Skip to content

Como desencalhar na Holanda? (E não só na Holanda)

07/06/2017

Ana Fonseca – Holanda

Desencalhar… quem não quer? O BZ recebe muito e-mails de gente narrando as frustrações de contatos online com estrangeiros, a dificuldade de se encontrar alguém no novo país, a falta de oportunidades de contato, os desencontros e desentendimentos devido às diferenças culturais…

Amor é… tudo o que você precisa. 

Bom gente, a melhor maneira de conhecer alguém na Holanda (e talvez no mundo ocidental todo) é em eventos de massa durante o dia, onde os holandeses se soltam um pouco mais e estão dispostos a dar olhadas. Tudo é mais contido se compararmos ao Brasil, mas para quem é solteiro, vale a pena conhecer os lugares aqui listados.  Dou lugares para todos os gostos e orçamentos. Vá com um par de conhecidos, tome uns gorós e dê um rolé por lugares como, por exemplo:

Dia do Rei

Acontece em abril. Muuuuita gente nas ruas, de todas as idades, em todas cidades holandesas. O pessoal come, bebe, dança, vai à parques de diversão montados especialmente para o dia, senta à beira dos canais. Ótima oportunidade para começar um papo com um(a) desconhecido(a) atraente.

Rolling Kitchens

Acontece sempre em maio e fica no Westergasfabriek, em Amsterdam. Área facílima de se chegar de bonde ou bike. Um festival de food trucks ao ar livre, numa vasta e linda área em Amsterdam, com muitos shows, comida para todos os gostos e pouca criança ou idoso. É mais para o povo de 20 – 50 anos. Nunca, mas nunca mesmo via tanta gente bonita junta. Me senti um troll.  http://rollendekeukens.amsterdam/

Food Hallen, aberto o ano inteiro. É um espaço lindo com cinemas, e muita gastronomia de diversas culinárias. Tem lojas também, povo passeando, vai e vem… Já pus umas fotos lá no Instagram para você sentir o climinha.

http://foodhallen.nl/

Festivais de música, principalmente em parques nas cidades. No Vondelpark, por exemplo. Ou festivais de música clássica, latina, etc.. Especialmente o Pinkpop, o mais antigo festival de música pop do mundo. Ele dura três dias e tem mais de 68mil visitantes todo dia. Fica em Landgraaf, no sul da Holanda, e você pode acampar por lá.

http://www.pinkpop.nl/2017/en

Praias

Ok, nada de palmeiras e vegetação tropical luxuriante por aqui. Mas a costa da Holanda tem praias lindas, vastas, cheias de dunas, e com muitos bares super descolados. Principalmente os alemães gostam muito, e nos bares rola uma azaração sim.  Tem bar com decoração balinesa, náutica, caribenha, mediterrânea, escandinava, etc.. Totalmente apaixonantes. E nesses bares não precisa fazer tempo bom para você curtir.

Bar Woodstock 69, em Bloemendaal. 

Bar Bries, em Noordwijk.

Uma dica…

Saia mais com seu cachorro. 

Se você é do tipo que dá uma saidinha rápida com o doggy pela manhã e pensa que já está bom, mude esse seu pensamento. Andar em lugares novos, com mais frequência e durante mais tempo, aumenta suas chances de encontrar alguém legal (e, de quebra, também alguém para seu doggy).

Agora, se você veio morar na Holanda Solteirinho(a) da Silva Carente especificamente depois dos 30 e pouquinho, ainda há muitas possibilidades para você!

Festas retrô:

Holandês adora se fantasiar, usar roupa de época, fazer tipos com perucas, maquiagens, etc.. Aqui volta e meia tem cartazes anunciando “Festa dos anos 70″, Festas dos anos 80”, etc.. No fundo, esses lugares são muito frequentados por divorciados e nostálgicos de plantão. Uma ex-colega de trabalho, uma mãe solteira, queria se sacudir ao ritmo de Madonna e A-Ha e foi com duas amigas a uma festa assim. Encontrou um cara lá, dançando ao ritmo de Michael Jackson. Estão juntos até hoje.

Leia livros específicos, podem te dar uma luz:

Esse não é um recomendação para livros de autoajuda, não! Nem conselho só para nerds. Simplesmente, é uma maneira rápida e eficiente de aprender mais sobre outras cultura que você decidiu adotar. No caso de você ir se mudar para a Holanda e ser mulher (ou gay…), eu recomendo que leia o seguinte livro:

A jornalista francesa Sophie Perrier entrevistou umas 35 mulheres estrangeiras de diversas nacionalidades (China, Líbano, Canadá, Israel, Finlândia, Japão, Argentina, México, etc.) e que moram na Holanda. Todas elas (mais um homem espanhol gay) tiveram ou têm relacionamentos com homens holandeses. Em capítulos por temas (“ciúme”, “flirting”, “confiança”, etc.) ela contam como foram situações e reações dos homens holandeses que conheceram, todas muito parecidas.

Se você busca paixão e romance, então não: o homem holandês não é para você. Ele não é um Don Juan. Ele é lento, calmo, evita riscos, nunca demonstra desejo ou ciúmes… Mas é emancipado (lembrem-se que a geração de homens de hoje foi criado por feministas dos anos 70) e gosta de ter atividades com os filhos, ter a casa arrumada. Enfim: Confiável, mas previsível. E por isso para algumas é “saai” (boring). Eu acho os homens por aqui respeitosos e atentos, e isso para mim tem seus charmes. Mas realmente, na cultura holandesa, praticidade está acima de tudo, e também fazer acordos prévios. Nada de impulsividade, espontaneidade.

Serviço: 

“De mannen van Nederland”, Sophie Perrier, editora Plataan, 120 páginas

Disponível, por exemplo, via bol.com.

Pague mico na televisão

Se você tem um crush com algum(a) holandês(a), alguma história mal finalizada, etc. entre em contato por carta com o programa “All you need is love”. O programa é meloso, histérico e hilário – e já apareceram até alguns brasileiros por lá que têm rolo com holandeses. O programa tem forte participação do público, de todas as idade e preferências, e é surpreendente como muitos holandeses mostram seu lado mais corajoso, espontâneo e bem humorado. Fazem confissões, choram, pulam de alegria, correm de braços abertos para o amado, cantam etc. O apresentador às vezes até coloca um bando de holandeses dentro de um avião e vai para a Austrália ou EUA, em busca de parentes afastados, famílias rompidas, etc. E, sim: tem gente que é rejeitada em pleno programa. Nem sempre, mas pode acontecer. E aí eu fico com vergonha alheia…

Só para divorciados com filhos, super bacana:

Essa ideia que vou mostrar a seguir bem que podia existir no Brasil: um camping para pais e mães divorciados (ou solteiros, cm filhos). Essas pessoas se chamam em holandês “alleenstaandeouder(s)” ou numa tradução livre para o inglês: “standing alone parent”. Funciona basicamente assim: certos campings na Holanda e fora do país são organizados para divorciados holandeses com filhos, que desejam encontrar (ou não necessariamente estão matando cachorro a grito, ainda) um parceiro, também com filhos. A pessoa pode alugar por um período de no mínimo uma semana uma tenda ou uma “mobile home”/caravan. Tem na primavera e no verão. O camping organiza atividades diárias para entreter as crianças. Enquanto isso, os adultos também têm seus momentos de diversão, só entre eles: degustação de vinhos, passeio turísticos a castelos, museus, grutas, vinhedos, escaladas, etc.. É uma maneira de fazer adultos sozinhos que têm filhos encontrar outros adultos na mesma situação, sem a pressão de estarem num encontro formal.

A minha cunhada, depois de 6 meses de divorciada, conheceu o atual marido assim. Foi num camping na França. Depois das crianças nadarem e terem atividades o dia inteiro, elas “apagam”. E os adultos ficam batendo papo e bebericando vinho ao redor da fogueira até a madruga. Papinho vai, papinho vem, amizades se formam.  E talvez algo mais além de amizades…

Agora me digam: não é uma ótima ideia para conhece alguém? Na “pior” das hipóteses você se diverte e encontra pessoas na mesma situação para conversar e passar momentos legais. Na melhor das hipóteses, você encontra alguém interessante, sem nem mesmo ter estado numa “date”. Um pai ou uma mãe sozinho(a) não precisa ser solitário, nem mesmo durante as férias!

Seviço: 

Por exemplo, nesse site: http://www.alleenstaandeouder-vakanties.nl/kamperen

*******

Uma nota sobre aposentados: 

Já conheci no círculo de amizades da família do meu marido idosos que ao ficarem viúvos arrumaram outras companheiras em questão de um par de meses. Tipo: DOIS ou TRÊS meses, mesmo. Eu fico impressionada.  Geralmente, um “crush” antigo (segundo minha sogra e as amigas dela “amor de juventude não enferruja”- Jeugdliefde roest niet). Outros arrumaram no canto coral para a terceira idade da igreja que participavam. E um outro começou um caso com a melhor amiga da mulher recém falecida. (Estou falando do grupo 70-75+, hein?) Então, há potencial em todas as partes, só é cego quem não quer ver.

*******

E para terminar…

Se você está procurando um holandês(a) para chamar de seu(sua) mas ainda tem dúvidas, recomendo que leia os seguintes posts que já publiquei, muito acessados e comentados:

Muitas razões para dar chance a um amor holandês

Relacionamentos na Holanda

Vocabulário holandês inútil para amor e desejo

Sharing is caring! Gostou do que leu aqui? Então compartilhe!

Dank je.

Succes & veel geluk! 

__________

Ana Fonseca mora na Holanda e é administradora do blog “Brasil com Z”. Sigam o blog Brasil com Z no Instagram para ver fotos dos nossos autores pelo mundo. Sigam-nos nas mídias sociais! O BZ também está no Twitter e tem uma fanpage no Facebook. 

2 Comentários leave one →
  1. Cristina Del Gaudio permalink
    09/06/2017 4:13

    Adorei suas dicas! Morei na Holanda mas tive que voltar por motivos de saúde. Tive alguns namorados e me identifiquei mt com várias situações que vc mencionou. Estou querendo voltar pra Holanda, e vou ficar grudadinha no seu blog! 😉😙

    • AnaFonseca permalink*
      09/06/2017 7:06

      Ha, ok, gruda! Mas divulgue-o também, por favor! Abraços.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: