoal da Noord Holland.

      Fico agradecidísima pelos seus elogio, muito mesmo. Continue acompanhando o blog que vem muito mais por aí !

      Abraço apertado !

  13. 03/08/2015 20:34

    Apenas uma anotação quanto ao item 85: cartório nada mais é do que o escritório de um notário, o local físico. No Brasil, por tradição dizemos “cartório” mas o correto seria “notário”, já que em todo cartório há um notário que presta o serviço.
    Aliás, assinar um documento em frente a um notário é exatamente “reconhecer firma”.

    No mais, ótimo texto. É sempre bacana reparar nessas pequenas (ás vezes nem tão pequenas) diferenças entre as culturas. Muito bom.

  14. Paula carvalho permalink
    09/12/2015 15:03

    Gostei de tudo! Mais algumas coisas não condiz. Mais acredito que seja a região. Aqui ainda encontramos oliebol, a venda na rua! Mais 90% concordo!!!!

  15. Marcos permalink
    10/08/2016 18:04

    Muito Bom. Parabéns. Com relação a aluguel você tem média de preços para quem vai trabalhar em Roterdã? o que um brasileiro precisa pra fazer antes de ir trabalhar lá? Informar na receita federal algo mais? Preciso fechar minha conta aqui no Brasil? Passagens para os países vizinhos você tem algum material que possa olhar? Obrigado.

    • 14/08/2016 10:55

      Oi Marcos. Olha, eu não sei nada sobre aluguel em Roterdã. Procure no google por “huren in Rotterdam”. Por exemplo, este site “at home vastgoed”: http://www.athomevastgoed.nl/woningaanbod/?gclid=CM-DycTQwM4CFQ26GwodVl0FTg ou huurwoningen.nl ou rotterdamappartments.com/appartment. Para trabalhra na Holnda voce precisa ter um “work permit”, pois suponho que nao tenha um passaporte da comunidade europeia. Passagens a partir da Holanda para paises vizinhos e’ bem facil de achar, via trem ou aviao. Veja o site da KLM ou por trem, por exemplo, nsinternational.nl Boa-sorte!

  16. Bruno permalink
    16/08/2016 10:05

    Adorei! Perfeito.

  17. Helô permalink
    13/10/2016 10:01

    Ola, Ana.
    Tudo bem? Tenho uma dúvida , em dates, quem costuma pagar a conta, o homem ou a mulher , dividem? Tenho a mesma dúvida com os belgas, vc sabe se é igual?
    Tks!!!

    • 13/10/2016 11:13

      Claro que dividem. Não há nenhuma razão para ser diferente. Aliás, no BR, eu também dividia. Abraços!

  18. ERIC permalink
    10/04/2017 20:26

    Boa Tarde Ana !
    Pelo título da sua postagem contendo as 100 observações da holanda, tive quase que absoluta certeza que iria ter algo falando sobre as festas eletrônicas, pois o meu primo passou uma temporada próximo a Museumplein, ele comentou comigo da abundancia e a animação das pessoas para com estes eventos. Comente algo sobre isso por favor ? =D

    E coloque 101 observações da holanda kkkk

    • AnaFonseca permalink*
      10/04/2017 21:05

      Verdade, Eric. Holandês adora música eletrônica e tem DJ’s famosíssimos. Dá um post. Aliás, eu poderia fazer 500 ou 1000 observações sobre a Holanda. Na verdade, tudo que observo está espalhado aí pelo blog e pela bloglândia. E já estou sendo muito plagiada. Abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: