Skip to content

Deserto do Atacama II: a visita ao paraíso continua

22/07/2016

bz_chile-transparente

 

Carlos Fernandes – Santiago, Chile

Conforme eu disse no post anterior “Deserto do Atacama, um paraíso de visita obrigatória”, eu precisei dividir esse assunto em duas partes para que eu pudesse escrever o máximo possível sobre o Atacama. Portanto, se você ainda não leu o texto anterior, clique no título acima ou clique aqui. Assim você poderá ter as duas páginas abertas para ler o artigo completo.

Bom… no texto anterior vimos como chegar ao Atacama e como é a cidade de San Pedro de Atacama, o QG dos turistas que visitam o deserto. E vimos também os passeios ao Valle de la Luna, Laguna Cejar, Ojos del Salar e Laguna Tebinquiche. Hoje continuaremos nosso tour ao deserto mais alto e árido do mundo.

Lagunas Altiplanicas, Laguna Chaxa, Socaire e Toconao

Outro passeio muito procurado pelos turistas que desejam conhecer o deserto do Atacama é o Tour Lagunas Altiplanicas. Localizadas dentro da “Reserva Nacional Los Flamencos” e a cerca de 120km de San Pedro de Atacama, as Lagunas Miscanti e Miñique são conhecidas como as Lagunas Altiplanicas. Elas estão a cerca de 4.200 metros de altitude no meio da Cordilheira dos Andes e cercadas pelos vulcões com os mesmos nomes.

Laguna Miñique ao fundo - Foto: Natalia Maimoni

Laguna Miñique ao fundo – Foto: Natalia Maimoni

O passeio até as Lagunas começa ao amanhecer por volta das 06:30h. Temos, então, a oportunidade de observarmos o lindo amanhecer na Cordilheira dos Andes e o Vulcão Lascar, um vulcão ativo localizado no Deserto do Atacama com 5.592 m de altitude. As agências oferecem o café da manhã assim que o sol nasce.

Laguna Miscanti vulcão de mesmo nome - Foto: Carlos Fernandes

Laguna Miscanti e o vulcão de mesmo nome – Foto: Carlos Fernandes

Vulcões ao fundo - Foto: Carlos Fernandes

Vulcões ao fundo – Foto: Carlos Fernandes

De lá o passeio segue com destino a Socaire, um povoado com cerca de 800 habitantes localizado a 3.500 metros de altitude. Trata-se do último povoado chileno na rota CH-23 com destino a Argentina.

Após uma rápida parada em Socaire, seguimos viagem até a Laguna Chaxa. A Laguna Chaxa, que também é parte da “Reserva Nacional Los Flamencos“, está localizada dentro do Salar de Atacama, a maior reserva salina do Chile. Está situada a 2.300 metros de altitude e possui um piso extremamente irregular de crostas de sal. Ela possui vários espelhos de água onde você poderá observar uma grande comunidade de flamingos e outros animais da região. Ali o calor é intenso. Soma-se ainda o excesso de sal para ajudar a queimar nossa pele.

Imensidão de sal - Foto: Carlos Fernandes

Imensidão de sal – Foto: Carlos Fernandes

Flamingos ao fundo - Foto: Natalia Maimoni

Flamingos ao fundo – Foto: Natalia Maimoni

Após a Laguna Chaxa, parti para a última parada: o povoado de Toconao. Toconao é uma vila a cerca de 38km de San Pedro de Atacama e possui uma população de mais ou menos 750 pessoas. A vila é um oásis no meio do deserto que, graças a pureza da sua água, permite o cultivo de várias frutas.

Geysers del Tatio, Vado del Río Putana e Pueblo Machuca

O passeio aos Geysers del Tatio é outro que provavelmente vai estar na sua lista. É um dos mais procurados pelos turistas que desejam conhecer as belezas do deserto. E também nos reserva uma oportunidade única de conhecer esse espetáculo natural.

Os Geysers del Tatio se encontram dentro da Cordilheira dos Andes a cerca de 100km de San Pedro de Atacama e a 4.300 metros de altitude. O campo geotérmico de origem vulcânica chileno é considerado o 3º maior do mundo, perdendo apenas para os Geysers de Yellowstone National Park nos Estados Unidos e para o Valley of Geysers na Rússia. É também o maior campo geotérmico do Hemisfério Sul e um dos mais altos do mundo. Com cerca de 80 geysers ativos, é um dos locais mais extremos do planeta Terra devido a sua altitude e localização. Cercado por 3 vulcões, o nome “El Tatio” vem do indígena e significa “forno”.

Os geysers em ação ao amanhecer - Foto: Carlos Fernandes

Os geysers em ação ao amanhecer – Foto: Carlos Fernandes

Os geysers estão em seu pico entre cerca de 5:00 e 7:00 da manhã. O choque das águas fervendo dos geysers (a cerca de 85 graus) com as temperaturas negativas formam uma nuvem de fumaça pelo campo. Além de muitos deles apresentarem uma forte ebulição e jorrar água fervendo.

Água em ebulição - Foto: Carlos Fernandes

Água em ebulição – Foto: Carlos Fernandes

Os tours começam às 4h30 e a temperatura por lá era de -2 graus, quando visitei, no verão. Depois de ver os geysers de perto, os tours seguem até as Termas del Tatio. As termas formam uma piscina de água proveniente dos geysers onde os mais corajosos podem desfrutar de um mergulho.

Ali presenciamos o lindo nascer do sol no Vulcão El Tatio e desfrutamos do nosso café da manhã com uma das paisagens mais lindas da viagem.

Um dos locais mais lindos que já tomei um café da manhã em minha vida - Foto: Carlos Fernandes

Um dos locais mais lindos que já tomei um café da manhã em minha vida – Foto: Carlos Fernandes

Espetáculo da natureza - Foto: Carlos Fernandes

Espetáculo da natureza – Foto: Carlos Fernandes

Partirmos dos Geysers e fizemos uma parada em um local magnífico chamado Vado del Río Putana. O rio serve de atrativo para muitos animais e aves da região. Podemos ver grupos de vicunãs, lhamas e aves locais vivendo tranquilamente por lá. Temos a linda vista da Cordilheira dos Andes e dos vulcões Putana, Curiquinca, Colorado, Escalante e Sairécabur a sua frente. O vulcão Putana é a divisa entre o Chile e a Bolívia e é um vulcão em atividade constante, tanto que podemos observar fumaça saindo dele.

Vado Rio Putana - Foto: Carlos Fernandes

Vado del Río Putana – Foto: Carlos Fernandes

Vado del Río Putana - Foto: Carlos Fernandes

Vado del Río Putana – Foto: Carlos Fernandes

Dali partimos para um povoado chamado Machuca. O povoado possui cerca de 20 casinhas e uma igrejinha pitoresca a 4.000 metros de altitude. Ali você poderá desfrutar de empanadas de queijo de cabra ou até mesmo de um espetinho de carne de lhama.

Povoado Machuca - Foto: Carlos Fernandes

Povoado Machuca – Foto: Carlos Fernandes

DSC02231

Igreja Machuca – Foto: Carlos Fernandes

Tour Astronômico

Esse passeio é altamente indicado para as pessoas que gostam de apreciar o céu a noite e as estrelas. Na verdade é indicado para todas as pessoas que, pelo menos uma vez na vida, gostou de ficar olhando o céu estrelado. Para pobres mortais como eu, que não tenho uma máquina fotográfica para registrar momentos como esse, me restou levar essa experiência somente em minha memória.

O céu do Atacama é considerado um dos melhores do planeta para ser observado e estudado. São mais de 300 noites por ano de céu limpo, além de estar a 2.400m de altitude e disponibilizar de pouca luminosidade artificial. Por lá encontramos os maiores projetos do mundo no quesito astronomia. Países da Ásia, Europa e os Estados Unidos investem muito nesses projetos, principalmente no ALMA Observatory (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), o maior deles abrigando um telescópio com 66 antenas de alta precisão há uma altitude de 5.000m.

O céu do Atacama. O feixe de luz verde é uma espécie de caneta que os astrônomos usam para sinalizar as estrelas - Foto: Space Chile

O céu do Atacama. O feixe de luz verde é uma espécie de caneta que os astrônomos usam para sinalizar as estrelas – Foto: Space Chile

Ali, a céu aberto, você terá uma aula fantástica de astronomia. Temos a oportunidade de ver o céu como ele realmente é, pois nos dias de hoje isso se torna praticamente impossível nas cidades. É possível visualizar a olho nu as mais variadas estrelas e constelações, aglomerados de galáxias, planetas, nebulosas e tantas outras coisas mais que nós nunca soubemos que poderia existir no céu.

Pude nesse tour enxergar a Via Láctea. Vi que a estrela que corresponde ao planeta Marte é realmente vermelha. Vi um buraco no céu onde não há estrelas e que corresponde ao exato local onde gira o nosso planeta Terra. Vi um satélite em movimento por entre as estrelas. E três estrelas cadentes riscando o céu. Espetacular!

ALMA, um rádio-observatório constituído por um conjunto de 66 antenas - Foto: Carlos Fernandes

ALMA, um rádio-observatório constituído por um conjunto de 66 antenas. A Via Láctea acima – Foto: ALMA

Considerações finais

Por mais que eu tente escrever sobre o Atacama ou exemplificar com fotos, a verdade é que todos deveriam um dia ter a oportunidade de conhecer pessoalmente esse local. E se você já fez isso um dia, compartilhe pelos comentários sua experiência de ter conhecido esse espetáculo da natureza.

__________________________

Carlos Eduardo Fernandes é publicitário,  já morou na Irlanda e atualmente é professor de inglês online em Santiago, no Chile. Saiba mais sobre ele e o blog pessoal clicando aqui. Sigam-nos no Facebook acessando aqui. Instagram e Twitter, procure por: @blogbrasilcomz

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: