Skip to content

Catrina de Los Toletes – Símbolo Mexicano

25/06/2015

bz_mexicoMelissa Lima  – México

O México é um dos países mais católicos do mundo. E aqui, eles tem um jeito diferente da prática do catolicismo. Por exemplo, a Virgem de Guadalupe (um super símbolo nacional e religioso) não se parece a a Virgem Maria da escola de arte européia. Ela tem a pele mais escura e veste roupas mais coloridas e  tradicionalmente mexicanas. E os mexicanos se orgulham e abraçam sua ascendência azteca. É só observar a  celebração do “Día de los Muertos”.

Um dia que para mim sempre foi sinônimo de tristeza, de choro, de saudades, aqui meus caros amigos, é o oposto. A forma mexicana do Dia dos Mortos e única. No México, é sinônimo de festa. Aqui eles comemoram  um sentimento  que os aztecas deixaram vivos, de que a vida continua. Os aztecas dedicavam um mês todo, chamado Miccailhuitontli, durante o verão, aos mortos. Celebravam a memória dos guerreiros perdidos, crianças mortas e idosos. Sempre recordados com altares decorados com figuras de barro e velas, e isso se manteve até os dias de hoje no México. A partir do século XVI, aqui chegaram os europeus, ensinando o catolicismo aos indígenas, com a esperança de espalhar a religião. Ensinaram sobre todos os santos, no outono. Por isso, hoje no México, o “Día de los Muertos” se celebra em novembro,  durante dois dias.

Mas estou falando tudo isso pra chegar num ponto: a Catrina.

É difícil alguém não associar a figura feminina da Caveira ao México, chega a ser automático.

A palavra catrina é a variante feminina da palavra catrín, que significa Dândi (homem de extremo bom gosto) em espanhol. O personagem tem uma função de memento mori (lembre-se de que você é mortal) destinado a lembrar que as diferenças sociais não significam nada, diante da morte.

A imagem da Catrina , representa  uma caveira  (um símbolo popular na arte azteca) está super bem vestida, com a moda européia, super divas e luxuosas.

O autor da caricatura da Catrina, José Guadalupe Posada, é conhecido por seu trabalho que representa a política, a sociedade, história e a tradição mexicana. Ficou famoso porque satirizou  classes ricas durante os século XIX e XX. Também tinha interesse em europear a história mexicana.

Então, pra gente entender de uma forma resumida e humorada… trata-se do esqueleto de uma dama da alta sociedade do início do século passado e tem a função de lembrar que diante da morte não existem diferenças sociais. É, portanto, uma lição de humildade e igualdade.

O período em que fica mais evidente tudo isso, certamente é nas festividades do Dia dos Mortos, que mais pra frente, vou contar pra vocês .Um período encantado no país, pra mim, a maior de todas as festas! Essa cultura ficou evidente com o lançamento mundial, no ano passado , do filme entitulado em Português como “Festa no Céu!” (The Book of Life.)

DSC07447

DSC07458

DSC07471

DSC07499

DSC07501

sueno-de-una-tarde-dominical-en-la-alameda-1947

Diego Rivera (um dos muralistas mais famosos de México) utilizou o  símbolo de La Catrina  em uma pintura, Sueño de una tarde dominical na Alameda Central. Na imagem, La Catrina se encontra rodeada pelos mexicanos de 400 anos da historia do país. A maioria destas pessoas, com exceção de sua esposa, Frida Kahlo, estão em trajes europeus. A  Catrina veste seu chapéu francês com plumas e um sorrisão grande e feliz.

Besitos pra vocês.

Melissa Lima, 34 anos, mora com a família em San Luis Potosí/MEX desde final de 2013, sem prazo pra voltar pro Brasil (se voltar!). Para saber mais sobre ela clique aqui. Veja fotos da Melissa e dos nossos outros autores no Instagram acessando aqui. Sigam-nos no Facebook para atualizações clicando aqui.  Twitter? Acesse @blogbrasilcomz

5 Comentários leave one →
  1. Mirian permalink
    25/06/2015 13:21

    Muito interessante. Adorei o post.
    Parabéns
    Mirian

  2. Arlete Dotta permalink
    26/06/2015 6:25

    Tb gostei! Nunca soube por que via essas caveirinhas relacionadas à imagem do México. Legal saber que a cultura asteca ainda é lembrada de algumas maneiras.

    • Melissa Lima permalink
      26/06/2015 14:06

      É muito rica a cultura deles em relação a morte Arlete! Você passa a enxergar de outra maneira…Até festa do cemitério eles fazem… Besitos!

  3. 26/06/2015 13:47

    e ieu que não sabia que sou azteca em minha maneira de ver a morte!
    valeu, adorei aprender.
    grata, Melissa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: